D. Edvaldo G. Amaral 15 de dezembro de 2019

www.dedvaldo.blogspot.com.br
domedvaldo4993@gmail.com

Haverá santos entre os políticos? Felizmente podemos já citar alguns.

Começo pelo famoso prefeito de Florença, Jorge La Pira, duas vezes eleito para o cargo no agitado pós-guerra italiano, de 1951 a 1957 e de 1961 a 1965. Cognominado “o prefeito santo”, já  tem em seu processo de beatificação o título de Servo de Deus.

Outro político cristão notável da Itália é Igino Giordano (1894-1980). Foi bibliotecário da Biblioteca Vaticana e, com Chiara Lubich, foi fundador do Movimento dos Focolares, onde viveu a política de comunhão. Ativo na vida pública italiana, após a segunda guerra mundial, participou como deputado da Assembleia Constituinte, que deu forma à república italiana. Definia a política como “a caridade em ato”. Tinha no Movimento o nome de Foco. Faleceu em Rocca di Papa na casa dos focolarinos. Também está em curso seu processo de beatificação e canonização.

 Não propriamente político, mas príncipe da casa real da Polônia, Augusto Czartoryski nasceu em 1858 em Paris, onde sua família, herdeira do trono polonês, se exilara. Foi seu preceptor o frade carmelita José Kalinowski, canonizado por S. João Paulo II em 1991. O acontecimento que marcou o rumo de sua vida foi o encontro com Dom Bosco em sua residência em Paris, o Palácio Lambert. Daí nasceu para o príncipe Augusto a plena convicção de que não só era chamado ao sacerdócio, mas que devia sê-lo como salesiano. Dom Bosco relutou quanto pôde em receber um príncipe em sua pobre Congregação, destinada à educação de meninos pobres. Foi uma ordem do Papa Leão XIII que o obrigou a aceitá-lo na humilde Sociedade de S. Francisco de Sales. Recebeu a batina  das mãos de Dom Bosco em 1887 na Basílica de Maria Auxiliadora em Turim, com os colegas de sua turma. Logo se revelou a doença fatal que o levaria à tumba: tuberculose pulmonar. Neste tempo, teve como acompanhante o Servo de Deus, Pe. André Beltrami, o salesiano especial, de quem escrevi no “O Semeador” de 19 de março último. Preparado pelo sofrimento, o príncipe Augusto foi ordenado presbítero em 2 de abril de 1892 e teve brevíssima vida sacerdotal. Partiu para a pátria celeste em 8 de abril de 1893. São João Paulo II, seu conterrâneo, no entardecer de seu pontificado, declarou-o Beato em solene cerimônia, na Praça de São Pedro em Roma, em 24 de abril de 2004.

Termino, lembrando que já o  Beato Paulo VI proclamara que a política é a mais alta forma do exercício da caridade, porque é um  serviço prestado a um povo, que delegou  a alguém poderes especiais na busca do bem comum. O mesmo também ensinou S. João Paulo II em suas viagens ao redor do mundo, lembrando aos homens do poder que eles estavam ali a serviço do povo, para o bem da comunidade humana, e não para seus interesses pessoais.
08.04.16

Obs: O autor é  arcebispo emérito de Maceió.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I