http://institutodomhelder.blogspot.com.br
domdapartilha@gmail.com

Meus queridos amigos

Estamos cada vez mais próximos do Natal. Vamos olhar, de perto, uma das figuras mais importantes e dignas de admiração e amor, que encontramos no presépio: Sao José. O Pai Celeste escolheu José para representá-lo junto a seu Filho divino. Ele foi pai de criação de Cristo e esposo e protetor de Nossa Senhora.

A princípio, ele nem sabia do mistério que se passava com Nossa Senhora. Não tinha a audácia de julgá-la, mas não sabia o que se passava com ela. Quando estava no auge da angústia, veio um anjo, em sonho, explicar-lhe o mistério imenso que se passava com Nossa Senhora, escolhida nada mais, nada menos, do que para ser Mae de Deus.

É difícil alguém ser mais provado na fé do que o pai de criação de Cristo. Ele já sabia, pelo aviso do anjo, quem era a criança que ia nascer de Nossa Senhora. E ele e a Mae de Deus saem procurando um canto onde a Criança possa nascer e só encontram uma estrebaria!

É verdade que chegaram pastores, acordados pelos anjos e chegaram Reis Magos conduzidos por uma estrela. Que provação para a fé, ver o Filho de Deus ter que fugir, de madrugada, para o Egito, para não ser morto pelos soldados de Herodes!

Quando voltaram para Nazaré, se era um encanto morar com Nossa Senhora e o Menino Deus, foi provocação das grandes, saber que aquela Criança viera ao mundo para salvar os homens. E o tempo corria, a criança virou jovem, o jovem homem e nada de começar sua missão. São José morreu sem ter o gosto de ver o Cristo partir para suas pregações e seus milagres…

Quanta lição para nós! Nossa fé, também, é provadíssima! Quando comungamos, nossa fé nos diz que não é um pedaço de pão que recebemos, é o próprio Cristo… Mas tudo lembra pão, como tudo lembra vinho, embora nossa fé nos diga que é a presença viva do nosso Salvador.

Nossa fé nos diz que assim como Cristo ressuscitou, nós também haveremos de ressuscitar. Nossa fé nos ensina a perguntar a morte onde está a vitória dela. Ela não conseguiu ferir nossa alma e o próprio corpo, que entregamos a terra, um dia ressuscitará. Mas as aparências todas são a vitória plena da morte… Bem entendida, bem vivida, a devoção a São José pode ser preciosa para nós. Na noite de Natal, no presépio, olhando para Nossa Senhora e para o Menino Deus, não deixemos de ter um olhar de admiração e carinho para a grande humildade de São José. Quinta-feira, 20.12.1979

Obs: *Mais uma das crônicas escritas por Dom Helder Camara para o seu programa de rádio UM OLHAR SOBRE A CIDADE, exibido na rádio Olinda às 06h55 de 01 de abril de 1974 a 22 de abril e 1983. Está crônica está publicada no livro “Meus Queridos Amigos”, que reúne 200, das centenas de crônicas lidas por Dom Helder ao longo dos nove anos de duração do programa.

 Imagem e texto enviados pelo IDHEC – Instituto Dom Helder Camara
. Ver AUTORIZAÇÃO do IDHEC no item OBRAS LITERÁRIAS.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I