Sempre me encantou a metáfora do olhar de Deus, sugerida por Nicolau de Cusa. “Deus vê a todos e a cada um indistintamente”, enfatiza o filósofo. O olhar divino, contudo, é materializado nas ações de Jesus. “Miserando Atqve Eligendo” (Olhando-o com misericórdia o elegeu), é o mote do brasão episcopal de nosso papa que se refere a vocação de são Mateus. O olhar é forte, comunica mais do que qualquer discurso bem elaborado. Há o olhar de desespero, de carência, de medo; há, por outro lado, o olhar de concentração e de espanto diante de acontecimentos que nos impactam. Ter sempre o outro sob os cuidados do nosso olhar é a missão mais genuína que podemos assumir. O contrário disso se chama pecado, ou seja, falta total de amor para com o próximo. Vejamos, por exemplo, o caso de Caim: quando cobrado pelo sangue de seu irmão, estava de cabeça baixa, não tinha a coragem de olhar. É o ciclo viciosa da violência que podemos entrar quando nos esquecemos da responsabilidade para com o próximo.

A páscoa abre os nossos olhos para vermos a realidade de modo completamente novo. As experiências pré-pascais são carregadas de incertezas sobre o tipo de messias que é Jesus. Mas com as aparições do Ressuscitado, os evangelhos apresentam uma mudança substancial: os olhos dos discípulos e das mulheres que seguiam Jesus se abrem e o anúncio desconcertante do kerigma ressoa em toda parte através dos lábios da primeira geração de discípulos. Qual é a fonte de tanta coragem?

A páscoa transforma o nosso olhar de choro em olhar de esperança: foi isso que experimentou Maria Madalena (cfr. Jo 20,11-18) quando logo cedo dirigiu-se apressadamente ao túmulo de Jesus. Tomada de tristeza e pelas lágrimas, não reconhece a vida nova que se apresenta diante de si. Porém, quando o Mestre a chama por nome, seu olhar se abre e sente a presença do homem que venceu a morte. Muitas vezes, em meio ao desespero, não conseguimos enxergar nenhum sinal de esperança devido o peso das nossas lágrimas.

Um olhar ferido, mas perdoado: esta é a emocionante experiência de Pedro. Possuído pelo medo, o papa pescador nega a Jesus, quando vem interrogado se pertence ao grupo do condenado à morte. Naquele instante sente vergonha e chora amargamente. Mas o Ressuscitado quando aparece às margens do mar de Tiberíades renova a vocação do pescador. Aquela pergunta “tu me amas?” abre os olhos de Pedro e a descoberta de sentir-se amado e perdoado o envia para anunciar ao mundo a Boa notícia que experimentou.

O modo pelo qual Jesus abre os olhos dos discípulos não é mediante nenhuma catequese doutrinal nem menos por meio de profissão de fé, é sim através do amor que pede a nossa fidelidade e a perseverança no caminho do discipulado, que nos perdoa e compreende, mesmo quando erramos. Esta pedagogia inaugura uma conversão espontânea, nos faz entrar na estrada da liberdade e da missão, ou seja, o ato de abrir os olhos, provocado pela páscoa, se trata do árduo processo de amar e deixar-se amar.

A maneira de Jesus abrir os olhos dos discípulos através das suas aparições é feita mais de modo pessoal que coletivo. Ele utiliza a conversa e a rememoração de tudo aquilo que disse e fez. Não se trata de doutrinação, é a arte do diálogo e da maiêutica que faz reacender o poder do Espírito Santo que está dentro de nós. Um cristianismo obcecado por multidões e por palcos, deve ser avaliado se, por trás de tanta parafernália, está realmente o kerigma (Deus nos amou a todos e nos salvou por sua misericórdia) ou se se trata de mero clericalismo para satisfazer o ego dos ministros do culto que querem atrair à atenção para si mesmo.

Quando insistimos numa páscoa de olhos abertos pensamos sobretudo na profecia de Jesus: Ele mesmo morreu de olhos abertos e com o rosto voltado para o mundo. De olhos abertos porque não esqueceu de ninguém (ver a todos e a cada um ao mesmo tempo). Na cruz, seu rosto está para o  mundo: é o Deus que grita ao Pai e pede que o sofrimento da história não cai no esquecimento. Com a cruz e a ressurreição o rosto de Jesus traz as marcas de cada um de nós. Mesmo que alguns queiram mascarar a realidade com o ilusório discurso de progresso e de bem-estar, a páscoa de Jesus por outro lado, continua sendo um grito e um apelo de responsabilidade para amarmos sobretudo aqueles que foram empurrados para a penumbra; para acolhermos aqueles que nós não queremos olhar. Por isso, eu desejo que sua páscoa seja diferente, que seja realmente uma páscoa de olhos abertos!

Obs: O autor é religioso da Congregação da Paixão de Jesus Cristo (Passionistas). Natural de Fagundes, Paraíba. Atualmente reside em Roma, cursando mestrado em Teologia Fundamental na Pontifícia Universidade Gregoriana.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I