Quero interpretar este ano que passou e este novo início de década em perspectiva de peregrinação. Fomos peregrinos e tivemos que dar passos para alcançar nossas metas. Certamente, alguns caminharam a passos largos, outros se cansaram rápido e pensaram em desistir. Muitos nem sequer chegaram à metade do caminho devido as tempestades violentas que ameaçam a fragilidade da vida. Viver é caminhar e expor-se a sérios riscos.

Existe algo que descobrimos quando entramos na lógica do peregrino: só se vai longe e só se caminha com mais agilidade se formos depurando nossas bagagens, ou seja, se largamos aquelas coisas que tornam exaustiva a caminhada. Pense na quantidade de coisas que você acumulou este ano que passou e que te deram tanta dor de cabeça; reflita sobre as pessoas que te pararam no caminho para papear contigo e para te pedir uma mão, mas não foi possível pois você estava com a mente e o coração preocupados com as coisas. Ainda é tempo de desapegar-se e ser mais feliz com o necessário. Eis uma das lições do peregrino: ao invés da mochila que acumula bugigangas, tenha um coração grande para acolher pessoas e não se apegar a coisas e a situações secundárias.

Todo peregrino planeja alcançar as metas, chegar ao destino sonhado. Mas nem sempre isso é claro. As vezes toma atalhos errados e acaba voltando ao ponto de partida. Lembre-se que as coisas melhores se conquistam quando aceitamos trilhar os caminhos desafiantes que nem sempre são claros e precisos. A vida nos pedirá para entrarmos em florestas escuras, atravessarmos pântanos, escalarmos montanhas, pois o mais importante é perseverar, visto que o peregrino é um homem de Kenosis: à medida que caminha vai desgastando sua vida por uma causa maior, por algo que é superior a ele, algo que traz um bem não apenas a si mesmo, mas a humanidade. O peregrino é, antes de tudo, um ser solidário, pois caminha com os outros e espera por aqueles que têm passos lentos. Isso lhe custa muito, mas sabe que sua Kenosis não é em vão, sua semente desabrochará em muitos frutos.

Caminhe, é necessário! Seja um peregrino: Invista suas energias na aventura da vida! Dentro do caldeirão de ideologias da mudança de época que atravessamos a maior de todas as tentações é o aceitar caminhar sem sentido, viver na banalidade, instrumentalizar o ser humano, pensar que tudo já foi feito, contentar-se apenas com o pão duro da realidade. Porém, como o peregrino é também um ser de olhar crítico, ele supera a armadilha da ideologia com o remédio da Utopia. Sim, a utopia que abre o futuro, que faz cair por terra a máscara da mentira e da opressão. A utopia que o peregrino conserva no coração é aquela do Reino de Deus que nos faz ser homens de boas notícias, por isso os pés do peregrino são benditos, anunciam a paz.

Como o peregrino é um ser sempre de partidas, ele aprende a superar as suas perdas. Cada vez que deixa um lugar, sabe que deve despedir-se de pessoas e derramar lágrimas de saudades. Ele parte de coração apertado, mas tem que ir, pois sua vida é a estrada e em breve encontrar-se-á com tantos outros rostos, culturas e desafios a superar. O dilema das partidas, por outro lado, torna-nos mais livres interiormente, nos liberta dos enraizamentos que sufocam a utopia. Toda partida nos põe em um “não lugar”, pois nos arranca do nosso ninho, porém se aceitamos o desafio de caminhar, em breve chegaremos a outra pátria, onde mais uma vez teremos que construir relações, ou seja, temos que nascer de novo.

Por fim, além de ser um homem de kenosis, de utopia e do binômio morte/vida, o peregrino deixa-se mover pelo Eros. Sua energia erótica o faz sair de si mesmo para encontrar-se com um tu. Ele deve desejar estar com o próximo para não viver isolado, não perder tempo com a sua própria imagem. A energia erótica que o peregrino nutre todos os dias serve para curá-lo de sua egolatria e libertá-lo do vírus da indiferença.

Na verdade, tornar-se peregrino nas estradas deste mundo significa cristificar-se, ou seja, assumir um estilo de vida que nos remete a Jesus de Nazaré, jovem da Kenosis, senhor da vida e da morte, apaixonado pela utopia do reino e homem de Eros integrado. Você seria capaz de avaliar a vida a partir destas perspectivas? Se sim, então façamos um brinde ao peregrino!

Montevidéu, 02 de janeiro de 2020.

Obs: O autor é religioso da Congregação da Paixão de Jesus Cristo (Passionistas). Natural de Fagundes, Paraíba. É mestre em Teologia Fundamental pela Pontifícia Universidade Gregoriana (PUG) – Roma.  

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I