Sonhar.

Na noite entre 22 e 23 de agosto de 1966, O Padre José inspira a Helder Camara uma série de poemas que tratam do ‘sonho acordado’.

Medi teu desalento
Ao ver-te desejar
Sono sem sonhos…
Saberás o que é sonho
Ou até agora
Só conheces pesadelos? (Carta Circular 22-23/8/1966, III, II, p. 144)

Quando permites
Que se abram fendas
Em todas as minhas cisternas,
Queres que eu não esqueça
O caminho da Fonte (
ibidem, p. 144)

Sonhador?
Mas quem te assegura
Que o sonho
Não é
Não só
A parte mais bela da vida,
Mas a mais profunda,
A mais verdadeira,
A mais real? (p. 145).

Esperança sem risco
Não é esperança.
Esperança
É crer na aventura do Amor
Pular no escuro,
Confiando em Deus (p. 146).

Acolher.

Ao contemplar o famoso ícone ‘da Santíssima Trindade’, pintado pelo monge artista russo Andrei Rublev no final do século XV dC, o poeta Helder se sente inspirado:

Nos três peregrinos, Abraão,
Que passaram em tua porta,
Entreviste
Mensageiros divinos,
Ou, quem sabe,
Pressentiste
A Trindade Santíssima
Que o Filho do Homem
Revelaria aos homens.
Bastou isso
Para nos dar uma lição
De acolhida perfeita
Em que portas e corações
Se escancaram (Carta Circular 20-21/7/1974, VII, I, 171-172).

Perdoar sempre.

Ao mesmo tempo em que os grandes meios de comunicação, nos ‘anos de chumbo’, espalham por todo canto ódio ao ‘bispo vermelho’ e a tudo que ele representa, Helder redige um poema absolutamente inesperado, em que pede perdão…ao ódio.

Perdoa, ódio,
Ofendi-te
Imaginando-te
O anti-amor
O anti-Deus.
Faltou-me sensibilidade
Para descobrir
Que és amor.
Amor ferido,
machucado,
pesado,
revoltado,
mas amor (Carta Circular 14-15/3/1974, VII, I, p. 82).

O pessoal da igreja é tentado a condenar o regime militar que governa o Brasil, por causa das injustiças gritantes e das perseguições. Helder conversa a respeito com Deus e não teme em discordar do texto evangélico:

Mandaste que teus apóstolos,
Quando mal recebidos
Em uma cidade,
Sacudissem sobre ela
O pó das sandálias…
Perdoe,
Mas nem parece
Ensinamento teu.
Não repeliste
O desejo dos apóstolos
Em ver fogo do céu
Chover
Sobre uma cidade injusta?
Ensina-nos
A jamais
Perder a esperança
E a repelir
Até sombra de sombra
De qualquer desejo
De condenação (Carta Circular 4-5/5/1974, VII, I, p. 126).

Obs: O autor : “Nasci em Bruges, na Bélgica, no ano de 1930. Estudei línguas clássicas na universidade de Lovaina e teologia em preparação ao sacerdócio católico, entre 1951 e 1955. Em 1958 viajei ao Brasil (João Pessoa). Fui professor catedrático em história da igreja, sucessivamente nos institutos de teologia de João Pessoa (1958-1964), Recife (1964-1982), e Fortaleza (1982- 1991). Sou membro fundador da Comissão de Estudos da História da Igreja na América Latina (CEHILA), fui coordenador para o Brasil entre 1973 e 1978, responsável pelo projeto de edições populares entre 1978 e 1992, e entre 1993 e 2002 responsável pelo projeto “História do Cristianismo”. Entre 1994 e 1997 fui pesquisador visitante no mestrado de história da universidade federal da Bahia. Durante esses anos todos administrei cursos e proferi conferências em torno de temas como: história do cristianismo; história da igreja na América Latina e no Brasil; religião do povo. Atualmente estou estudando a formação do cristianismo nas suas origens, especificamente os dois primeiros séculos.”

Explicação do painel(foto)

O autor é o primeiro à direita.

“O painel do fundo, é um quadro desenhado pela Irmã Adélia Carvalho, salesiana (Filha de Maria Auxiliadora) de Recife e ‘artista da caminhada’, que tem muitos trabalhos na linha de uma Igreja libertadora e colabora em diversos programas de conscientização pela arte.
O tema do quadro pode ser descrito assim: ‘a proposta cristã na confusão do mundo em que vivemos’.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I