1. Alguém um dia, me disse: “passei toda a semana pensando na morte”. Uma prima, ao ver que a geração anterior já se fora, disse apavorada: “entrei na fila de abate”. E a criança, diante do caixão da vó, falou: “por que não inventam uma vacina pra não morrer”?
  2. A tradição de celebrar os mortos nasceu com os celtas que acreditavam na vida após a morte. Influenciados por isso, os católicos passaram a rezar pelas almas, acreditando que elas necessitam de orações, no seu processo de purificação no Purgatório
  3. No Brasil, Finados é uma data triste. Visitar o túmulotornou-se uma forma de manifestar saudade, respeito e carinho por um ente querido. Já o mexicano faz festa e banquete, pois, acredita que nesse dia, as almas voltam para uma visita aos familiares e amigos.
  4. Há pessoas que preferem receber as manifestações de carinho e reconhecimento, ainda vivos. Desconfiam que homenagens depois de mortos parece ser um complexo de culpa, a catequese de terror e, com certeza, o paraíso para um mercado do afeto.
  5. A morte tem sido um trauma para o ser humano. Até, no último suspiro, tenta sobreviver, porque a morte aparece como o ponto final da existência. Talvez, muita gente que não foi assim tão virtuosa, quando idosa, por medo da morte, se torna religiosa.
  6. A imortalidade é um sonho humano: “se a morte for descanso, prefiro viver cansado”. O cristianismo atraiu os pagãos com a doutrina da ressurreição. Muitas religiões tentam consolar explicando que a vida se refaz, sempre se reencarnando, de outra forma.
  7. Vida e morte ilustram a dialética: a eterna unidade e luta dos contrários. Vida é o contrário de morte e a morte, a negação da vida. O ser vivo se renova na luta contra a morte. O segredo de viver é não matar sonhos, ter uma causa, um futuro pela frente.
  8. A árvore morre, mas renasce nas sementes. A energia se conserva, transformada em novas formas. A morte vence o indivíduo, mas se perpetua na sua espécie. A natureza e a vida continuamente mudam, mas ressurgem do velho e são sempre novas.
  9. É inútil não encarar a morte. A receita de viver, diz a anciã de 100 anos, é só não morrer. Quem tenta sorvê-la, ao máximo, morre; e quem quer guardá-la, também morre. Já teve que para gozar logo da eternidade, se atirou às feras como martírio.
  10. de Moraes alerta numa canção: “você que não gosta de gostar, o que que há, diz pra mim o que que há; você vai ver um dia, em que fria você vai entrar; por cima uma laje, embaixo a escuridão; é fogo, irmão, é fogo irmão! ” Sem sentido, alguns se cansam e preferem tirar a própria vida.
  11. O poeta se encanta: “Já tive medo da morte, como o rio que tem medo de chegar no oceano por achar que vai se perder. Depois que descobri que vou me integrar na imensidão, só temo ser inútil enquanto sou rio”. O ateu é prático: “Se estou vivo a morte não está; quando ela chegar eu é que já não estou”.
  12. A preocupação excessiva em esticar a vida e o medo da morte, acabam apressando sua chegada. O desafio é crer na estranha e contraditória economia, onde quem quer manter sua vida, vai perdê-la e quem perde sua vida para que outros tenham vida, ganha a vida.
  13. Assim, a vida ou a morte vegetativa não têm valor absoluto. Muitas vezes, traz a dimensão da dignidade: “é melhor morrer do que perder a vida”, dizia Frei Tito. Mas, sobretudo, a dimensão da entrega amorosa: “não há prova maior de amor que doar a vida pelo irmão”02 de novembro de 2019
Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I