Eu o encontrei na comarca na condição de delegado, numa época em que os bacharéis em direito, bem apadrinhados, conseguiam nomeação para o cargo de delegado. Ele, um deles. A princípio, sua conversa me impressionou, na citação de termos jurídicos, conceitos de segurança pública, prestação jurisdicional, etc. Depois, bem, depois, adentrei na floresta de seus atos e a impressão inicial começou a minar, a começar pelo receio que tinha de ser assassinado, a partir das 18 horas, se trancado em casa. Não adiantava bater à sua porta que ele não atendia

Um preso importante, ligado a crimes de velhas datas, escoltado pela Polícia Militar baiana, chegou a cidade. Seria interrogado, como foi, no dia seguinte. O soldado, na delegacia, não o recebeu. Só faria com ordem do Delegado, que, por seu turno, não abria a porta mais. O preso foi levado à pensão, onde eu me hospedava, à época. De manhã, ele, a escolta, e eu tomamos café juntos, embora em mesas diferentes.

Depois, me veio às mãos, num inquérito policial, o relatório, subscrito pelo delegado, com uma joia a merecer referência expressa. O caso se centralizava na troca de tiros numa rua, na porta de um imóvel residencial.  Atiraram, da rua, para amedrontar o seu morador, presa afinal perseguida, tendo ocorrido resposta imediata, numa troca de tiros que durou mais de meia hora. No meio dos tiros, um atingiu o veículo do morador, estacionado a frente da casa. O delegado anotou: o veículo foi ferido. Não havia referência a ter ocorrido sangramento, nem do carro ter sido levado ao hospital.

Outra, se retrata na briga de dois vizinhos em decorrência de um filhote de porco, ou seja, de um porquinho. Ambos criavam porcos no quintal. Um dos animais cruzou com a porca do vizinho. Os dois se consideravam donos do filhote. A discussão atracou na delegacia. O delegado, sabiamente, como sábios eram todos eles, naquele tempo, mandou submeter os três porcos a um exame de sangue.

Exonerado a pedido de desconhecidos, colocou os móveis na carroceria de um caminhão, e, no meio deles, foi embora, acenando para o povo. Foi, ali, seu último ato. (29 de agosto de 2019.)

Obs: Publicado no Diario de Pernambuco
[email protected]
Membro das Academias Sergipana e Itabaianense de Letras

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I