sgameleira@gmail.com
domsebastiaoarmandogameleira.com

(Meditação bíblica)

No ciclo da Epifania (manifestação) de Jesus, o chamado da Liturgia do domingo passado foi para contemplarmos o Batismo, apresentando Jesus como o grande e insuperável modelo. Os evangelhos indicam claramente a importância que tem o Batismo na vida cristã, pois todos os quatro evangelistas, de uma forma ou de outra, voltam ao tema. O Apóstolo São Paulo explica a importância do Batismo como símbolo de uma experiência antropológica profunda de mudança de vida, de conversão: é como morrer e passar a viver uma vida nova, é romper com o antigo jeito de viver (“ser humano antigo”) e passar a viver como um “ser humano novo” (cf. Rm 6).

O Evangelho segundo Mateus: Jesus abre novo horizonte ao povo de Deus

O evangelho, produzido pelas comunidades que têm o apóstolo Mateus como patrono, se compraz em relacionar o episódio do Batismo com a pregação profético-apocalíptica de João Batista. Jesus vai ser apresentado no contexto do deserto, cenário que evoca a peregrinação, as provações e as tentações do antigo povo de Deus sob a guia de Moisés (cf. Ex 16; 17; Nm 11; 14; 16; 20; Dt 1; 4; 8; 9). João Batista é como novo Elias, o qual por sua vez é visto como novo Moisés, num tempo em que, sob a monarquia, o Povo de Deus corria o risco de se descaracterizar e perder sua identidade (cf. 1Rs 17-21). O texto insiste no julgamento de Deus sobre Seu povo. A liderança de fariseus e saduceus é severamente criticada. Não basta evocar as glórias antigas: “Temos por pai a Abraão” para sentir-se justificado. É preciso, na verdade, “produzir fruto de mudança de vida”; arrependimento e conversão querem dizer isso. Em outras palavras, “voltar a Deus”, o que se dá quando a vida muda de rumo mediante novas práticas e nova mentalidade. As ameaças se expressam sob imagens fortes: raça de serpentes venenosas, ira, machado já à raiz das árvores, corte e queima no fogo… Deus é imaginado como juiz ameaçador que vem fazer a limpa de Sua roça: com a pá na mão para limpar a eira, recolher o trigo nos celeiros e jogar a palha no fogo que não se extingue.

Nesse contexto negativo e ameaçador, Jesus aparece sendo consagrado para ser novo início do Povo de Deus; assim, aliás, já o apresentava a genealogia (cf. Mt 1, 1-17). João Batista, como novo Elias, é o profeta que denuncia o descaminho a que o povo está sendo levado. Deus decidiu criar um novo povo, mesmo que para isso se exija passar por julgamento e condenação. A visão dos céus com a manifestação (“epifania”) da Trindade divina significa a consagração de Jesus. O Espírito o consagra enquanto mostra que n’Ele se está dando uma nova criação. O símbolo da pomba alude à recriação do mundo mediante a aliança de Deus com o patriarca Noé (cf. Gn 8) Jesus é indicado como novo Homem, recomeço do Povo de Deus, que é declarado “meu Filho amado”, pelo Pai.

O capítulo quarto, das tentações de Jesus no deserto, traz à tona as clássicas tentações enfrentadas pelo povo sob a guia de Moisés. Como novo início do Povo, Jesus deve ser provado e vencer (cf. Dt 8; 9, 9; Sl 91; Dt 6,13. 16). Não é por acaso que na segunda tentação se aluda a “todos os reinos do mundo com o seu esplendor”. O grande engano, sempre denunciado pela corrente profética, foi “tornar-se como todas as nações”, sob o domínio de reis, com renúncia à própria liberdade e a organizar-se segundo os critérios e padrões do Poder Popular (cf. 1Sm 8; Jz 9, 1-15). Para o profeta Samuel romper com a unidade tribal, a organização segundo padrões de igualdade e comunitariedade, era “abandonar” a fé no Deus YHWH, era idolatria. Não se tratava simplesmente da prática de um culto, de uma religião, mas de uma maneira coletiva de viver, que incluía em seu centro o compromisso com economia de partilha, relações sociais de igualdade (mesmo com o limite ainda do patriarcalismo) e poder político popular (cf. Dt 5; 6, 20-25; 26, 1-11; Ex 3, 7-22). A instalação da monarquia foi sempre julgada pelo profetismo como ruptura com o núcleo da Fé (cf. 1Sm 8,1-9). Dai, por que após o exílio em Babilônia o profetismo ressalte a imagem da criança como ideal de governante (cf. Is 7; 9), ou seja, o poder nas mãos de “um povo humilde e pobre” , “que busca a justiça e a pobreza” (cf. Sf 3, 12; 2, 3). O rei (o poder) já não montará o cavalo, montaria dos poderosos, mas o jumentinho, montaria quotidiana dos pobres (cf. Zc 9, 9-10). O filho de Rute se chamará Ebed, que quer dizer “Servo” (cf. Rt 4, 17). “Servo” será a condição de Jesus, segundo a profecia contida no livro de Isaías (cf. Is 42; 49; 50; 52-53). Por isso Jeremias e Ezequiel falam da vinda de um “novo” Davi, mas não se trata do poderoso Davi de Jerusalém, mas do pobre Davi, pastor de Belém, o menor doa filhos de Jessé (cf. 1Sm 16-17), que governa na forma de uma criança capaz de brincar com as ovelhas e até com os animais ferozes (cf. Jr 23; Ez 34; cf Is 11, 1-9).

