Paulo Rebêlo 15 de julho de 2018

(www.rebelo.org)

O sorriso sincero de uma mulher é uma experiência tão sublime quanto sua própria silhueta desnuda à meia luz e com vista para o mar.

Porque o sorriso, quando de verdade, é uma expressão ímpar. Não é apenas a boca. São olhos, sobrancelhas, testa, ombros, todos em uníssona harmonia.

E quando somos nós os responsáveis por arrancar um sorriso assim, é difícil não querer um segundo. É quase tão bom quanto aquela última porção de galinha à cabidela que o garçom escondeu para entregar quando você chega no bar e a cozinha já está fechada.

Mestres do disfarce, talvez por isso elas achem que nós nunca sabemos quando estão rindo de mentirinha. Seja de uma piada sem graça ou de uma cantada sofrível e repetida ad infinitum.

Embora a gente perceba tão pouco o universo feminino, há duas coisas que conseguimos diferenciar a quilômetros de distância: sorrisos sinceros e mentiras sinceras. O resto a gente não entende, não adianta comprar brincos novos ou mudar o penteado.

A gente não precisa ser Roger Rabbit e tampouco elas parecem ter vocação para Jessica. Mas roda o mundo e giro pelo mundo, não consigo parar de questionar: por que os casais de hoje sorriem cada vez menos?

Em viagens nas quais não tenho compromissos formais, fica mais fácil olhar em volta. Talvez porque o intervalo onde deveria estar trabalhando é aquele intervalo onde podemos ganhar as ruas de urbes desconhecidas e abertas a forasteiros intrépidos e eventualmente insones.

Seja em restaurantes chiques de centolla ou bares imundos debaixo da marquise, casais que não sorriem sufocam as pessoas ao redor.

Exemplos são inúmeros, mais recente em viagem pelo deserto patagônico onde, curiosamente, há casais do mundo inteiro em lua-de-mel. Se olham, trocam algumas palavras, comentam sobre o gosto do cordeiro sul-americano. Procuro com os olhos, mesa por mesa, ninguém ri. Ninguém conta sequer uma piada de tomate.

No refeitório da empresa, na praça de alimentação do shopping, na fila do cinema, ninguém parece falar nada suficientemente engraçado para arrancar um sorriso sincero de mulheres tão lindas. Ou os homens se tornaram entes minerais ou as mulheres não encontram mais motivos para rir.

Em ambos os casos, me parece melhor dar um tiro na cabeça. Elas não acham mais graça em nada ou somos nós que não conseguimos fazê-las rir como antigamente?

Porque quando uma besteira engraçada se transforma em uma besteira estúpida na cabeça de uma mulher, não há muito a fazer. Se não conseguimos arrancar um simples sorriso, é melhor fazer a mochila e ir embora. Ou se igualar aos casais patagônicos.

Uma guia de turismo me perguntou se havia gostado de ver um elefante-marinho tão de perto. Com sono e de ressaca, apenas respondi que não, porque foi como me ver no espelho sem Photoshop.

Foi o riso mais sincero que vi no meio daquele mundão de gente. Assim como a piadinha ridícula, igualmente sincera. Elefantes-marinhos me deixam desconfortável diante de tamanha semelhança austral.

Talvez os gurus da auto-ajuda tenham dito às mulheres que é deselegante sorrir em público. Talvez as revistas femininas digam que sorrir para homens desconhecidos é promíscuo. Talvez vossas genitoras digam que sorrir para estranhos é perigoso. Talvez hoje a gente só saiba sorrir para foto no Orkut.

São tantos talvez e tão poucas risadas sinceras.

Estou para desligar o Word e finalmente embarcar após horas de atraso no check-in, chega-me uma miúda de seus cinco anos de idade, mais parece uma hiena tagarela quando me pergunta o que estou fazendo. Penso em responder “N-A-D-A” para fazer a pentelha ir embora, mas lembro dos elefantes-marinhos e apenas digo que estou escrevendo um manifesto sobre a falta de sorriso das pessoas. Terminou causando o mesmo efeito e ela foi embora. Ao longe vejo a suposta mãe olhando com um leve sorriso sincero e me pergunto se ela ouviu.

Uma mulher que não sorri deveria penhorar sua alma para outra. Porque mulheres lindas sem senso de humor não merecem a admiração que causam por onde passam.

No meu fantástico mundo de bobby particular, as mulheres lindas vão se tornar feias a cada sorriso de Orkut. E as mulheres feias serão as mulheres mais lindas para os homens que conseguem arrancar-lhes um sorriso sincero.

E haverá porções infinitas de galinha cabidela à espera de todos. Mesmo depois de fechada a cozinha.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I