Fulana chorava.
A mãe, há dias no hospital, não tinha mais ninguém para cuidar dela. E a filha, única herdeira, ficava lá, o tempo inteiro, como se estivesse internada junto, impedida de se afastar por um só instante.
Mas não havia nenhuma esperança: a velhinha já estava desenganada pelos médicos e deveria entrar logo em fase terminal.
— Não chore, minha filha! — dizia, com um fio de voz.
Fulana, sentada no sofá ao lado, chorava aos prantos.
A mãe, cheia de sondas enfiadas pelo corpo, passava os dias gemendo. E a filha, varando noites e noites, virando a velha de um lado para o outro:
“Até quando?”, pensava. “Até quando?”
— Minha filha, não chore! Todos nós temos um tempo, e eu já esgotei o meu…
Fulana, debulhada em lágrimas, soluçava. Mas em seu choro desbragado não havia nenhuma tristeza pela morte iminente da mãe. Não. Isso não existia.
“Ódio!”
Ela era obrigada a ficar ali.
“Que ódio!”
E este sentimento vinha das vísceras.
”Tomara que morra logo, a desgraçada!”, praguejava em silêncio, voraz e feroz. Não aguentava mais aquela situação.
“Podre!”, ruminava entredentes. E essa palavra não lhe saía da cabeça. “Podre!”. O cheiro e o estado da velha. Noites maldormidas. Tempo perdido. Dinheiro posto fora.
Fulana destilava veneno.
A herança, que há tanto esperava, começava a ser gasta, antes mesmo de ser sua, naquele inferno de hospital.
E a velha não morria nunca. Triste e agonizante, olhava para a filha, com piedade. Não gemia mais. A única coisa que conseguia, já sem forças, era balbuciar:
— Pobre filha…
Um dia, por motivos econômicos, foram transferidas para um modesto quarto. E a fulana, estirada sobre uma poltrona suja, rasgada e fedendo a mofo, com asco e ódio de estar ali, berrava como uma porca e babava igual a uma vaca, chorando convulsivamente:
“Podre!”
— Pobre filha!
Tempos depois a herança acabava, totalmente consumida nas diárias daquele inferno de hospital.
E a velhinha passou a ocupar um leito, lá embaixo, na enfermaria dos indigentes. A filha, sem ter mais para onde ir, forjou um lugar no canto do corredor e ali passou dias e noites, como bicho acuado, ruminando um ódio mortal.

*classificado no concurso de contos da hama editora, XIV bienal do livro rj

www.cairotrindade.com.br
www.facebook.com/cairo.trindade
www.facebook.com/Oficinadeliteraturacairotrindade



busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposioDesenhos

Srie "Natureza"

Srie Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Srie "Detalhes"

Srie "MoradaImprovisada"

Srie Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Srie Flores

Srie Flores

Esporte na Colnia

Srie Natureza 01

Srie Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomerao...

Porto florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunio privada...

Espaos ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergncia II

Convergncia I