sgameleira@gmail.com
domsebastiaoarmandogameleira.com

 Visita-surpresa na quinta-feira

 Um simpático grupo de jovens. Moças e rapazes, de uma Igreja batista de Belo Horizonte, em companhia de um de seus pastores (Filipe, a Igreja tem uma equipe de pastores), vieram ao Recife para conhecer a cidade e tomar contacto direto com a Igreja Batista em Coqueiral, na divisa entre o município do Recife e o de Jaboatão dos Guararapes. Acompanhava o grupo o pastor José Marcos, da IBC.

O intercâmbio entre comunidades é, sem dúvida, um gesto de fraternidade no Povo de Deus, inspirador e de muito proveito. Conhecer novas experiências, novos espaços, novas pessoas e novos ambientes… tudo isso contribui para nosso crescimento, abre novos horizontes, confirma intuições e nos ajuda a perceber que novos caminhos podem ser percorridos e a fraternidade se alarga no Corpo de Cristo. Sem dúvida, a IBC (Igreja Batista em Coqueiral) tem-se tornado um especial ponto de referência: intensa vida comunitária, clareza de propósitos, relação direta e fraterna entre pastor e comunidade; esta participa da reflexão, da formulação da visão e da realização prática das decisões tomadas. Durante a semana, o povo da Igreja está indo ao encontro do povo do bairro, mediante os diversos programas de ação social dirigidos particularmente para jovens e realizados de maneira participativa. Sem dúvida, a Missão é o sentido e o conteúdo da vida da Igreja, isto é, de um povo que se sente enviado à sociedade em nome de Jesus para anunciar e atuar em vista  de contribuir  para que a sociedade se transforme em “casa” de todas as pessoas: achegar-se às casas, declarar o “xalôm” (felicidade) de Deus… das casas sair às praças da cidade para que a “cura” (cuidado) se estenda a todas as pessoas abertas à presença do Reino, sem temer peregrinar na contramão dos sistemas opressores do mundo (cf. Mt 10, 1-16; Lc 10, 1-16). Anunciar o Evangelho não é necessariamente nem sobretudo implantar casas de religião, mas levar adiante, das casas de religião até às praças da cidade, a profecia de Isaías perigosamente assumida por Jesus (cf. Lc 4, 30). O Evangelho meditado com seriedade nos leva sem dúvida à prática de políticas públicas…

O grupo de Belo Horizonte se interessou por vir a Caruaru, a nossa casa, para escutar  histórias de Dom Helder e sobre Dom Helder. Já sabiam sumariamente sobre meu trabalho durante anos no Instituto de Teologia do Recife – ITER, e na assessoria à ação pastoral na Arquidiocese e no âmbito do Regional Nordeste II da CNBB. É claro que, por graça de Deus, tive inúmeras oportunidades de escutar e conviver com nosso Profeta. “Contei causos” (pra isso é que servem os velhos…) e vivemos  momentos de memória e de intensa emoção. Experiência de reviver em nós a presença de alguém que não morre nunca, pois permanece vivo através da inspiração que sempre de novo nos comunica e nos move adiante.

Interessante, momento espontâneo, sem formalidades institucionais, de já vivenciar com simplicidade a utopia que anunciamos de uma Igreja que se sente em comunhão aqui e no mundo inteiro. Jovens batistas na intimidade da casa de um bispo anglicano a compartilhar a memória de um santo, o destemido testemunho de um profeta que foi bispo católico romano. Sem dúvida a santidade e a profecia, a coragem e a lucidez das Bem-aventuranças (cf. Mt 5-7; Lc 6), o amor às multidões de gente pobre, explorada e humilhada e, finalmente, a esperança… são sempre e bastante fundamento para o abraço ecumênico que já nos une agora para além de diferenças religiosas, doutrinais, litúrgicas e institucionais… essas nós toleramos por ora, mas com muito humor, aquele humor de família em meio ao qual diferenças sempre são possíveis.

