Pernosticamente estampava o nome de hotel, único, aliás, na cidade. Era, apenas, pensão, o banheiro e sanitário coletivos, distinção que minha experiência acentua. Alguns inconvenientes se faziam presentes. Um deles, os quartos não eram forrados. De madrugada, na maioria das vezes, algum  motorista de caminhão ligava o rádio e todo mundo se acordava para ouvir o cancioneiro do horário. Diga-se de passagem que não era ocorrência de todos os dias. Vá lá. O outro inconveniente repousa, justamente, à época, na falta de água encanada. Uma semana, só foi uma, nada mais, faltou água na caixa do banheiro. Fiquei sem tomar banho.

Acrescento, na lista de inconvenientes a ausência de sala apropriada para realização de júri. O que  não era novidade. Se não tínhamos foro, os serviços sendo realizados na sala de entrada da Prefeitura, onde, aliás, a Câmara Municipal se reunia, não se pode esperar lugar para o júri. Na busca de um, a escolha recaiu na sede de clube social. As cadeiras e mesas foram arrumadas, tudo se desenrolando sem problemas, a exceção da presença do acusado, que, devidamente escoltado, só chegou na hora do almoço – e, aí, estranhamente, a sessão teve início já com o almoço servido -, ao que se acrescenta a surpresa que tive quando o sol saiu de cena e as lâmpadas tiveram de ser acesas. Naquele tempo se constitui em moda a luz negra, e, ademais, o principal fim da sala era de ser palco de danças. O empeço foi vencido, alívio geral, o júri tinha de ser realizado, e, foi, a luz negra, à míngua de outra, permitindo que se trabalhasse.

A velha sede da Exatoria, que se mudava para uma nova, passou a ser nossa. A comarca, enfim, tinha seu fórum, pequeno e improvisado, a exibir, palidamente, um degrau alcançado. Outras conquistas me tiveram como testemunha, continuando quando da comarca eu era um nome a mais entre os juízes que a comandaram. Hoje, quarenta e um anos depois, a paisagem é outra, o passado, permanentemente, a abrir espaço, aqui e ali, para as lembranças, conservadas pela memória, subirem à superfície, exibindo a distância que se coloca entre ele e o presente. O dia a dia no meio de processos me entusiasmava. A minha jornada estava apenas iniciando.

Obs: Publicado no Diario de Pernambuco
[email protected]
Membro das Academias Sergipana e Itabaianense de Letras

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I