mc.pindamonhangaba@gmail.com
rastrosliterarios.blogspot.com

(Cordel caipira)

Já faiz tempo, mais se alembro
que foi numa sexta-fera,
quando o sór se ispriguiçava
no colo da cordilhera,
e o sabiá se despedia
no gaio da laranjera…

Foi quano as nossa galinha
vortava pro galinheiro
pra dormir mais uma noite,
espremida no poleiro,
que o Totó pulou ni mim,
dispois de corrê ligero.

Ele queria contá
que lá vinha arguém chegano.
Quano oei lá pra porteira,
fui logo me emocionano:
era o padrinho e a madrinha
que tava se aproximando.

Corri tanto até a paioça
que a minha pressa mardita
me fez despencá no chão
quano trombei ca cabrita,
e, mesmo co dor na bunda,
gritei: “Vamo tê visita!”

Mamãe tava na janela,
papai juntinho da porta
retirano dos bigode
arguns fiapo de torta,
enquanto as nossa visita
já tava perto da horta.

Tirano o chapéu de paia,
papai falô bem baxinho:
“Num seje mar-educado.
Quano chegá mái pertinho,
beje as mão e pida bença
da madrinha e do padrinho.”

Dispois, já dentro de casa,
preles podê discansá,
papai puxô as cadera
pidino preles sentá,
e a mamãe ponhô na mesa
bolo de mio e fubá.

Num tinha café no bule
porque quano o pai pitava
bebia tanto café
que rapidinho cabava.
Por isso, disse pra mãe
que na cadera sentava:

“Ô muié, enche a chalera
e ponha água pa fervê.
Dispois senta aqui co nóis,
qui eu quero contá procê,
pro cumpade e pra cumade,
o causo do pé di ipê”.

Mamãe que tava cansada
de trabaiá, resmungô:
“Só dexa eu ponhá o pó
e água quente no coadô
pa mim pregá os ovido
nas contação do sinhô.”

Papai virô pros seis filhos,
oiô um de cada veiz.
Oiô mais brabo pra eu,
o mais travesso dos seis,
e disse mostrano o cinto:
“Num quero um pio doceis!”

Mamãe, do fogão de lenha,
oiô nóis com proteção,
piscano o zóio e, dispois,
de enxugá as linda mão,
sentô perto do papai
que iniciô a contação:

“Dispois de ficá na roça
trabaiano o dia interinho,
antes de i embora pa casa,
o vurgo Zé Passarinho,
debaxo do ipê deitava
pra discansá um cadinho.”

“Ele tinha esse pilido
purque sabia subiá
iguar todos passarinho
que ele iscuitava cantá:
canarinho, pintassirgo
colerinha, sabiá…”

“Um dia chegô aqui
um genhero de mão cheia,
tirô retrato do ipê
e sumiu de cara feia,
dexano o Zé Passarinho
cuma purga atráis da oreia.”

“Notro dia, um otro home,
poco antes do sór si pô,
chegô de ócrus escuro
na cabine dum tratô,
e gritô: “Vô dirrubá
o ipê cheinho di frô.”

“Zé Passarinho tão carmo,
magricelo iguar furmiga,
ficô que nem um boi brabo ,
quereno parti pra briga,
gritano ca boca suja:
– Mardiçoento duma figa!”

“O home ixpricô que a órde
era pa sê zecutada,
que a árve cheia de frô
tinha qui sê derrubada
porque naquele locar
ia se abri uma istrada,”

“Zé Passarinho trepô
como um raio, sem demora,
nos gaio do ipê marelo
e gritô na mema hora:
“Dirruba, se ocê fô home,
dirruba minha árve agora!”

“Hove muita confusão.
Chamaro a puliça e inté
o padre e o dotô prefeito,
prêles convencê o Zé.
Mái teimoso, o Zé gritava:
– Daqui num arredo pé!”

“Como ninguém consiguiu
arrancá o Zé do ipê,
o home, ligano o tratô
e fazeno o chão tremê,
gritô ameaçano o Zé:
– Ocê vai se arrependê!”

“Deis que ele trepô no ipê
num deceu pa nada não.
Prêle num morrê de fome,
o muié levava pão,
e pra num morrê de sede,
dexava água em garrafão.”

“O home do tratô vortô
e resorveu, de repente,
dirrubá a casa do Zé
e o que tivesse na frente.
– Eu vortei pra abri a estrada
num trajeto diferente.”

“Os fio do Zé e a esposa
que no quartinho durmia,
num conseguiro escapá
do tratô. Naquele dia
viraro partér de gente…
Num restô um da famia.

Daquele dia pra frente
o Zé passô a chorá
ficô loquinho da Sirva
que desatava a fala:
– Eu só vô saí daqui
no dia que Deus chama.”

“Quano veio a tempestade
de vento devastadô,
o pé de ipê num caiu,
mái perdeu todas as frô.
Foi nesse dia tamém
que o Zé se disintegrô.”

“Todo povo procuraro
o Zé aqui, ali e lá.
Não acharo e percebero
que ficô no seu lugá,
nos gaio do pé de ipê
um canarinho a cantá.”

“Nói sabe que o passarinho
é o Zé que fica em vigia
pa bicá quem faz mardade
co pé de ipê, quano é dia,
e di noite ele só chora
de sodade da famia.”

Demorô demais da conta
aquele causo do ipê.
Demorô tanto que a água
que a mãe ponhô pa fervê
secô toda na chaleira,
e o pai parô pa dizê:

“Agora oceis dão licença
que eu já vorto num pulinho”
Papai vortô co a gaiola
que ele comprô do vizinho.
“Essa gaiola sem porta
é o lar do Zé Passarinho.”

O padrinho brabo disse:
“Nóis né bobo não sinhô.”
Papai pedino pacência
feiz um bico e assobiô.
Apareceu na janela
um canarinho cantô.

Entrô cuma frô de ipê
que entregô para a madrinha,
e foi bicá o padrinho,
mái a sua bicadinha
num fazia mar nenhum
nem memo a uma criancinha.

Dispois que entrô na gaiola
o pai falô: “Que mardade!
Ceis duvidaro de mim
né cumade, né cumpade?
Pois oceis fique sabeno
que eu só falo das verdade”.

Meu cordel “Zé Passarinho e o pé de ipê amarelo” (Cordel caipira), obteve a terceira colocação no VI Concurso Literário Icoense (CLIC) Poeta José de Oliveira Neto – 8º Festival Nacional Icozeiro.

Obs: O autor é membro da Academia Pindamonhagabense de Letras é autor de: Lágrimas de Amor – poesia; O sapinho jogador de futebol – infantil; O estuprador de velhinhas & outros casos – contos; Histórias de uma índia puri – infanto-juvenil; O casamento do Conde Fá com a Princesa do Norte, e Um caso de amor na Parada Vovó Laurinda – cordéis.

Imagem enviada pelo autor



busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposioDesenhos

Srie "Natureza"

Srie Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Srie "Detalhes"

Srie "MoradaImprovisada"

Srie Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Srie Flores

Srie Flores

Esporte na Colnia

Srie Natureza 01

Srie Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomerao...

Porto florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunio privada...

Espaos ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergncia II

Convergncia I