Escola Bíblica na IBC no sábado à tarde

No sábado à tarde tivemos nosso encontro mensal da Escola Bíblica da Igreja Batista em Coqueiral. No momento estamos  a estudar a transição do tribalismo ao regime de monarquia em Israel. Momento decisivo na história do Povo de Deus, traumático; segundo o profeta Samuel, momento de verdadeira ruptura com Deus e Seu projeto de um povo comunitário e solidário,

A Escola nasceu da necessidade de retomar a leitura da Bíblia depois de termos passado pela Escola de Fé e Politica. Já não era possível permanecer na leitura literal, ingênua e imediata dos textos. Fazia-se necessário voltar a rever o conjunto da Bíblia e praticar uma nova hermenêutica conforme nos orienta a segunda Carta aos Coríntios, capítulo terceiro.  A Bíblia tem de ser lida tendo em conta a História do Povo de Israel, as afirmações dos autores e a relação entre os textos antigos e nossa vida de hoje, de pessoas, de comunidades e de sociedade. O texto a provocar nossa  vida e a vida a interpelar com novas questões os antigos textos. Por isso, levando em conta duas observações que Lutero nos recordou, inspirado na tradição dos antigos Pais da Igreja: cada palavra da Bíblia se explica pelo conjunto das Escrituras, pois “a Bíblia é que explica a Bíblia” e “nas Escrituras é Palavra de Deus o que nos conduz a Cristo”. Para o exercício de estudo temos tido como guia o material de Introdução à Bíblia elaborado pelo CEBI (Centro de Estudos Bíblicos), um centro ecumênico de estudo bíblico, surgido nos anos setenta para responder à exigência das comunidades que precisavam de instrumentos para nos possibilitar uma nova perspectiva hermenêutica. De novo, um fenômeno novo: um bispo anglicano, biblista, assessor de estudos bíblicos numa Igreja Batista… enfim, milagres do Ecumenismo, ou seja, da comunhão em nosso único Senhor Jesus. Às vezes, brinco com a turma dizendo que nunca tinha sabido que batistas têm bispo…            

Momento de acolhida do grupo do Movimento de Missionários e Missionárias do Nordeste no Domingo

 Outro momento muito significativo aconteceu na “casa de Dom Helder”, na Igreja das Fronteiras, na celebração comunitária da manhã do domingo passado. Amigos, amigas e simpatizantes da experiência missionária do Movimento aí estávamos para receber peregrinos e peregrinas  que chegavam do Juazeiro de meu Padim, depois de um mês de peregrinação. O Movimento já existe por mais de trinta anos no Nordeste, pessoas de estados e comunidades cristãs de diferentes dioceses e Igrejas cristãs, com laços com as Comunidades de Base, com Igrejas protestantes e até com a Universidade Católica de Pernambuco… Trata-se de testemunhar no meio dos pobres a presença missionária de Jesus, em peregrinação por caminhos do Nordeste, desde a Bahia até os estados mais acima, do Ceará e do Piauí. Homens e mulheres, até casais, viajam a pé como viandantes de outros tempos, sem carregar dinheiro nem provisão de comida, apenas (como se não fosse muito) apostando na proteção de Deus e na caridade de irmãs e irmãos. Dormem e comem onde se lhes oferecem pousada, oram e celebram a convivência com pobres do Caminho e dialogam sobre as dificuldades da vida e os horizontes que se podem abrir com “a Fé que move montanhas” e a união do povo que cimenta a esperança.

