sgameleira@gmail.com
domsebastiaoarmandogameleira.com

O casal aqui presente não quis apenas celebrar uma festa de casamento. Nem mesmo se contenta com celebrar o rito do sacramento do matrimônio. Antes, convidou-nos a constituir uma assembleia eucarística. Estamos aqui para celebrar a Santa Eucaristia e nesta Eucaristia firmar nosso compromisso fraterno com ela e ele, nesta nova etapa de vida que hoje se inicia. O convite não é apenas para festejar esta data tão significativa, mas para firmar um compromisso como amigos e amigas, irmãos e irmãs, de vida e de fé.

Isto é indicação clara do sentido que dão a seu casamento: querem entrelaçá-lo com o mistério pascal de Jesus. Foi por isso que escolheram para seu cartão de convite a frase da Carta aos Efésios: “Este mistério é grande, eu quero dizer que sua grandeza consiste em ser sinal da relação entre Cristo suas comunidades (Igreja)” (Ef 5, 32).

Na Eucaristia, bem o sabemos, o que vimos fazer é celebrar a vida de Jesus de Nazaré, que tão radicalmente se entregou por Seu povo a ponto de ser tido por subversivo e por isso condenado à morte como pessoa indesejada, por ricos, políticos e religiosos. Ao celebrarmos a vida de Jesus, proclamamos que a entrega de si mesmo(a), uma vida motivada pelo Amor, é que tem sentido: só ´numa existência assim a VIDA é vitoriosa. Por isso, na Eucaristia celebramos a morte e a vitória de Jesus, como momento culminante de uma vida amorosamente doada. E firmamos mais uma vez o compromisso de ir assumindo, por mais imperfeitamente que seja, o mesmo  caminho.

Todos e todas nós, junto com a noiva e o noivo, queremos que seu casamento seja “em Cristo”. Quer dizer, encontre na maneira de viver de Jesus o pleno sentido. Aqui queremos proclamar que o casamento é sinal do dom total de Jesus. Percebemos que a consumação do amor, o abrir-se recíproco das pessoas no gesto dos corpos que se entregam é sinal, é sacramento, é anúncio vivo daquela consumação plena do amor que acontece no dom total da própria vida. É a morte por amor que leva o amor à consumação. Morrer pela pessoa amada, eis a consumação do amor! Morte que se dá cada dia, na renúncia e na entrega, o que a tradição chama de “mortificação”; morte que pode ser exigida literalmente na entrega total e final da própria vida no “martírio”. A consumação erótica e sexual do amor é apenas sinal e anúncio dessa dimensão mais profunda e mais plena. E isto é tão verdadeiro que, facilmente, no ato de amor deixamos escapar frases como estas: “Eu morro de amor por você”, “estou doente de amor”. E o livro bíblico de Cantar dos Cantares di-lo poeticamente: “O amor é forte como a morte, profunda a paixão como o abismo dos sepulcros; suas chamas são chamas de fogo, labaredas que consomem” (Ct 8, 6). É como se se manifestasse, no ato de amor, o desejo incontido e impossível de dissolver-se, de morrer para si e reencontrar-se em outrem. A própria experiência do ato sexual é por si mesma bem expressiva: é como estar na fronteira entre vida e morte, entre ser e dissolver-se, entre sorrisos e tremores e gemidos… A consumação do amor é morrer de amor, é morrer por amor.

Para clarear ainda mais o sentido do que estamos a celebrar, escutamos o testemunho de nossos antepassados na fé. Escutar a leitura das Escrituras é tomar contato com a experiência daqueles e daquelas que nos precederam nesta mesma caminhada. A Carta aos Efésios nos diz fundamentalmente duas coisas: 1. É preciso situar a relação homem-mulher no mistério de Cristo: “Este mistério é grande, eu quero dizer que sua grandeza consiste em ser sinal da relação de Jesus com as comunidades (Igreja)”; 2. É preciso situar a relação homem-mulher na relação mais ampla da comunidade: “Sejam todos(as) submissos(as) uns a outrem”, “submissos(as)” quer dizer estar atentos(as) às necessidades (que se tornam exigências) de cada pessoa, todos e todas dedicados(as) ao serviço recíproco.