O Evangelho segundo Lucas: um  povo aberto à universalidade dos povos

A narração do Batismo se abre com a menção do Império romano que domina toda a terra conhecida, começando por Tibério César, o grande imperador. Em sua pregação penitencial, João Batista é apresentado cercado pelas multidões, o que sugere a universalidade de sua mensagem. Reencontramos a linguagem apocalíptica, cheia de ameaças, o que indica que estamos em momento decisivo da História da Salvação. João explicita a mudança que se exige: a partilha do alimento e das vestimentas, ou seja, do que é essencial para a vida de toda a gente: a comida e o abrigo. Os soldados, guardiães da ordem estabelecida, são chamados a renunciar a toda violência, a denúncias falsas e a extorsões em busca de mais ganho (corrupção). Sem dúvida, uma maneira de o Evangelho dizer que se trata de conviver em nova ordem social e política. Será que não é justamente por isso que João é preso pelo rei Herodes? Herodes fora denunciado pela prepotência do adultério, mas o texto acrescenta: “e por causa de todas as más ações que havia cometida”.

A descrição do Batismo é bastante breve. Sugere que Jesus fosse o último a ser batizado. Aliás, a menção da prisão de João já vem antes de batizar Jesus, como se o Batismo não fosse mais a última ação do Batista, mas a primeira manifestação pública de Jesus; a Trindade não se revela com o gesto de João, mas no quadro da oração de Jesus logo após o Batismo. Na cena, há duas notas particularmente originais: Jesus em oração, em profunda comunhão com Deus, traço insistente em todo o texto do evangelho de Lucas. Sem dúvida é um quadro com forte tonalidade teatral. E finalmente o texto relaciona claramente a cena com a Criação de Deus: “Eu hoje Te gerei” (Sl 2, 7). Com Jesus se está gerando um novo mundo. Eis por que vem imediatamente o quadro da Genealogia que não é apenas do povo de Israel, mas de toda a humanidade, chegando até Adão. Jesus é o princípio de nova criação do ser humano. As tentações, lidas nesse contexto, têm Seu significado alargado a denúncia dos sistemas deste mundo, de busca de bens materiais (pão), de riqueza e dominação sobre os povos e, finalmente, de busca da própria glória. É assim que se revela quem pertence ao Diabo, ou seja, aquele que causa divisão. Lucas termina dizendo que “o diabo o deixou até o tempo oportuno” que será justamente o momento da Paixão, quando o anjo virá consolá-Lo (cf. Lc 22, 3. 39-46).

O Evangelho segundo Marcos: Jesus, possibilidade de nova Criação

Marcos inicia com um título no qual cada palavra tem sua densidade própria: “Princípio do Evangelho de Jesus, Messias e Filho de Deus”. “Princípio” é a famosa palavra como começa a Bíblia: “No Princípio criou Deus os céus e a terra”. Vamos ver que Marcos quer efetivamente ligar Jesus à Criação. Ele é o “princípio” da Boa-Nova, não apenas início ou começo. “Princípio”

quer dizer início, começo, mas sobretudo “alicerce”, fundamento”, “causa”, como diziam os gregos, algo que está presente em todo o tempo em que se constrói o edifício. Como a base de uma casa, é o que vem primeiro, mas onde se estiver se está sempre nela, qualquer que seja o lugar e qualquer que seja o tempo. Jesus é a base de toda a caminhada de agora em diante. N’Ele está o fundamento, sobre Ele Seus discípulos e discípulas construirão e continuarão. Vem para Judeus, Ele é o Messias (Cristo, Ungido) e é ao mesmo tempo “Filho de Deus”, categoria religiosa muito comum no ambiente gentio. O evangelista sintetiza os dois mundos como igualmente destinatários da missão de Jesus.

O segundo passo é o cumprimento das profecias: “Conforme está escrito no Profeta Isaías ( cf. Is, 40, 3) aconteceu”: João Batista no deserto… é a voz que anuncia. É a renovação da voz do profeta Elias, o grande lutador das causas de Deus contra os reis de sua época (cf. 1Rs 17 a 22). Logo em seguida diz: “Aconteceu: naqueles dias, veio Jesus de Nazaré da Galileia… ao subir da água Ele viu os céus rasgarem-se e o Espírito como pomba descer sobre Ele..” Vem em seguida a voz do céu a indicar a escolha do Pai, como revelação ao próprio Jesus de Sua vocação: “Tu és o meu Filho…”, expressão que tem por detrás os textos do profeta Isaías: “Tu és o Meu Servo…”

