sgameleira@gmail.com
domsebastiaoarmandogameleira.com

“A Igreja é uma conspiração de testemunhas”

(Carlos Barth, famoso teólogo alemão)

A Comunhão Anglicana, designação do conjunto de Igrejas locais (dioceses e províncias) em comunhão com a Sé de Cantuária, na Inglaterra, já há muitos anos tem elaborado uma síntese da Missão da Igreja no mundo. É oportuno lembrar que a Igreja Anglicana se reconhece como herdeira da “Ecclesia Anglicana” ou “Igreja da Inglaterra” (“Anglia”, em latim, é o nome antigo da Inglaterra), a Igreja cristã surgida nas Ilhas Britânicas (Inglaterra, País de Gales, Escócia e Irlanda), provavelmente, entre os séculos I e II de nossa era. Quem sabe, iniciada pela iniciativa missionária de soldados e comerciantes que se moviam entre a região e a Europa Oriental, e consolidada pelo ardor missionário de grandes figuras monásticas, como Agostinho (Inglaterra), Patrício (Irlanda) e Columba ou Columbano (Escócia).

Durante a Reforma Protestante, enquanto se abria paulatinamente às grandes intuições do movimento reformador e se acentuavam os conflitos com o papado romano, a Igreja, porém, reafirmava sua identidade católica: sentimento de continuidade com a grande tradição antiga expressa na Bíblia e na Patrística; nos credos (o Niceno-Constantinopolitano como síntese da doutrina dos grandes concílios antigos e o dos Apóstolos como credo batismal); na preservação das ordens de Bispo, Presbítero e Diácono; na administração dos sacramentos, enfatizando, porém, o Batismo e a Eucaristia; na importância da celebração da Liturgia, com o propósito, porém, de manter o equilíbrio entre Palavra e Eucaristia, com a consciência de que a pregação dos princípios bíblicos deve levar à mesa comum e ao exercício solidário da missão no mundo. Mesmo ao aproximar-se da Reforma, a Igreja tinha consciência de permanecer “Católica” e a intenção de ser o grande espaço de “via media”, entre Catolicismo e Protestantismo, de tal forma que a vivência “católica” fosse algo tão amplo a ponto de incluir a nova sensibilidade protestante e sua reivindicação de volta às fontes apostólicas e ao modelo da Igreja Primitiva.

Um famoso Arcebispo de Cantuária, se não me engano, William Temple, grande baluarte do Ecumenismo e do Conselho Mundial de Igrejas, havia dito uma frase que causou grande impressão: “A Igreja é a única sociedade que se destina a cuidar de quem está fora dela”.

Nas “Marcas da Missão” se pretendeu dar corpo ao conteúdo dessa proclamação e articular, em síntese consistente, o que é realmente a função de evangelizar e qual é a linha mestra da espiritualidade cristã. A Igreja, no seguimento de Jesus, aparece aí como agente de transformação do mundo, alcançando as pessoas, suas relações de convivência, dentro e fora da comunidade eclesial, e as estruturas da sociedade que não são outra coisa senão mediações das relações humanas. Em outras palavras, a comunidade da Igreja não deve cumprir a função de “clube religioso”, mas para os fiéis é espaço de exercitar-se no serviço a toda a humanidade (sociedade). Já o Apóstolo São Paulo falava da vida cristã como treinamento de combatentes (cf. 2Cor 6, 7; 10, 4; Rm 13, 12; Ef 1, 21-23; 6, 10-20; Fl 1, 27-30; 1Ts 5, 8). O Conselho Consultivo Anglicano, uma espécie de parlamento mundial, composto por bispos(as), clero e laicato do Anglicanismo, foi encarregado de elaborar o documento que recebeu o aval de toda a Comunhão:

