Francisco buscou realização na vida boêmia, não encontrou. Ao buscar na medalha de cavalheiro, pela guerra, foi preso e adoeceu. Ao reconstruir igrejas descobriu que consertar a igreja era viver a forma de vida Evangélica, sem manipulação: despojou-se de sinais externos do poder do capital, beijou o leproso e pregou aos pobres capazes de pensar o mundo para todos.

  1. Seu testemunho atraiu seguidores para a economia do quem perde, ganha e, quem divide, multiplica. Ao entrar, todos doavam seus pertences e viviam de esmolas que pediam nas casas. Logo viu que “quem não trabalha, não deve comer” e propôs o trabalho como um critério de pertença que dignifica a pessoa e ganha o pão. A igreja que vivia do dízimo, perturbou-se.
  2. Por sua fidelidade e pelo temor de ser acusado de herege, jamais rompeu com a Igreja oficial, mesmo diante da rejeição dessa vida de vagabundo de Deus. O centro do chamado era viver o Evangelho como testemunho e como pregação. O forte da mensagem devia ser expresso no exemplo de vida dos frades. Pregue o Evangelho todo tempo. Se necessário, use palavras.
  3. Francisco não pensou numa congregação, mas numa fraternidade. Seus responsáveis eram chamados ministros por exercer o poder-serviço, ao invés de pai, chefe, senhor…. Apegou-se à pobreza como austeridade de vida, na posse e uso dos bens, individual e coletivamente. Insistiu em não ter conventos e que a comunidade não se enchesse de “gente estudada”.
  4. Por alguma razão, Francisco que exaltava o sacerdócio, nunca aceitou ser ordenado padre. Na sua forma de vida não cabia a casta clerical. Por causa da obediência repetia que, no final, o Geral da Ordem é o Espírito Santo. Convocou a todos. Criou o ramo masculino da Fraternidade e o ramo feminino. Para incluir os casais na proposta, fundou a Ordem Terceira.
  5. Como poeta, Francisco teve que vencer a tentação de ficar no enlevo da contemplação. Decidiu meter-se “no mundo”, em ser entendido por sua geração e influir na transformação da realidade da época. Ao contrário das cruzadas que, em nome de Deus, combatiam os muçulmanos para ampliar o mercado burguês, ele foi a pé, conversar de paz com o Sultão.
  6. Hoje, se diz família francisclariana para afirmar a influência de Clara, seu grande amor, na espiritualidade da Ordem. Longe de negar o afeto humano, Francisco incorporou essa paixão, mesmo com grande sacrifício, na aventura por uma entrega maior. Pois, “o que é verdadeiramente humano, não pode ser estranho ao espírito humano”. Apaixonar-se é humano… e divino.
  7. Talvez o traço mais marcante de Francisco é a misericórdia, manifesta na acolhida aos descartados da sociedade e na atenção aos irmãos. Conta-se que, durante um longo jejum, um jovem noviço não aguentou o sacrifício. Francisco convocou a comunidade para um banquete e fazer o irmão feliz. Repetia: “O amor não é amado! Como se pode amar e não amar o amor! ”.  outubro 2019

Obs: Imagem enviada pelo autor

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I