Dom Helder Camara 15 de março de 2019

http://institutodomhelder.blogspot.com.br
domdapartilha@gmail.com

Meus queridos amigos *

Quando a gente está no Sul do País e ouve um nordestino falar em “aperreio”, em “vida aperreada”, tem saudade. “Não me aperreie menino!” Aí se trata de menino que quer porque quer que a mãe lhe assegure que é dele o fundo da panela de canjica que ela está  preparando.

Cada vez que alguém fica insistente, querendo arrancar um “sim”, está aperreando.

Mas, aperreio mesmo é o aperto de vida. É ver que o dinheiro do mês não vai dar para tudo: se pagar o aluguel não vai sobrar dinheiro para a feira. Se pagar as prestações, o aluguel vai ficar pendurado.

Aperreio é sair para a feira com o dinheiro cuidadosamente separado e ver que os preços subiram e alguma coisa terá que ser cortada. O que cortar? Aperreio é ter a conta certa esticada para o mês e ver surgir um imprevisto: a doença de um filho, uma viagem inesperada para visitar o pai, nas últimas, uma dívida inesperada assumida pelo marido…

Vida aperreada é uma vida de sofrimentos, de quem vê o marido chegar embriagado, gritando com todo mundo, acordando o quarteirão inteiro, querendo bater nos filhos e na própria mulher… Vida aperreada é a da mãe de família, abandonada pelo marido, já sem força sobre os filhos e a filha adolescentes, não tendo mais horário, sem juízo, a mãe vendo a hora que o filho volte ferido, ou o que é pior, que a filha volte grávida.

Aperreio! Expressão gostosa de ouvir, difícil de viver! O mundo já seria diferente, seria mais respirável e mais fácil de viver se cada um fizesse tudo para não multiplicar os aperreios. O Papa João gostava de dizer: “Não complicar as coisas simples…”

Mas parece que de aperreio ninguém se livra. A diferença não é entre pessoas aperreadas e pessoas sem aperreios. A diferença é entre aperreio gerando uma vida envenenada, cheia de revolta e de ódio, e aperreio enfrentado com paciência e espírito de fé.

Como não recordar a “Salve Rainha”! Pedimos a Santa Mãe de Deus e Mãe dos Homens que olhe por nós e nos acuda junto a seu Filho, este “vale de lágrimas”, neste chão de aperreios…
Terça-feira, 9.9.1975

Obs: *Mais uma das crônicas escritas por Dom Helder Camara para o seu programa de rádio UM OLHAR SOBRE A CIDADE, exibido na rádio Olinda às 06h55 de 01 de abril de 1974 a 22 de abril e 1983. Está crônica está publicada no livro “Meus Queridos Amigos”, que reúne 200, das centenas de crônicas lidas por Dom Helder ao longo dos nove anos de duração do programa. 

 Imagem e texto enviados pelo IDHEC – Instituto Dom Helder Camara
. Ver AUTORIZAÇÃO do IDHEC no item OBRAS LITERÁRIAS.



busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposioDesenhos

Srie "Natureza"

Srie Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Srie "Detalhes"

Srie "MoradaImprovisada"

Srie Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Srie Flores

Srie Flores

Esporte na Colnia

Srie Natureza 01

Srie Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomerao...

Porto florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunio privada...

Espaos ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergncia II

Convergncia I