http://obviousmag.org/denis_athanazio/
https://denisathanazio.wordpress.com

Imagine-se morando no paraíso onde você não precisa fazer muito esforço para conseguir o que quer. Nesse lugar, com uma temperatura agradável,você tem acesso à uma boa comida sempre que sentir fome e, ainda, consegue ouvir um som que te acalma reverberando dentro desse paraíso. Ali não é necessário dizer nada e tudo já é entendido. Tudo se encaixa, inclusive o seu próprio corpo.

Mas chega uma hora que é preciso sair, ou melhor dizendo, você é expulso do paraíso e entra em um mundo totalmente estranho. O nome desse paraíso? Útero materno. Muitos psicanalistas concordam que esse é o primeiro trauma vivido pelo ser humano: O trauma do nascimento. Daí você cresce e precisa enfrentar as contingências da existência sem entender muito bem como o mundo gira. Paraíso nunca mais!

Depois, você começa a entender que todos temos diversos papéis sociais a desempenhar e que, em muitos deles, acabamos por mentir ou omitir algumas informações e comportamentos para nossa convivência se tornar suportável. Então aprendemos (e muito bem) a encobrir nossos defeitos e sentimentos, a seduzir as pessoas a gostarem da gente e a mostrar a todo custo que está “tudo bem, obrigado”. Somos essencialmente carentes e é muito angustiante para a maioria de nós saber que não somos muito especiais.

O problema é que manter essas “máscaras” dá um trabalhão, nos deprime e gastamos muita energia psíquica que poderia ser destinada a tantos outros conteúdos melhores e mais criativos. O psicanalista Jorge Forbes diz que “Estar sempre vivendo da expectativa do outro e o que ele pensará de mim, é ser controlado por esse outro indiretamente”. Dizendo de outra forma, ficamos escravos de atenção e olhar alheio, esse mesmo olhar que era para ser mais contemplativo e compassivo do que inquisitivo.

Você já deve ter percebido que os velhinhos, ou como canta Fernando Anitelli, “crianças que nasceram faz tempo”, já não se preocupam muito com o que vão pensar deles. Falam coisas que constrangem a todos no almoço de família, mas que você, no fundo, também pensou em dizer, mas não teve coragem. Eles viveram muita coisa e já entenderam que não têm muito tempo a perder para ficar se preocupando com “bobagens cotidianas” e sustentando máscaras desnecessárias.

Conheço famílias de comercial de margarina que a todo custo tentam manter uma imagem idealizada e falsa. Tentam mostrar que são daquelasfamílias onde todos acordam de manhã já com o cabelo penteado, já com hálito refrescante, tomando café juntos com a mesa farta e com todos os membros muito saudáveis e bem encaminhados na vida. Até que surge um escândalo dentro dela e a família fica mais preocupada com sua reputação do que com o problema em questão. Triste realidade onde os nomes e as máscaras são mais importantes que as pessoas.

O escritor Oscar Wilde escreveu que, “as nossas caras são verdadeiras máscaras que nos foram dadas para ocultarem os pensamentos”. E é claro que não existe ser humano no mundo que não use uma máscara ou não tenha segredos que só ele saiba. E que bom que nem tudo o que pensamos é dito ou executado pois, se assim fosse, o mundo estaria muito pior do que está.

O que quero dizer com tudo isso é que talvez consigamos deixar cair algumas máscaras ou, pelo menos, diminuirmos a intensidade que as usamos pois, essas, a longo prazo vão ficando mais pesadas e difíceis de carregar.

Por fim, quem gosta mesmo da gente respeita como somos. E, quando estamos errados, dizem a verdade com amor torcendo sempre para sermos a melhor versão de nós mesmos. Não raramente ouvimos dos nossos amigos e familiares “Vamos parar com a enrolação e com as farsas porque eu já te conheço faz tempo. Conta aí logo o que está acontecendo!”. Bons amigos e familiares são os que nos auxiliam a tirarmos nossas máscaras e não os que nos ajudam a colar outras tantas em nosso rosto.

Obs:  O autor é Psicólogo, palestrante, terapeuta de família casal.
Imagem enviada pelo autor.



busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposioDesenhos

Srie "Natureza"

Srie Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Srie "Detalhes"

Srie "MoradaImprovisada"

Srie Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Srie Flores

Srie Flores

Esporte na Colnia

Srie Natureza 01

Srie Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomerao...

Porto florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunio privada...

Espaos ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergncia II

Convergncia I