www.dedvaldo.blogspot.com.br
domedvaldo4993@gmail.com

Que as anotações pessoais sejam queimadas. Peço que vele sobre isso o padre Stanislaw, a quem agradeço pela colaboração e ajuda tão prolongada através dos anos” – escrevia S. João Paulo II em seu testamento de 6 de março de 1979. “Não queimei as anotações de João Paulo II, porque elas são a chave para compreender sua espiritualidade, aquilo que é mais íntimo no homem: sua relação com Deus, com os outros e consigo mesmo”- explicou o hoje Cardeal Estanislau Dziwisz, arcebispo de Cracóvia, no prólogo de um alentado volume de 638 páginas, publicado no Brasil este ano pela Editora Planeta.                                             

No prefácio desse livro, que tem por título “Estou nas mãos de Deus” , informa o Padre Jan Machniak que as anotações espirituais revelam ao longo de dezenas de anos (1962 a 2003) a profundidade de trato com Deus de Karol Woytila – bispo auxiliar, arcebispo de Cracóvia, cardeal e papa. E acrescenta: “Nos últimos anos, as anotações dos exercícios espirituais tornaram-se cada vez mais breves. O Santo Padre anotava o tema do retiro e o programa do dia. Há menos observações pessoais.”     

No Vaticano, houve quem criticasse a atitude de Dziwisw de não cumprir a determinação de seu amigo e protetor, que tinha nele absoluta confiança, pelas décadas que esteve ao seu lado, como secretário particular,  desde bispo auxiliar em Cracóvia até Papa em Roma. Acontece que em qualquer processo de beatificação – e eu participei como testemunha no processo do Padre Rodolfo de S. José dos Campos – todos os discursos, cartas e quaisquer escritos do candidato às honras dos altares são cuidadosamente examinados pelos juízes da Congregação romana para as Causas dos Santos. Entre eles, está o famoso Defensor da Fé, que jocosamente é chamado de “advogado do diabo”, porque lhe incumbe a árdua tarefa de descobrir se há algum erro ou deslize nos escritos e no comportamento do proposto a ser declarado santo pela Igreja. A destruição de qualquer documento, como esse de João Paulo II, seria altamente suspeita. Por isso, Estanislau Dziwisz, secretário de João Paulo II, entregou suas anotações pessoais à Congregação para as Causas dos Santos.                                                                                                                   

O  tesouro espiritual que fica nessas páginas é de valor inestimável. Começa em 1962, quando ele era bispo auxiliar e vai até o retiro espiritual de 2003, perto de sua morte. Ele “cruzou o limiar da esperança”   às 21:37 do sábado da semana de Páscoa, 2 de abril de 2005.          

 Pelo reduzido espaço de que disponho, vou limitar-me a poucas citações. No retiro de 1962, em preparação ao Concílio: “Estou nas mãos de Deus – o conteúdo daquele Totus Tuus (Todo teu) apareceu com em um novo lugar. Quando qualquer assunto meu se transforma, assim, em propriedade de Maria, é possível enfrentá-lo, mesmo que isso implique um risco.” No retiro de 1964, arcebispo de Cracóvia: “Redirecionamento  do retiro à santíssima humanidade de Cristo e portanto, à sua Mãe – calem-se os doutores, um é o Mestre: Cristo. Retrocedam as criaturas, fala-me só Tu. Sobre a kénosis  (esvaziamento) ou seja sobre a destruição do amor próprio como condição para essa escuta durante o retiro.” No retiro de 1983, pregado pelo Card. Ratzinger, ele rezava: “Ao celebrar mais uma santa Quaresma, concedei-nos avançar na inteligência do mistério de Cristo e vivê-lo em sua plenitude” e refletia: “Indo para o deserto, Jesus penetra na história de seu povo, em seu caminhar e em suas tentações no deserto. Assim, os sacerdotes de hoje terão de marcar o caminho através do deserto da modernidade.” No retiro de 1986, pregado pelo Reitor Mor dos Salesianos, Pe. Viganò: “A santidade (vida no Espírito, vida de fé, esperança, caridade) concentra-se definitivamente no amor: amor de Deus e do homem, inseparáveis. Amor pastoral. O caminho do amor é o homem. Deus, para revelar seu amor, fez-se homem, pobre. Cristo, fonte desse amor.” O último retiro que ele anotou foi o de 2003.

O livro citado reproduz a última página da agenda escrita por Karol Wojtyla, com essas palavras: “Jonas, ou seja, o medo de anunciar o amor de Deus.” (23.07.14)

    Obs: O autor é arcebispo emérito de Maceió.



busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposioDesenhos

Srie "Natureza"

Srie Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Srie "Detalhes"

Srie "MoradaImprovisada"

Srie Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Srie Flores

Srie Flores

Esporte na Colnia

Srie Natureza 01

Srie Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomerao...

Porto florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunio privada...

Espaos ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergncia II

Convergncia I