www.dedvaldo.blogspot.com.br
domedvaldo4993@gmail.com

Após as recentes beatificações e canonizações de santos brasileiros – e já era tempo para isso – está havendo verdadeira onda de dioceses e congregações religiosas, querendo a todo custo a beatificação de seus bispos e fundadores. É ótimo como modelos de santidade a serem apresentados para estímulo e imitação do Povo de Deus. Mas, agora vem a pergunta: “E basta a propaganda?”

Em primeiro lugar, a Igreja faz exame minucioso de todos os livros, escritos e pronunciamentos do candidato à honra dos altares. Diante de um tribunal, especialmente criado na diocese, testemunhas, cuidadosamente selecionadas, atestam sob juramento que o servo de Deus – assim é o nome jurídico que ele assume ao iniciar-se a causa – praticou em grau heroico as virtudes teologais da fé, da esperança e da caridade, e as chamadas virtudes cardeais, prudência, justiça, fortaleza e temperança. Tal processo, uma vez concluído favoravelmente, é remetido a Roma, onde uma Congregação específica, a Congregação para as Causas dos Santos, conforme as normas da Constituição Apostólica Divinus Perfectionis Magister de 1983, reexamina todo o processo diocesano. Com o feliz encerramento do processo apostólico, o Servo de Deus recebe o título de Venerável. Passa-se então ao exame dos milagres obtidos por sua intercessão. São geralmente curas com duas características fundamentais: terem sido recebidas pela invocação exclusiva do candidato e não terem nenhuma  explicação científica possível. Há uma junta médica em Roma, que examina cada caso apresentado. Hoje a legislação exige um milagre para a beatificação e outro para a canonização. Antes, eram dois para cada etapa da causa. O Papa, é claro, tem poder para dispensar o candidato dessa exigência, como fez agora o Papa Francisco relativamente ao beato João XXIII.

Tive em minha vida duas experiências negativas a esse propósito. Procurei dissuadir o superior geral de uma congregação brasileira de iniciar o processo de beatificação de seu fundador, do qual fui uma espécie de secretário. Apesar de ser homem notável por suas realizações – e mais ainda por suas criações, até de uma língua – escreveu um livro com expressões pouco cristãs, referentes a uma nacionalidade. Também quando jovem seminarista, ouvi de certo missionário músico, que perdera o concurso para escolha do hino de um congresso eucarístico, a afirmação: “Não é nada perder, mas perder para um time de segunda categoria”… Tal expressão me pareceu extremamente vaidosa. E sua causa de beatificação está seguindo em nível diocesano… A uma superiora de congregação religiosa brasileira, informei que me recusava a depor na causa de seu Fundador, apesar de admirá-lo muito e ser seu amigo, mas não acho que ele praticou virtudes em grau heroico.

No Nordeste salesiano, temos o Arcebispo de Fortaleza, Dom Antônio Lustosa, que João Paulo II na capital cearense proclamou “ santo e sábio Arcebispo”. Pena que tal afirmação particular do Papa não vale como declaração canônica de santidade…

Convivi em S. José dos Campos, de 1947 a 1949, com um verdadeiro santo: o Venerável Pe. Rodolfo Komorek. Sua causa em Roma foi concluída com pleno êxito. Depus em três tardes diante do tribunal diocesano de Taubaté  e depois, tive a alegria de ler as sentenças dos nove juízes romanos, todas elas entusiasticamente favoráveis à declaração de santidade do “padre santo”, como era chamado Padre Rodolfo em vida. A sentença final, favorável, é de 29 de novembro de 1994, assinada pelo Mons. Sandro Corradini, o Promotor da Fé, que leva no vulgo o nome  de “advogado do diabo”, porque tem por missão procurar possíveis defeitos na vida do candidato aos altares. Só falta agora o milagre.

Daí se vê que não é a propaganda que faz o Santo na Igreja, embora ela seja necessária, e até imprescindível, para que a vida e as virtudes do candidato sejam conhecidas pelo povo de Deus e possa ele ser invocado como intercessor nas necessidades. Talvez seja isso que esteja faltando no processo do “padre santo” de São José dos Campos e do arcebispo “sábio e santo” de Fortaleza…

Obs: O autor é  arcebispo emérito de Maceió.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I