[email protected]

Anunciamos, SENHOR, a vossa morte
e proclamamos a vossa Ressurreição,
vinde, SENHOR JESUS

A expressão mais forte, mais central, mas profunda de nossa relação com Deus, por Jesus Cristo, no Espírito Santo, é a ceia do Senhor, a eucaristia. Dando graças a Deus pela salvação realizada na pessoa de Jesus Cristo uma vez por todas, invocamos o Espírito Santo sobre o pão e o vinho, partimos e partilhamos este pão e bebemos este vinho. São para nós, que os recebemos na fé, o corpo e o sangue de Cristo, sua vida entregue para a salvação do mundo, sinal de comunhão com o Pai e entre nós, sinal da unidade que desejamos e que Deus prometeu para o mudo inteiro.

Celebrar a ceia do Senhor é anunciar sua morte, proclamar sua ressurreição, aguardar esperançosamente a vinda do reino (cf 1Cor 11,26). É estampar um sinal profético de uma sociedade renovada na qual se pratica a economia solidária, na qual é eliminada a fome, a miséria, a guerra, a dominação de uma nação sobre a outra. É sinal de que, um dia todos os seres humanos, todos os povos, todas as culturas reconhecerão uns nos outros, agradecidos, o rosto do Pai comum, Pai de todos nós. Por isso é tão importante que se apresse o dia em que todas as Igrejas cristãs possam, reconhecida e oficialmente, partilhar a mesa eucarística como testemunho de unidade diante da sociedade, assim como partilhamos a mesa da Palavra e reconhecemos um mesmo batismo realizado em várias Igrejas.

Em um mundo marcado pela ganância, por um sistema que faz crescer os ricos e empobrecer ainda mais os pobres, comungar na ceia eucarística é um gesto também político. É um gesto de compromisso, de mudança de vida: comer do pão e beber do vinho da eucaristia sem se comprometer com a solidariedade, com o bem comum, é truncar o sentido da ceia do Senhor ou, como diz São Paulo, é comer e beber sua própria condenação (cf 1 Cor 11,29).

Na verdade, na ceia eucarística fica bem evidente que a espiritualidade cristã passa necessariamente pela corporeidade, pela ação ritual realizada em comum com gestos e palavras, para fazer memória de Jesus. O Verbo que se manifestou “naquele tempo”, que armou a sua tenda entre nós, continua a se manifestar hoje nas ações litúrgicas, colocando-se ao alcance de nossas mãos, de nossos ouvidos, de nossos olhos, para que possamos – olhando, ouvindo e tocando – reconhecê-lo, sermos transformados pelo seu Espírito e viver em comunhão com Ele e com o Pai (cf 1Jo 1,1-4). Isso vale não somente para a Eucaristia, mas para o batismo, a celebração da Palavra, da Liturgia das Horas, os gestos, a organização do tempo e do espaço. Para nós, cristãos, o corpo é templo do Espírito Santo. Por isso, precisamos realizar cada ação ritual com a máxima atenção, de presença, de consciência do corpo em sua relação com a mente, o afeto, o espírito e o Espírito, com o mistério que habita cada ação ritual. Precisamos estar prontas para a experiência espiritual por meio da participação (ativa, consciente, frutuosa, plena) da ação ritual. Podemos chamar isso experiência litúrgica, que deverá nos levar a uma participação cada vez mais comprometida na missão dos discípulos e discípulas de Cristo no mundo atual.

A manifestação na liturgia não é a única forma de presença do Ressuscitado: Ele está presente em sua Igreja, está presente no pobre, no injustiçado, no faminto, no encarcerado, no estrangeiro (cf Mt 25,31-46). Na liturgia, no entanto, cultivamos a expressão “fundante”, a que o próprio jesus nos deixou – “Façam isto para celebrar a minha memória” – e que se torna ponto de referência para outras manifestações do Senhor.

Para refletir:
1. Por que a ceia do Senhor (celebração eucarística) é a celebração central da comunidade e da vida de todo cristão?
2. O que a eucaristia nos ensina a respeito de nossa vida em sociedade?
3. Por que precisamos orar e celebrar não somente com o coração, mas também com o corpo, com gestos e ações simbólicas?

Para meditar:

1 Jo 1,1.3 – “O que existia desde o princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com nossos olhos, o que temos contemplado e nossas mãos têm apalpado: a Palavra da Vida… isso que temos visto e ouvido, estamos vos anunciando, para que estejais em comunhão conosco. E nossa comunhão é com o Pai e com seu Filho jesus Cristo”.

1 Cor 11,26 – Todas vezes que comeis deste pão e bebeis deste cálice, anunciais a morte do Senhor, até que Ele venha”.
Refrão: Comam do pão, bebam do cálice, quem a mim vem não terá fome. Comam do pão, bebam do cálice, quem em mim crê não terá sede.

Obs: O texto acima foi uma proposta de reflexão realizado em um retiro bíblico-litúrgico para Irmãs beneditinas missionárias.

Imagem enviada pela autora.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I