É daí que brota a dedicação da mulher ao marido. No contexto daquela sociedade – será que já superamos de todo o “contexto” daquela sociedade? – o problema não era a mulher dedicar-se ao marido, ser-lhe “submissa”, quer dizer inteiramente atenta a suas exigências A questão era não perder a própria dignidade. Sabemos que o tratamento dado pela mulher ao marido era de “meu senhor”. Por isso se diz que a entrega total da mulher ao marido tem de ser “como ao Senhor” Jesus. Ora, entregar-se a Cristo, serví-Lo como Senhor é radicalmente dignificante e libertador. Assim, a entrega, a “submissão”, ou seja, a dedicação total da mulher ao marido só é atitude cristã, conforme a fé, na medida em que não a aliena, mas a dignifica e liberta, pois a experiência de Cristo é experiência de salvação, de plenitude. Ele é guia, é cabeça que conduz à libertação.

Ora, o que se recomenda à mulher não é tanto que seja toda de seu marido, pois já era  regra e costume vigente. O que se recomenda é que o seja mantendo, ao mesmo tempo, a própria dignidade, o potenciamento da própria liberdade, sentindo-se salva, a saber, liberta. Justamente o que acontece quando alguém se entrega “como ao Senhor”.

Já com os maridos é diferente. De início, já observamos que os conselhos a ele são uma parte bem mais longa e em linguagem muito mais radical. É que aí é que residia o problema. A dedicação total da mulher ao marido não era problema. Justamente a dificuldade era guardar a própria dignidade revelada pelo Evangelho de Jesus. No caso dos homens era exatamente o oposto. A sociedade os levava a sentir e pensar que a liberdade do homem consistiria na dominação da mulher. Por isso, a insistência do texto em dever ser ele para a mulher como Cristo que se entregou totalmente como escravo da humanidade, conforme nos diz de maneira tão clara o Apóstolo São Paulo na Carata aos Filipenses, capítulo segundo. É preciso amar a mulher como a si mesmo e entregar-se por ela, morrer por ela. Com isso, explode pelos ares a relação de dominação, como tem de acontecer em qualquer experiência de convivência cristã: “Sejam submissos, atentos às exigências uns dos outros no temor de Cristo”.

O mesmo se vê no Evangelho segundo São João (cf. Jo 13) quando Cristo é apresentado como modelo: nosso Mestre é aquele que consuma o amor com o dom da própria vida, ama até ao extremo e, como que dramatiza essa Sua atitude profunda, ao prefigurar a própria morte no gesto de abaixar-se do escravo que lava os pés do senhor. Ensina, assim, que a grandeza do senhor está em fazer-se escravo de seus servos. Completa inversão das relações, subversão radical e total de todos os critérios hierárquicos vigentes de convivência, radical ameaça a todos os costumes estabelecidos na sociedade. É esta a lição que nos é deixada: “Eu dei o exemplo para que, como eu fiz, vocês também o façam. Será que compreenderam bem? Vocês serão felizes se o puserem em prática”: lavar os pés umas pessoas das outras.

O texto do Evangelho coincide na mesma lição apresentada na Carta aos Efésios: Sejam submissos(as), atentos(as) às exigências uns(as) de outrem. Lavem-se os pés reciprocamente, quer dizer, tornem-se servos(as) uns(as) de outrem, deem a vida uns pelos outros(as). A medida da liberdade cristã coincide com a medida da recíproca obediência, do serviço mútuo, da fraterna doação recíproca.

 É nesta perspectiva de doação recíproca, de nova relação homem-mulher que se desenha o propósito deste casamento: tentar realizar a dois, na aceitação profunda da diferença de mentes e dos corpos, a tarefa que é a tarefa de todos e todas nós, a tarefa da comunidade cristã: dedicar-se a tecer relações humanas em que a liberdade de todos e todas seja efetivamente possível mediante o assumir da recíproca submissão, da atenção constante às exigências, isto é, às necessidades de outrem.

Compreender o casamento desta maneira será sempre incômodo e subversivo, pois abala os critérios que vigoram em nossas famílias, na sociedade e na própria Igreja. Querer assumir o casamento “em Cristo” será necessariamente perceber a própria união a dois como crítica permanente aos modelos vigentes na convivência social; será perceber o sentido e a vocação política da própria casa e da família.

Eis aí o desafio, agora maior do que antes. Estamos a experimentar na própria carne o quanto é difícil construir uma convivência baseada na liberdade e na democracia. Depois que saímos da ditadura e entramos na chamada “nova república” temos visto o desprezo com que tratam os povos indígenas e descendentes de africanos; nunca se matou tanto camponês e tantos seus aliados como desde os anos setenta até hoje; os assassinatos costumam permanecer impunes; a legislação agrária tende a retroceder em favor de quem já tem riqueza e negócios; a corrupção tem ares de ser a norma do costume político; e ainda é pouco, pois a grande corrupção se passa nos setores financeiros dominantes, no sistema bancário, no alto empresariado, nos grandes meios de comunicação com seu controle global e manipulação da informação, todos esses capazes inclusive de pôr o Estado de joelhos diante da voracidade de quem se julga os(as) donos(as) da Casa Grande. Chegamos até a ter dois presidentes da República literalmente “fabricados”.

