http://institutodomhelder.blogspot.com.br
domdapartilha@gmail.com

Meus queridos amigos

A mulher insistia em dizer que os homens não suportariam a dor do parto. Como explicar-lhe que todo trabalho participa, misteriosamente, da ânsia e da angústia, da esperança e da ventura da gestação?

Inspirado pelo Espírito de Deus, Sao Paulo diz em sua carta aos romanos: “Sabemos que a criação inteira geme e sofre as dores do parto, até o presente. E não somente ela, mas também nós, que temos as primícias do Espírito, gememos interiormente, suspirando pela redenção de nosso corpo, pois fomos salvos na esperança, e ver o que se espera, não é esperar”.

Sao Paulo tem razão. Esperar é ter certeza antecipada daquilo que não se vê. Quando o que esperamos se realiza, a esperança, como esperança some, e se transforma em feliz realidade. Em nossos tempos de tanta injustiça na terra, em nossos tempos em que, sem exagero, segundo dados oficiais das Nações Unidas, mais de 2/3 da humanidade estão em condição sub-humana, de miséria e de fome, temos a esperança, a bela e firme esperança de ajudar a criar um mundo mais justo e mais humano.

Os jovens de hoje, com a ajuda divina, levarão mais longe nossa esperança. E as crianças de hoje, provavelmente e sempre com a ajuda divina, já não terão mais esperança de um mundo mais responsável, um mundo de menos ódio, menos violência e muito mais amor. Para nós e para os jovens de hoje ainda será esperança. Para as crianças de hoje, a esperança se transformará em feliz realidade.

Quando falo no estrangeiro, e alguém diz que este sonho de um mundo mais justo e mais humano é utopia, costumo citar uma canção nossa, brasileira, que diz: “Quando alguém sonha sozinho, é apenas sonho… Quando sonhamos juntos, é o começo da realidade…”

A realidade, no caso, já está começando? Por enquanto, são as dores do parto. “Sabemos que a criação inteira geme e sofre as dores do parto, até o presente”. Quem já teve filho, diz que assim que a criança nasce, a alegria é tão grande, o alívio é tão total, que as dores do parto são imediatamente esquecidas. São recordadas dentro de um prazer intenso e de uma felicidade sem limites.

Até nem sei se a fase em que vivemos — de esperança, de gestação de um mundo novo, de dores de parto — não é, a seu modo, uma fase mais apaixonante do que a fase futura de quem vai passar do sonho, da esperança, a realidade… Terça-feira, 6.1.1981

Obs: *Mais uma das crônicas escritas por Dom Helder Camara para o seu programa de rádio UM OLHAR SOBRE A CIDADE, exibido na rádio Olinda às 06h55 de 01 de abril de 1974 a 22 de abril e 1983. Está crônica está publicada no livro “Meus Queridos Amigos”, que reúne 200, das centenas de crônicas lidas por Dom Helder ao longo dos nove anos de duração do programa.

 Imagem e texto enviados pelo IDHEC – Instituto Dom Helder Camara
. Ver AUTORIZAÇÃO do IDHEC no item OBRAS LITERÁRIAS.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I