dirceuben@gmail.com
dirceubeninca.wordpress.com

Pós-graduação em Agroecologia e Educação do Campo
realiza aulas no Assentamento Terra de Arataca

Nos dias 03 e 04 de agosto, os alunos da Pós-graduação em Agroecologia e Educação do Campo (PGAEC) participaram de aulas em campo no Assentamento Terra Vista, em Arataca/BA. Coordenado pelos professores Frederico Monteiro Neves e Dirceu Benincá, o curso está sediado no Campus Paulo Freire, em Teixeira de Freitas e é uma parceria entre a Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), Universidade do Estado da Bahia (UNEB/Campus X), Instituto Federal Baiano (IFBaiano/ Campus Teixeira deFreitas) e Escola Popular de Agroecologia e Agrofloresta Egídio Brunetto (EPAEEB).

As aulas/vivências fizeram parte do Componente Curricular Movimentos Sociais do Campo e Novas Racionalidades Socioambientais, ministrado pelo professor Dirceu Benincá. Na abertura dos trabalhos do dia 03, cacique Nailton Muniz (Pataxó Hã Hã Hãe) relatou a árdua luta dos povos indígenas pela retomada e demarcação de suas terras. Disse ter presenciado durante vários anos a atuação de pistoleiros, fazendeiros e latifundiários armados, ameaçando e violentando seu povo. “Agora as ameaças e o medo tornam a assombrar os indígenas e outros povos/comunidades originários. Os movimentos precisam se unir para defender e exigir seus direitos”, afirmou. Ainda enfatizou que a tecnologia e os aplicativos utilizados pelos jovens têm prejudicado muito a continuidade da cultura indígena. A propósito, destacou a importância da formação de novas lideranças.

Joelson Ferreira de Oliveira, liderança do assentamento Terra Vista, em Arataca, e membro da coordenação da Teia dos Povos aprofundou a análise de conjuntura sobre o atual contexto geopolítico no Brasil e no mundo, mostrando desafios para os movimentos sociais. Ressaltou que a luta por terra e território é permanente e depende de mudanças intergeracionais para construir outro mundo possível, marcado pelo bem viver entre os povos latino-americanos. Afirmou a necessidade urgente de mudar o modelo de produção e consumo capitalistas e fortalecer a agroecologia e a soberania alimentar.

A professora da UNEB, Luzeni Ferraz, que também é professora do curso de PGAEC e colaboradora no processo formativo junto ao assentamento Terra Vista, falou da necessidade que a sociedade tem de aprender com os povos indígenas. “É preciso resgatar a relação profunda e milenar de cuidado com a natureza por meio dos encantados, que são espíritos ancestrais que protegem e animam a luta do povo”.

No período da tarde, Joelson de Oliveira e Solange Brito, coordenadora do Centro Integrado de Educação Florestan Fernandes, apresentaram o histórico de organização da Educação no/do Campo no Assentamento Terra Vista. Enfatizaram o processo de transição agroecológica ao longo de 18 anos, de 1998 a 2016, com apoio fundamental da engenheira agrônoma e pesquisadora Ana Maria Primavesi e de Ernst Götsch, agricultor e pesquisador suíço.

A noite do dia 03 foi marcada por uma bonita confraternização e momento cultural, com a participação de estudantes e professores do curso de PGAEC e do Centro Integrado de Educação e assentados/as. Realizadas no Centro Cultural do assentamento, as atividades foram muito significativas para a interação e integração entre todos os participantes.

Para a estudante de pós-graduação Patrícia Kimiko Miyagawa, a vivência no assentamento serviu para desconstruir preconceitos em relação aos movimentos sociais. “Pude ver um trabalho de produção de alimentos associado à restauração do meio ambiente. Aprendi que precisamos conhecer de perto as realidades e experiências para só depois poder dar opinião a respeito”.

Na avaliação da estudante Marlua Socorro-Batista a experiência foi muito valiosa. “O assentamento é um exemplo de organização dos trabalhadores rurais, com base na justiça e na solidariedade. Nota-se que é possível produzir alimentos saudáveis e também gerar renda”. Ela destaca a contribuição do cacique Nailton, o qual chamou a atenção para a necessidade de cuidar da “mãe terra” como fonte de vida e de espiritualidade.

A estudante Ana Clara também classifica a aula em campo como altamente positiva. “Foi inesquecível e de grande aprendizagem. Aprendi que precisamos conhecer mais como é produzido o que estamos consumindo. Os mestres Joelson e cacique Nailton nos ensinaram a respeito da importância da luta dos povos originários e das pessoas do campo”. Ela avalia também como muito significativa a visita da turma, orientada por agricultores do assentamento no domingo pela manhã (dia 4), às áreas de plantações de grãos e cacau, às áreas de reflorestamento e à fábrica de chocolate orgânico.

Obs: O autor é Doutor em Sociologia, pós-doutor em Educação e professor da Universidade Federal do Sul da Bahia

Imagens enviadas pelo autor.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I