Dirceu Benincá 15 de novembro de 2018

dirceuben@gmail.com
dirceubeninca.wordpress.com

Eu sou eu mais as minhas circunstâncias”, afirmou o filósofo espanhol Ortega y Gasset, faz quase um século. Entre as circunstâncias que nos influenciam na identidade pessoal e coletiva estão as do meio sócio-ambiental e as do sistema econômico em que vivemos. Sob o império do capitalismo de mercado, somos marcados com o “selo” de consumidores. Como tal, colecionamos sérios e diversos problemas tanto no pré-consumo como no consumo e no pós-consumo.

No pré-consumo temos, por exemplo, o uso desmedido de agrotóxicos, as monoculturas que destroem a biodiversidade e provocam alterações no clima, o trabalho escravo, o transporte poluente e congestionante das rodovias, o desmatamento… Vale destacar que, na Amazônia, a criação de gado é responsável por 70% a 80% do desmatamento. Só em abril desse ano foram desmatados naquela região 1.123 Km²

Há aproximadamente de 10 mil anos o ser humano procura dominar a natureza, utilizando o corte da mata e o fogo como seus principais meios. Durante muito tempo a floresta foi vista como empecilho ao desenvolvimento. Por isso, incentivou-se tanto a colonização e o desbravamento. Diga-se: a depredação. Agora chegamos ao limite. E isso se agrava porque os poderosos não conseguem conter sua prepotência, imprudência e ganância. Assim, a naturezase vai para o espaço e todos ficamos “perdidos na fumaça”.

No ato do consumo também verificamos graves problemas, a começar pelo próprio consumismo, pressuposto do mercado segundo o qual um ser humano só pode ser feliz se conseguir consumir. Enquanto uns consomem, poluem e dizem que pagam a conta, a grande maioria só pode consumir muito aquém do direito e da necessidade. Desse modo, se consolida e aprofunda a histórica desigualdade social. Hoje cerca de 75% da riqueza produzida no Brasil é apropriada por apenas 10% da população. E os que afirmam pagar a conta social e ambiental, mal sabem que o fazem com dinheiro alheio e recursos naturais pertencentes ao bem comum. No instante do consumo também existe a falta de soberania e de segurança alimentar, entre outras questões preocupantes.

 Muitos são os problemas do pós-consumo, tais como a falta de coleta seletiva na absoluta maioria dos municípios, a carência de políticas públicas e infra-estrutura adequada para o tratamento dos resíduos, a exclusão dos catadores do direito ao trabalho e aos benefícios da reciclagem etc. Atualmente temos, no Brasil, em torno de 800 mil catadores trabalhando nas ruas e nos lixões. Ainda há 70% dos resíduos jogados de modo inadequado em lixões a céu aberto. O chorrume saído deles muitas vezes polui mananciais, como acontece com a Represa da Guarapiranga, na grande São Paulo, que abastece em torno de 3,8 milhões de moradores.

O maior problema do consumo do ambiente é que todos nós estamos no meio e dependemos dele para viver. Por isso é importante fortalecer alternativas a essa situação. É fundamental repensar todo o processo: estimular a produção orgânica, familiar e sustentável; incentivar a economia popular solidária; promover o consumo ético e consciente; realizar a reciclagem, o reaproveitamento e a compostagem, entre tantas outras medidas possíveis e necessárias.

Não bastam ações pontuais, nem é suficiente lembrar-se do meio ambiente apenas no dia dedicado a ele (05 de junho). É preciso pensar outro modelo de desenvolvimento capaz de garantir a vida, com justiça e dignidade para todos. Para tanto, existem ações que são de responsabilidade do cidadão – dos chamados consumidores –, outras que cabem ao Estado (poder público) e outras ainda às empresas. Todos têm de fazer a sua parte para evitar que o meio seja consumido por inteiro. E mais: para que as circunstâncias sejam favoráveis à sobrevivência dos que virão depois de nós! (18.08.2008)

Obs: O autor é Doutor em Sociologia, pós-doutor em Educação e professor da Universidade Federal do Sul da Bahia

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I