Estávamos a receber um grupo em torno de umas vinte pessoas. Faces cansadas da caminhada, mas plenas de entusiasmo pelos frutos colhidos na convivência entre si e com pobres, filhos e filhas de Deus. Do Grupo, várias pessoas deram testemunho da caminhada e da particularidade da experiência, a cada peregrinação sempre novas surpresas reservadas por Deus mediante as vivências de cada membro da peregrinação. Sem dúvida, um momento de luminosidade e de brilho do Evangelho de Jesus entre nós. A assembleia litúrgica enchia a metade dos bancos do templo, sentada como grande roda que começava no altar  e se prolongava pelos bancos.  Padre Reginaldo Veloso, aliás em plena forma física, dirigia os cânticos de uma celebração em redor da Luz que irradia da Apresentação de Jesus no Templo, e particularmente encarnada nas duas figuras bíblicas do ancião profeta Simeão e da profetisa Ana, o templo marcado pela presença de velhos e viúvos acolhe a criança, Deus insiste em recomeçar… O cenário de Antigo Testamento se projetava adiante na acolhida que o Velho abria definitivamente ao Novo: “Agora, Senhor, despede em paz o teu servo, pois meus olhos viram a salvação que preparaste… Luz para iluminar as nações e glória do teu povo” (cf. Lc 2).

Na assembleia litúrgica havia amigos e amigas do grupo peregrino, pessoas assíduas às celebrações nas Fronteiras, pessoas da Universidade Católica, inclusive o Prof. Gilbraz Aragão, diretor de doutorado de Arthur Peregrino, líder do Movimento de Peregrinos e Peregrinas do Nordeste, membros da comunidade monástica do Discípulo Amado, de Abreu e Lima, religiosos e religiosas, jovens e alguns membros de movimentos populares ou seus apoiadores.  Pessoas da Igreja Batista de Bultrins, inclusive o Pastor Paulo César .O irmão Marcelo Barros, monge beneditino, teólogo e uma das figuras que entre nós encarna magistralmente a perspectiva do Macroecumenismo, fundado na Fé no único Deus de todos os povos e, por isso, relativiza as tradições religiosas particulares, sempre muito ligadas às vivências culturais e históricas de cada povo.  Pela Religião os povos mostram que ”gostam de Deus”, se comprazem em cultuá-Lo; pela Fé, porém, cada pessoa se compromete a tornar-se semelhante a Deus, Criador e Pai universal.  O querido irmão Marcelo  dirigia a celebração. Num gesto de delicadeza fraterna, cedeu-me a presidência da Liturgia da Palavra e nos iluminou com seu comentário da mensagem do dia: a Profecia invade o templo dos sacerdotes, abre a missão à perspectiva profética de Jesus e nos insere naquela comunidade que começa o novo a partir do velho Simeão e da profetisa Ana a segurarem nos braços a Criança que, segundo a profecia de Isaías, devia governar as nações: a Criança é o Messias, o novo condutor dos povos. Nossa esperança, a esperança dos aparentemente frágeis, como crianças, servos e servas e pobres, é esperança comunitária, por isso não acaba nunca, dizia eu. Somos o povo da Esperança, dizem os profetas da Bíblia. O irmão Marcelo assumiu a presidência no altar para a celebração eucarística, de “ação de graças” pela Peregrinação e pela Festa das Luzes. O povo católico  desde antigamente fala de Festa das Candeias e, pelo carinho para com a Mãe de Jesus, a recorda como “Nossa Senhora das Candeias”, é que como mãe, ela nos traz a Luz da Salvação que é Seu santo Filho. Foi uma manhã de alegria, de candeias (tínhamos uma vela acesa na mão) e de compromisso de levar adiante a “peregrinação da fé”  por este mundo afora (cf. Hb 11, 1-12, 4).

Obs: Para ver todas as imagens acesse http://domsebastiaoarmandogameleira.com/semana-para-celebrar-relacoes-ecumenicas/

O Autor é Bispo Emérito da Diocese Anglicana do Recife
Igreja Episcopal Anglicana do Brasil – IEAB….
É Teólogo e Biblista
Assessor do CEBI, de lideranças de Comunidades Eclesiais de Base e de Escolas de Fé e Política

Imagem  enviada pelo autor 

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I