D. Edvaldo G. Amaral 1 de fevereiro de 2019

www.dedvaldo.blogspot.com.br
domedvaldo4993@gmail.com

Desconhecido e quase ignorado este documento, promulgado na velha capital de Pernambuco, berço da civilização do Nordeste e patrimônio artístico e cultural da humanidade, que recebeu o nome de CARTA DE OLINDA. Tive conhecimento dele apenas pelo jornal do Vaticano. É breve e incisivo, conclusão da 25ª assembleia nacional sobre a pastoral dos itinerantes, que se realizou na velha Mearim dos Caetés, de 10 a 13 de julho último. O documento é assinado pelo bispo responsável na CNBB da pastoral dos itinerantes, Dom José Edson Santana de Oliveira, bispo de Eunápolis.

 No contexto atual de nossa sociedade de consumo,  muitos jovens e adultos, mulheres e crianças são obrigados a emigrar, forçados pelas guerras, pelas secas ou enchentes, pelas catástrofes naturais ou pela permanente calamidade, que é o egoísmo, a ambição e a crueldade humana. Em 2009, o Papa Bento 16 numa intenção do Apostolado da Oração pedia que “a opinião pública se ocupe mais do problema dos milhões de deslocados e refugiados, e se encontrem soluções concretas para sua situação quase sempre trágica”. Muitos migrantes desconhecem a língua do país para onde vão, carecem de documentos, são explorados em trabalhos pesados e mal-remunerados.

O documento da Conferência de  Aparecida em 2007 apelava para os bispos do nosso continente a voltar o olhar para os novos excluídos: os migrantes, as vítimas da violência internacional, os deslocados e refugiados (nº 402).

São cinco os direitos básicos, que as populações itinerantes do Brasil possuem diz a Carta de Olinda: moradia, educação, saúde, segurança e reconhecimento da cidadania, e que se constituem em cinco deveres para o estado brasileiro. O documento, diz l’Osservatore Romano reitera com firmeza que “é dever específico do estado promover o bem-estar de todos os cidadãos, sem qualquer distinção relativa à cor da pele, ao sexo, ao credo religioso e à etnia, inclusive os ciganos que chegaram ao país no início da colonização portuguesa.

Notícia que muito me alegrou é que durante a assembleia – informou o Pe. Wallace Zenon, da pastoral dos itinerantes  – foi assinada uma parceria de colaboração com a Comunidade Obra de Maria (que muito estimo), para dar início a um percurso de evangelização, destinado expressamente aos circenses e ciganos, a partir dessas populações no estado de Pernambuco. “Este momento da assembleia é muito rico para a nossa caminhada de pastoral,  porque nos anima e nos dá forças para continuarmos nossa missão como presença da Igreja junto ao povo cigano e circense” – acrescentou ele.(03.09.12)

Obs: O autor é arcebispo emérito de Maceió.



busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposioDesenhos

Srie "Natureza"

Srie Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Srie "Detalhes"

Srie "MoradaImprovisada"

Srie Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Srie Flores

Srie Flores

Esporte na Colnia

Srie Natureza 01

Srie Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomerao...

Porto florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunio privada...

Espaos ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergncia II

Convergncia I