                                                         As Cinco Marcas da Missão

  1. ANUNCIAR as Boas-Novas para a conversão das pessoas: “kérygma”
  2. BATIZAR E NUTRIR mediante a COMUNIDADE: Koinonía (ou comunhão), Didaskalía (crescer no conhecimento da Palavra), Diakonía (exercício de serviço e partilha), Mystagogía (iniciação no mistério de Cristo), Leitourgía (gozosa celebração do “ser em Cristo”
  3. Criar serviços de amor em favor de pessoas e grupos necessitados: SOLIDARIEDADE
  4. Lutar para transformar as estruturas injustas da sociedade: JUSTIÇA
  5. Zelar, preservar e renovar a vida e os recursos da terra: CUIDADO

 Com essa síntese a Comunhão Anglicana tem consciência de ter prestado um serviço a toda a Igreja cristã. Nas “cinco Marcas” está presente aquilo que deve ser característico do Cristianismo. Há uma profunda lógica de conjunto, que tentamos reproduzir num esquema abaixo. Para começar, nota-se que só duas marcas dizem respeito à edificação da Igreja em si mesma, enquanto três são as marcas que abrem a comunidade cristã à sociedade. Um sinal de que a Igreja (“pequena casa”) não é para si, mas para o serviço ao mundo (“a grande casa comum”).

É bom ressaltar que aí aparece uma perspectiva de Espiritualidade e de Evangelização. O Anúncio do Evangelho não se faz apenas no princípio, na primeira marca. Todas as cinco marcas constituem passos da Evangelização. Não só a Palavra, mas sobretudo o testemunho é evangelizador (“diakonía de amor fraterno” e “diakonía de testemunho”). A Igreja como tal, ou seja, como comunidade, é por excelência agente de evangelização, por sua vida, por sua palavra e pela intrepidez de seu testemunho no mundo. O Anúncio se dá por palavras e ações, a saber, pela práxis da Igreja, ou seja, sua vida comunitária e sua coragem missionária.

O traço de conexão de tudo é a DIACONIA ou serviço, que, de acordo com os evangelhos, é o traço básico de Jesus, o “Servo de Deus” por excelência (cf. Mc 8-10; Is 42; 49; 50. 52-53) em vista de que se estabeleça o Xalôm, o Bem-Viver que possibilita a Felicidade e a Paz (cf. Ef 2). A mediação fundamental é a COMUNHÃO (“koinonía”) (cf. At 1, 12-14; 2, 42-47; 4, 32-37; 5, 12-16), que transborda da comunidade e corre na direção da sociedade, através da solidariedade com pobres, pessoas oprimidas, marginalizadas e excluídas. É o sentido dos relatos de prodígios nos evangelhos e no livro de Atos dos Apóstolos, sem falar de que Jesus mesmo se identifica com as pessoas e grupos mais pobres (cf. Mt 25). A conversão nos leva à experiência de comunidade que nos vai ajudando a tornar-nos “nova criatura” (cf. Rm 6); o serviço recíproco e a partilha de bens nos vão transformando e, de repente, a experiência vivida força as comportas e exige de nós “solidariedade mediante serviços de amor”, é nosso primeiro passo na direção da sociedade. Como dizia Dom Helder Camara, como não apanhar caídos da guerra da miséria que estão aí a nosso lado? À medida que despertamos para a solidariedade com pobres e pessoas e grupos humilhados, começamos a nos perguntar, e é ainda Dom Helder quem fala, nos perguntar pelas razões da guerra: é um fato que a miséria mata bem mais que os conflitos armados. Vamos aprendendo que apenas solidariedade e ajuda com “projetos sociais” não bastam, é preciso dar mais um passo, “lutar contra as estruturas injustas da sociedade”, incidir sobre as estruturas de opressão que estão montadas em âmbito mundial.

Finalmente, nossa consciência cristã cresce, amadurece e assim nos apercebemos de que a própria vida no planeta está em perigo, a criação de nosso Deus “sofre dores de parto” (Rm 8, 22-23; cf. Os 4, 1-19) e aguarda nossa decisão. Se antes dependíamos da Natureza, agora é a Natureza que depende de nós e “aguarda ansiosamente” que passemos da irresponsabilidade à responsabilidade planetária. O problema ecológico é tremendo desafio a nossa fé na Criação e na Ressurreição.

