www.diocesedejales.org.br

Neste ano, o car­naval co­meça cedo. Porque a qua­resma já vem che­gando, e a páscoa se anuncia para o dia 23 de março. Por isto, neste final de ja­neiro e início de fe­ve­reiro co­meça o car­naval, e já ter­mina na ma­dru­gada de quarta-feira.

Nunca de­vemos es­quecer que o car­naval é festa que morre na vés­pera. Ele é sus­ci­tado pelo longo tempo da qua­resma, como ven­tania que pre­cede a co­piosa chuva que de­pois len­ta­mente vai caindo, fe­cun­dando a terra e sus­ci­tando vida. A ven­tania pode causar re­bo­liço, ex­citar os ânimos, atra­pa­lhar os passos. O que ela não pode é nos levar de roldão, ti­rando nosso equi­lí­brio.

É bom que o car­naval venha cedo, e seja breve. Ainda mais num ano como este, com tantos de­sa­fios pela frente. Convém en­frentá-los logo, e para isto nada me­lhor do que o início pre­coce da qua­resma. Ela sim, é con­sis­tente, longa, pro­pícia à re­flexão e ao tra­balho ho­nesto e res­pon­sável. Bom seria que desta vez o es­pí­rito da qua­resma du­rasse o ano todo, se pu­dés­semos pror­rogar a ce­le­bração da Páscoa para o final do ano, de­pois de con­cluídas as muitas ta­refas que 2008 nos apre­senta.

Entre as re­mi­nis­cên­cias his­tó­ricas do seu final 8, a pri­meira que talvez mais aponte para o que nos aguarda neste ano é a nossa Cons­ti­tuição Fe­deral, apro­vada em 1988. Ela­bo­rada de­pois de um longo pe­ríodo de di­ta­dura, ela contém ga­ran­tias de­mo­crá­ticas ine­go­ciá­veis, que cons­ti­tuem seu valor maior e in­ques­ti­o­nável.

Ao mesmo tempo, feita na vés­pera das grandes trans­for­ma­ções que iriam eclodir no mundo a partir dos acon­te­ci­mentos de 1989, com o fim da guerra fria, a queda do muro de Berlim, o fra­casso do so­ci­a­lismo his­tó­rico, a nossa cons­ti­tuição não teve con­di­ções de in­tuir as re­per­cus­sões con­cretas desses acon­te­ci­mentos na vida po­lí­tica de todos os países.

Isto já deixa às claras a ne­ces­si­dade de mu­danças cons­ti­tu­ci­o­nais, sempre di­fí­ceis de fazer, pois são como ci­rur­gias de alto risco. Pre­cisam de mai­ores pre­cau­ções para serem feitas. Mas in­fe­liz­mente este cui­dado en­seja as ma­no­bras obs­ta­cu­li­za­doras, como deu para ve­ri­ficar em di­versas si­tu­a­ções re­centes, como acon­teceu no final do ano pas­sado, no epi­sódio da CPMF.

Uma das re­formas mais aguar­dadas, que en­volve no mí­nimo a re­gu­la­men­tação do dis­po­si­tivo cons­ti­tu­ci­onal que propõe di­fe­rentes formas de de­mo­cracia di­reta, é a re­forma po­lí­tica, que até hoje não foi pro­posta pelo Exe­cu­tivo, e nem as­su­mida pelo Le­gis­la­tivo. Di­fi­cil­mente terá con­di­ções de ser apro­vada neste ano, mar­cado pelas elei­ções mu­ni­ci­pais.

Este é o de­safio maior que a so­ci­e­dade bra­si­leira vai en­frentar neste ano. As elei­ções mu­ni­ci­pais serão feitas, pro­va­vel­mente, dentro dos mesmos dis­po­si­tivos elei­to­rais agora exis­tentes. Eles já com­pro­varam quanto podem abrigar ambigüidades po­lí­ticas, por falta de co­e­rência da le­gis­lação elei­toral, so­bre­tudo des­vir­tu­ando a fi­na­li­dade dos par­tidos po­lí­ticos. De­ve­riam ser os grandes ins­tru­mentos para ela­borar pro­postas ao nível na­ci­onal. Mas se re­duzem a me­ca­nismos para le­gi­timar a busca do poder local, sem com­pro­misso com um pro­jeto de nação, pro­pi­ci­ando desta ma­neira as dis­tor­ções que apa­recem com evi­dência no Con­gresso Na­ci­onal, que acaba sendo o re­sul­tante destas ambigüidades que co­meçam ao nível mu­ni­cipal. Por isto, as elei­ções serão mu­ni­ci­pais, mas sua re­per­cussão é emi­nen­te­mente na­ci­onal.

Ou­tros de­sa­fios serão ob­jetos mais freqüentes de nossas re­fle­xões. Um deles será a apli­cação prá­tica da Con­fe­rência de Apa­re­cida. Ela se cons­ti­tuiu num evento muito po­si­tivo, mas que, se não for logo in­se­rido na atu­ação da Igreja, corre o risco de perder sua força.

A Di­o­cese de Jales, com os pés no chão, ten­tará con­cluir seu pro­cesso de as­sem­bléia di­o­ce­sana, com a fi­na­li­dade exa­ta­mente de se ade­quar às pro­postas pas­to­rais e ecle­siais que Apa­re­cida apre­sentou.

Por isto, que venha logo o car­naval, e que en­tremos di­reto na qua­resma, dis­postos a buscar a graça de Deus para en­frentar bem os de­sa­fios que o ano nos apre­senta.
01.02.2008

Obs: O autor é Bispo Emérito de Jales.  

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I