Logo em seguida, Jesus é compelido a ir para o deserto. Mas não se trata simplesmente do deserto das tentações de Israel , a que se referem os textos antigos, de Êxodo a Deuteronômio. De propósito, não há referência a cada tentação, nem se diz que tenha sido tentado ao cabo do jejum de quarenta dias. É o Espírito que O compele ao deserto. “Aí era no deserto quarenta dias sendo tentado pelo Satanás (o Adversário) e vivia entre as feras e os anjos o serviam” . Quarenta dias pode aludir à vida inteira de Jesus (cerca de quarenta anos, o tempo completo de uma vida naquele tempo). Na verdade, o Satanás vai se manifestar ao longo de sua vida, mediante as lideranças do povo: escribas, fariseus, sacerdotes, a gente de Herodes e os governantes romanos e até por Seus discípulos (cf. Mc 8, 33). Como todo ser humano é tentado, mas convive tranquilamente com as feras, essas, emissários das potências infernais que carregam consigo a morte e os anjos estão a Seu Serviço. Não há referência a jejum. Vem-nos imediatamente o quadro paradisíaco da Criação: o deserto transformado em paraíso, os anjos a serviço do Ser humano, o qual convive pacificamente com os animais ferozes. O abismo e as alturas dos céus estão a Seu favor. Sem dúvida, a forma de pomba como símbolo do Espírito alude ao episódio de Noé uma vez terminado o dilúvio. (cf. Gn 8). Achamos aí motivos suficientes para concluir que o Batismo è a manifestação de Jesus como Princípio da nova criação. O Apóstolo São Paulo vai desenvolver com profundidade essa simbologia batismal de “nova criação” e de ser humano novo, ressuscitado para uma vida nova (cf. Rm 5-8).

O Evangelho das comunidades joânicas: Jesus é o Cordeiro (Servo) de Deus

No Quarto Evangelho, insinua-se que Jesus fora discípulo de João Batista (cf. Jo 3, 22-36). Ao formar-se o grupo de Seus próprios discípulos, tem-se a impressão de que os primeiros são Seus companheiros no grupo de João (cf. Jo 1, 35-51). João não é apresentado como batizador de Jesus, sua missão é dar testemunho sobre Ele. Ao ser perguntado por sua identidade, nega ser o Messias, assim como ser a volta do profeta Elias. Compreende-se como “a voz que clama no deserto” para anunciar a chegada do Cordeiro de Deus. Insinua-se claramente que o “Cordeiro de Deus” é uma síntese do Cordeiro Pascal com a figura profética do Servo Oprimido e Vitorioso, de acordo com os Cânticos do Servo segundo o profeta Isaías (Is 53, 1-7). Não temos a narração do Batismo. Em seu lugar, temos o testemunho de João a indicar que Jesus é aquele que “batiza com Espírito Santo”. Na verdade, o Espírito Santo é categoria central nas reflexões do quarto evangelho (cf. Jo 3 e 14-16). É o Espírito Santo que explica a novidade representada pela Igreja cristã, a vida comunitária. Tanto é assim que logo depois do testemunho de João os discípulos começam a se sentir atraídos e buscam Jesus: “Onde moras?” Ou seja, qual é o teu espaço de vida? Qual é o teu mundo? Jesus responde com um convite: “Vinde e vede”, em outras palavras, venham e experimentem, venham fazer parte desse novo mundo. “E eles foram e viram onde morava e permaneceram com Ele aquele dia”, o tempo suficiente para uma nova experiência que deve marcar a vida para sempre. O mesmo que dizer que foram, aproximaram-se e experimentam seu espaço, seu modo de vida. O texto prossegue narrando como os discípulos começam a constituir a “casa” de Jesus. E o método é aquele de “atração” e o momento-auge é a festa das bodas de Caná, o matrimônio divino com a humanidade para torná-la uma nova família na casa em festa, onde o verdadeiro noivo e esposo de “Israel”, o verdadeiro esposo do povo, é Jesus; Ele também é o novo Templo (cf. Jo 2). Toda a narração evangélica será a demonstração dessa identidade profunda. Igualmente o Apóstolo São Paulo vai dizer com toda a força que o Templo já não é mais aquele das religiões, mas as pessoas em sua vida quotidiana em todas as suas dimensões (cf. Rm 12, 1-2): relações e estruturas ecológico-econômicas (“oíkos-eco” quer dizer “casa”: a “lei da casa” de acordo com a “lógica da casa”); relações e estruturas sociais; relações e estruturas políticas; relações e estruturas culturas, e a religião se situa no topo dos valores culturais, pois se trata de buscar nos deuses a aprovação suprema de nossos valores e normas de vida. A Fé, por sua vez, situa-se noutro plano, o de nossa identidade mais profunda, nosso processo de nos tornarmos “imagem e semelhança” de Deus (cf. Gn 1, 26-27) para agirmos em Seu Nome, à maneira de Jesus (cf. Jo 5; 14-17; 1Jo).

Obs: O Autor é Bispo Emérito da Diocese Anglicana do Recife
Igreja Episcopal Anglicana do Brasil – IEAB….
É Teólogo e Biblista
Assessor do CEBI, de lideranças de Comunidades Eclesiais de Base e de Escolas de Fé e Política

Imagem  enviada pelo autor

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I