À medida que progredimos na atuação desse “programa de evangelização”, percebemos que estamos a fazer um processo simultâneo  de amadurecimento espiritual, As “Marcas” nos chamam a vivenciar uma peregrinação espiritual. Na medida em que nos evangelizamos, nos tornamos pessoas melhores e mais semelhantes a Deus; é nessa mesma medida que vamos percorrendo um caminho no qual vamos indo sob o impulso do Vento santo do Espírito de Cristo, como nos diz São João em seu evangelho (cf. Jo 3, 8; 4, 24; 14-17). Por isso, digo que as cinco Marcas são uma “pauta” de Espiritualidade.

A iniciação ou “mystagogía” (iniciação ao mistério de Cristo), que se deve dar na comunidade, nos leva ao processo vital de assimilação do mistério de Cristo. A pessoa se sente provocada a viver intensamente as relações comunitárias, de comunhão (“koinonía”) e, por isso, a incorporar o serviço de Cristo, à imitação de Jesus Servo de Deus (“diakonía”). Dois instrumentos básicos para crescer e aprofundar sempre mais essa condição de “nova criatura” é a leitura e o estudo das Escrituras (“didaskalía” ou ensinamento: a Bíblia é nossa escola de liberdade) e a vivência profunda de que celebramos na Liturgia (“leitourgía”) nossa vida como “sacramento”, ou seja, “sinal e instrumento” visíveis da Graça invisível que é a presença de Deus em nós, dá-se em nós algo da Encarnação que se dá em Jesus, nosso irmão em humanidade.

A evangelização ou anúncio da Boa Nova não se pode limitar à proclamação oral do Evangelho (o chamado “evangelismo”), antes, todo o ser da Igreja deve anunciar Jesus, mediante o testemunho da Palavra, o testemunho da vida comunitária (“diakonía de agapé” ou amor fraterno) e o testemunho da ação na sociedade (“diakonía de martyria” ou testemunho) em vista de fazer transbordar o amor de Deus entre as pessoas e na comunidade para a sociedade, pela solidariedade (social), pela luta em favor da justiça (luta política) e pelo cuidado com a criação (Ecologia). É assim que a Evangelização e a Espiritualidade se manifestam como eficazes instrumentos em vista de que se estabeleça  na terra o Xalôm, o Bem-Viver, desde a Ecologia (a lógica da Casa) que exige cuidado, passando pela Economia (a lei da Casa), que exige justiça) e pelas relações e estruturas sociais e políticas, que exigem igualdade e “democracia”, até a expansão mais plena do espírito que se manifesta através dos valores culturais e religiososque legitimam a convivência social.

Finalmente, devemos ter bem presente que há relação essencial e radical entre conversão pessoal, vivência comunitária e serviço à transformação da sociedade, desde a ajuda fraterna imediata, até a lúcida e corajosa participação  na luta política que vai do cuidado com a criação (Ecologia) até a luta pela transformação das estruturas de opressão. Tudo isso é missão divina, como dizia a grande escritora Clarice Lispector: “Acontece que tudo o que vive e que chamamos de “natural” é em última instância “sobrenatural”, e ainda: O Deus é hoje: Seu reino já começou. Só temos de Deus o que cabe em nós”…

AS CINCO MARCAS DA MISSÃO: CAMINHO DE ESPIRITUALIDADE E DE EVANGELIZAÇÃO – Caminho de Espiritualidade da “koinonía” (comunhão) que é a “diakonía de agapé” (amor fraterno) e da “diakonía de martyría” (testemunho frente ao mundo)

 A lógica interna: a Igreja (“ecclesia” ou assembleia) como assembleia alternativa ao sistema do mundo:

Obs: O Autor é Bispo Emérito da Diocese Anglicana do Recife
Igreja Episcopal Anglicana do Brasil – IEAB….

Imagens  enviadas pelo autor

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I