A crise atual em nossas Igrejas cristãs é mais uma indicação clara de quanto é difícil construir uma convivência social baseada na liberdade e na democracia, o que em linguagem eclesial se diz “comunhão e participação”. É mais que evidente o interesse e desígnio de poderosos grupos na Igreja, aliados a poderosos interesses fora da Igreja, de apagar as conquistas do povo cristão a partir do Concílio Vaticano II e da era de Medellín e Puebla. Têm sido cada vez mais frequentes procedimentos autoritários e reacionários. Tenta-se demolir uma a uma as instituições  nas quais o povo cristão tem praticado uma nova maneira de ser Igreja, configurada por vínculos fraternos e marcada pela firme aliança com as classes e setores oprimidos. Fecham-se portas e janelas, destroem-se espaços nos quais cristãos e cristãs, sacerdotes, religiosos e religiosas, leigos e leigas vêm sendo há mais de trinta anos sistematicamente reprimidos(as). Até bispos têm sido publicamente desautorizados, desrespeitados e marginalizados.

Tudo isso, porém, não deve ser encarado como derrota, “a vitória que vence o mundo é a nossa fé”. A cruz de Cristo nos desafia à resistência, qualquer que seja o nível em que se manifeste. Urge enfrentar com serenidade o conflito e empenhar-nos com ainda mais firme determinação no sentido de optar na prática quotidiana por efetivas relações de autonomia e de comunhão. E nisso nossa casa, a casa de  cada qual de nós, tem papel decisivo. Nossas relações mais elementares de homem e mulher, de pais e mães, de filhos e filhas, irmãos e irmãs terão de ser, como Igreja doméstica, exercício concreto, quotidiano, de relações democráticas, caminho educativo para a construção da comunhão e da democracia. Sabemos bem o quanto é decisivo para toda a vida aquilo que as crianças experimentam em seus primeiros anos: novas relações em casa, marcadas pela experiência de liberdade e, ao mesmo tempo, pela percepção das exigências da realidade quotidiana da vida; de atenção às pessoas mais pobres, de abertura à partilha, de não consumismo, de cuidado com a Criação… de aprendizagem do senso de justiça e equidade e de prontidão para o socorro e levantamento de caídos(as). Tudo isso é decisivo para a edificação de novos homens e novas mulheres. É urgente tomarmos a sério consciência do sentido político do casamento  e da “vocação” política de nossas casas e de nossas famílias.

Desejo a vocês, noiva e noivo, aquilo mesmo que em nosso casamento Madalena e eu desejávamos a nós dois: que a imagem guia não seja aquela de um homem e uma mulher que apenas se olham reciprocamente; que sejam ambos, de mãos dadas, bem apertadas uma na outra e com os olhos fixos adiante a percorrer em redor os mesmos pontos comuns, na mesma direção. Que a casa seja suficientemente desinstalada e móvel, como uma simples tenda que se plante e se arranque para de novo  plantar mais adiante. Que a porta se deixe abrir por fora, sobretudo por pobres e pessoas necessitadas, que nos chamam com cada vez mais insistência, para com eles e elas partilharmos o saber, o abrigo do teto, a energia do pão, a alegria do vinho – só assim, como o casal de Emaús, teremos a grande alegria de reconhecer em nosso meio o próprio Senhor ao olhar nos olhos uns de outrem, em torno da mesma mesa, nos intervalos de longa e interminável caminhada…

Continuem sempre a namorar, gastem tempo com isso! Procurem nunca ir pra cama com mágoa guardada no secreto do peito, por pequena que seja. Acostumem-se a dizer-se o que, à primeira vista, parece que não tem importância. Acostumem-se a falar, se não tudo, o máximo que consigam, tenham confiantemente em comum o dinheiro, para que as relações de vocês sejam sempre mais transparentes e, assim, cheguem a fazer a experiência mais bonita da vida: amar e sentir-se feliz. O casamento é a coisa mais bonita da vida, quando dá certo. Que Deus os abençoe e faça com que assim seja!

Obs: O Autor é Bispo Emérito da Diocese Anglicana do Recife
Igreja Episcopal Anglicana do Brasil – IEAB….

É Teólogo e Biblista
Assessor do CEBI, de lideranças de Comunidades Eclesiais de Base e de Escolas de Fé e Política

Imagem  enviada pelo autor 

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I