gersonsilva@globo.com

Cuide do seu naco, não feche os olhos.

O cheiro de vinhoto pairava na noite quente. Cheiro morno que induzia e conduzia o pensamento às latrinas cheias. Jaconildo fazendo suas obscuras previsões trouxe seu filho Beraldo, aquele abandonado pela esposa que o sustentava, para morar na casa de Leogácia. A justificativa era prestar alguma ajuda, pois Leogácia já não podia ficar sem companhia. Mas como uma coisa chama outra a realidade era que ele esperava a morte dela, e com isso haveria uma reivindicação da família pela casa, e neste caso ele assim estaria com o filho lá para sustentar a posse do imóvel e rechaçar qualquer um que viesse tentar dizer que a casa não lhe pertencia.

Tão certo como a chuva de fuligem que caia diariamente, na temporada da colheita da safra de cana sobre a cidade, ele ficaria com aquele imóvel. Afinal de contas ele casou por causa disso, de olho nas posses de Leogácia. Este era o objetivo real, e como abutre vigiava sua futura refeição que ainda possuía um sopro de vida. Ele bem sabia que ela faria o mesmo se a situação fosse invertida, os olhos cobiçosos de Leogácia sempre pousaram naquelas barracas do mercado. Mas aparentemente nesta disputa o destino tomou partido de Jaconildo. Sempre que o galo esquálido do vizinho cantava pela manhã, ele sentia esperança de encontrar o fato consumado no quarto.

Não ainda não. Não foi desta vez ainda. Pacientemente pedia para que o filho Beraldo vigiasse enquanto ele iria ao mercado. Na brisa da manhã, aquela que daria sobrevida a vegetação quando o sol devastador estivesse a pino, Jaconildo foi com sua bicicleta para o mercado verificar os negócios. Enquanto isso Leogácia, mesmo no fundo da sua condição, tramava mais um evento de discórdia. Natureza essa força indomável! A morte espera na esquina, mas ainda há tempo para mais alguma travessura. Aquele ressentimento rançoso, aquela sensação de derrota na disputa com Jaconildo era o que mais incomodava.

Alguma coisa precisava ser planejada, ela não iria deixar seu amado patrimônio para um estranho. Se pudesse levava tudo junto para a cova, porém isso era impossível então a partilha entre os filhos precisava ser estabelecida, mas aí morava outro grande problema: os filhos preferidos eram os mais problemáticos, os que possuíam mais identificação com a personalidade de Leogácia. Desonestidade congênita aquilo que iria tocar fogo no relacionamento entre irmãos. Não seria um jogo limpo, então o produto de anos de artimanhas agora acabaria sendo tratado como butim. Aquilo que na verdade era.

Obs: Imagem enviada pelo autor

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I