Paulo Rebêlo 15 de novembro de 2018

(www.rebelo.org)

É incrível como todo mundo quer se dar bem no sábado à noite. Coisa meio sobrenatural. Não importa o lugar ou a pessoa. Tem gente que passa horas dançando na boate e não admite voltar para casa sem conseguir ao menos uma beiçada. Quando não consegue, é quase como ter perdido o final de semana inteiro.

Um dia eu hei de abrir um motel. Só vai funcionar entre 21h do sábado e 10h do domingo. O nome do distinto estabelecimento será: ‘Chalés Furunfais do Super Ranzinza’ – abrimos somente aos sábados, não insista.

Todo o dinheiro arrecadado será investido na aquisição de micro-câmeras disfarçadas de luz negra.

:: NEUROSE COLETIVA ::

É difícil superar a neurose do sábado à noite. Você precisa de muita rabugice, aliada a anos e anos de mentalização (e alcoolização) para aprender a ignorar a histeria das pessoas de que ficar em casa sábado à noite é doença.

Deveria dar palestras: ‘como superar a noite do sábado’. Não é difícil. É só começar a beber antes do almoço e, de noite, você já cai na cama feito cimento e acorda no outro dia numa boa. Não precisam agradecer, a fórmula é grátis.

O problema é que às vezes a porca torce o rabo, a cobra fuma charuto e tudo dá zebra. Tem sábado que nem o excesso de rabugice com as sobras da cerveja do dia anterior surtem resultados. Quem surta é a gente.

O entrave do sábado à noite é perceber a falta de companheiros papudinhos disponíveis para tomar uma mísera grade de cerveja, sem a neura reincidente de estar ao lado de alguém do sexo oposto.

Os enamorados vão namorar; os esquematizados vão furunfar; os casados não podem sair; e 99% dos solteiros vão à caça. Boates, pubs, bares da moda… qualquer lugar de azaração. Não precisa ir longe para observar. Nunca se vê um lugar de azaração sem estar lotado. É um verdadeiro açougue.

Outra alternativa é sair para beber sozinho, de praxe. No entanto, levando em consideração que o sábado em questão é o sábado em que você surtou e precisa de qualquer espantalho para azucrinar a paciência, beber sozinho deixa de ser uma opção.

Difícil escolher o pior: chegar no bar e se deparar com um bando de casais; ou perceber que os não-casais estão ali pelo mesmo motivo – que não é tomar um simples caju-amigo, mas sim brincar de esconde-esconde.

DA RÚSSIA, SÓ VODKA –

Você lembra que esta semana conseguiu pagar a conta do telefone e, antes que cortem novamente, é melhor colocar o aparelho em uso para algo mais útil do que enviar crônica por e-mail pela internet.

Após algumas tentativas de convocar os papudinhos, todas recusadas evidentemente, você apela para a velha agenda vermelha – a cor do sinal fechado – contendo os poucos telefones de ex-namoradas, ex-casos, ex-amizades coloridas e outras dores de cabeça.

Quem sabe alguma delas não tenha levado um choque de 10 mil volts nos últimos anos e resolva acreditar que você quer apenas tomar uma mísera grade de cerveja e falar sobre amenidades inteligíveis.

Com a agenda em mãos, é hora de riscar aquelas as quais você sabe que irão gentilmente bater o telefone na sua cara. Como não sobrou nenhuma, o jeito é fazer roleta russa.

Tentativa 1:
— Alô, Fulana. Aqui é o Super!
— Quem ???
— Super! O Super Ranzinza!
— Ah… Diz, Super. Fala logo que estou apressada, minha amiga tá passando aqui para a gente ir procurar namorado. Namorado sério, sabe? N-A-M-O-R-A-D-O, coisa que você não sabe o que é.
— Não precisa procurar tanto, ele está de paletó e gravata te esperando na padaria.
— Tchau, Super! Ah, e não esquece de fazer aquele favor que pedi a você faz é tempo!
— Qual?
— VAI TE CATAR !!!

