https://www.facebook.com/DiocesedeCratoCE/

Com o Domingo de Ramos, iniciamos a Semana Santa. A entrada triunfal de Jesus em Jerusalém marca o fim daquilo que Jerusalém representava para o Antigo Testamento e assinala o início da nova Jerusalém, a Igreja, que se estenderá por todo o mundo como sinal universal da futura redenção.

A morte de Jesus deve ser entendida no contexto daquilo que foi sua vida. Desde cedo, Jesus percebeu que o Pai o chamava a uma missão: anunciar a Boa Nova aos pobres e por em liberdade os oprimidos. Para concretizar este projeto, Jesus passou pelos caminhos da Palestina fazendo o bem e anunciando um mundo novo de vida, liberdade, paz e amor para todos. Ensinou que Deus era amor, não excluía ninguém, nem os pecadores. Ensinou que os pobres e marginalizados eram os preferidos de Deus. Avisou os ricos e poderosos de que o egoísmo e o orgulho só podiam conduzir à morte.

Este projeto libertador de Jesus entrou em choque com as autoridades que não estavam dispostas a renunciar poder, influência, domínio, privilégio e, por isso, se sentiram incomodadas com as denuncias.  “Por isso prenderam Jesus, julgaram- no, condenaram-no e pregaram-no na cruz. A morte de Jesus é a consequência do anúncio do Reino que provocou tensões e resistências.

 Contemplar a Paixão e Morte do Senhor é perceber a presença de um Deus a quem o amor tornou frágil. “Por amor, ele veio ao nosso encontro, assumiu os nossos limites, experimentou a fome, o sono, o cansaço, conheceu a mordedura das tentações, tremeu perante a morte, suou sangue antes de aceitar a vontade do Pai e, estendido no chão, esmagado contra a terra, traído, abandonado, incompreendido, continuou a amar.

Para viver este amor, elenco algumas ações concretas, tais como: assumir a mesma atitude de amor, entrega e solidarizar-se com os que continuam sendo crucificados; denunciar tudo o que gera ódio, divisão, medo; evitar que os homens continuem a crucificar outros homens e aprender, com Jesus, a entregar a vida pelo mesmo amor.

E, desejo que o grito de alegria deste domingo de ramos, não se converta no “crucifica-o” da sexta- feira santa, incentivo a caminharem rumo a Páscoa com amor.

Obs: Na cidade de Crato centenas de fiéis participaram da celebração do Domingo de Ramos, dia 14 de abril. A missa, que foi presidida por dom Gilberto Pastana, teve início no Santuário Eucarístico Diocesano, ao fim da tarde, de onde saiu a procissão, sendo concluída na Catedral Nossa Senhora da Penha.

Ao fim da missa todos foram convidados a levarem os ramos, erguidos durante a celebração, para casa, mas não como amuletos de sorte e, sim, como algo sagrado que simboliza o compromisso assumido com Jesus no caminho rumo ao Pai.

O autor é Bispo Diocesano de Crato.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I