Tentativa 2
— Oi, Filó. Aqui é o Super. Cervejinha hoje?
— Claro! Estou indo com a Sicrana, a Beltrana, duas irmãs e três primas para a boate, estão todas solteiras e eu falei super bem de você, vem com a gente!
— Odeio boate.
— Então vamos para aquele bar novo que abriu na frente da praia!
— Odeio bar novo.
— Pô, deixa de ser chato, quer ir para onde?
— Não sou chato, sou seletivo. Vamos para aquele boteco que…
— Não! Esses botecos que você leva a gente só tem papudinhos, velhos, barrigudos e homens feios!
— Não fale assim de meus camaradas.
— Hoje é sábado, a gente quer se dar bem!
— Tem todos os dias para se dar bem, por que essa neura do sábado?
— Porque é quando todo mundo quer o mesmo!
— Vocês parecem adolescentes…
— E você parece um velho rabugento, sempre me irrita!
— Você que começou.
— !)$%!&&! @#!&$@!$& !!!!
— Vou nessa, antes que você morda o telefone.

Tentativa 3:
— Diz, Ambrósia, vais fazer o quê hoje…
— Superrrrr, que saudadessssss! Vamos para a boate com a gente, eu arrumo um monte de gatinhas para você agarrar!
— Desculpe, número errado.

Tentativa 4:
— Oi, Jurubeba. Daqui a pouco seu marido vai sair com a outra e você vai ficar mofando em casa. Vamos tomar uma cerveja?
— Sim, sim. Chego na sua casa de que horas, Super?
— Tá surda? Eu disse ‘tomar uma cerveja’. Em algum boteco. A gente afoga as mágoas, xinga a sociedade e abre uma seita, para no outro dia não lembrar mais de nada. Bora?
— Qual é, Super… não podemos afogar outras coisas também?
— A gente nunca pode sair para tomar uma cerveja, criatura?
— Pode, mas hoje é sábado!
— Acabaram de cortar a linha do telefone, tchau.

Tentativa 5:
— Oi, Cremilda. Vamos tomar um caju-amigo?
— Posso não, estou de namorado agora.
— Estou chamando para beber, não para *****. Leva teu macho também.
— Claro que não!
— Não temos mais nada há muito tempo e hoje meu fígado quer exclusividade. É só uma cerveja, para o sábado não passar em branco.
— Eu não consigo tomar apenas uma cerveja com você.
— Deixa de tua frescura.
— Vou dizer a ele que estou com dor de cabeça e…
— Olha, para agüentar teus piripaques esse cara deve ser muito gente boa. Leve ele e conversamos os três, prometo não cadastrar o cidadão na lista de crônicas.
— Depois vou querer que ele me deixe em casa e correr para a sua.
— tu tu tu tu tu tu tu tu tu tu tu tu tu

E nesse momento, você desiste da roleta russa. Percebe que não falta muito para o sábado acabar. Basta um pouco de paciência. Melhor ainda, sábado é o dia em que os nerds do prédio da frente costumam jogar xadrez na rua. Eles adoram quando você vai. Afinal, ninguém do bairro consegue perder tanto.

— Chegou o Tio Super!
— Quem é o pato que eu vou ensinar a jogar hoje?
— Tio, joga aqui com o Sicraninho, meu irmão caçula de 13 anos. Horas depois, lá pela quinta partida (cinco derrotas), o celular toca:
— Diz, Super. Vamos tomar um caju-amigo agora?
— Ué, cadê sua namorada?
— Acho que está na TPM, quis voltar para casa sem mais nem menos.
— Voltava com ela, oras.
— Ela queria ficar sozinha com a irmã assistindo O Diário de Bridget Jones. Em pleno sábado à noite, pode?
— E claro que você acreditou…
— E a gente tem opção, ó sábio guru?
— Tem não, realmente. Mas cadê teu esquema de furunfada?
— Tá com o namorado dela. Hoje é sábado, esqueceu?
— Quase esquecia… mas eu me referia ao outro esquema, aquela que parece uma Scania.
— Pombas, diz logo se vai beber ou não, ora bolas!
— Tô chegando lá no boteco em 15 minutos, não demore !!!!!!

Xeque-mate.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I