A minh’alma tem sede de DEUS!

[email protected]

Uma história contada por Anthony de Mello mostra, de maneira simples, muito bela e muito profunda, que precisamos de Deus como do ar que respiramos. Um camponês aproximou-se de um sannyasi (um beato hindu) que estava meditando à sombra de uma árvore e lhe disse: “Quero  ver Deus. Diga-me como posso experimentá-lo”. O sannyasi não disse uma palavra e continuou meditando. O camponês voltou no dia seguinte com o mesmo pedido, e no outro dia, e no outro, e no outro, sem que obtivesse resposta. Vendo sua perseverança, o beato lhe disse: “Você parece ser um verdadeiro buscador de Deus. Esta tarde descerei ao rio para tomar banho. Venha ao meu encontro lá”. Quando se encontraram no rio, o sannyasi pegou o camponês pelo pescoço, afundou a cabeça dele na água e o  segurou assim por algum tempo, enquanto o pobre homem lutava desesperadamente para tirar a cabeça da água. Depois de soltá-lo, o sannyasi lhe disse: “Venha ver-me amanhã junto da árvore. Quando, no dia seguinte, o camponês foi ao encontro do sannyasi este lhe perguntou: “Diga-me por que lutava daquele jeito quando eu segurava sua cabeça debaixo da água?”. “Porque queria respirar para não morrer”, respondeu o camponês. O beato sorriu e disse: “No dia em que você desejar a Deus com a mesma ânsia com que queria respirar, nesse dia o encontrará, sem dúvida alguma”.

 Também em nosso contexto cultural, a razão pela qual não encontramos e não experimentamos a Deus é porque não o buscamos apaixonadamente. E não o buscamos porque achamos que não precisamos dele como precisamos do ar que respiramos. Temos tantas coisas a fazer, tantos projetos a executar, tantos desejos a satisfazer, estamos tão anestesiados pela busca do ter, do poder, do prazer, que pensamos poder dispensar, prescindir de Deus em nossa vida.

 Santo Agostinho, o homem do “coração inquieto”, continua sendo um modelo para a busca de Deus em nossos dias. Depois de ter experimentado a inquietude, o vazio e a infelicidade da ausência de Deus, Agostinho experimentou a felicidade e a paz que nos são dadas quando fazemos a experiência do encontro com Ele. No fim do primeiro parágrafo das Confissões, expressou sua experiência com uma frase de uma densidade e de uma beleza insuperáveis: “Fizeste-nos, Senhor, para ti, e o nosso coração estará sempre inquieto até que descanse em ti”.

Como sabemos, São Bento coloca a busca de Deus como primeira característica vocacional do candidato que chega ao mosteiro: “Que haja solicitude em ver se procura verdadeiramente a Deus” (RB 58,7). E as nossas Constituições retoma: “A característica fundamental da nossa forma de vida é a busca de Deus em comunidade, sob ‘Regra e Abade’ (Const. I,3).

Na verdade, Deus nos criou para a comunhão com Ele. Porque é nossa origem e nosso fim, nosso princípio e nosso fundamento, Deus é a única fonte capaz de saciar a nossa sede infinita de amor, de comunhão, de felicidade, de eternidade. Mas porque nos criou livres, respeita a nossa liberdade porque um amor que não é livre não é amor: “Eis que estou à porta e bato. Se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele comigo” (Ap 3,20).

Queremos vivenciar esses dias de busca e de encontro especial com Deus inspiradas e orientadas pela Liturgia.  E, mais uma vez, voltamos a São Bento e encontramos a segunda característica vocacional que ele coloca para quem se apresenta ao mosteiro: “se é solícito para com o Ofício Divino” (RB 58,7). Vemos, pois, que São Bento tem grande zelo pelo Ofício Divino e a nossa presença e participação consciente no mesmo, o que podemos estender à liturgia em geral: “e tal seja a nossa presença na salmodia, que nossa mente concorde com nossa voz” (RB 19,7). Recordamos ainda uma passagem da Regra Beneditina: “Na hora do Ofício Divino, logo que for ouvido o sinal, deixando tudo que estiver nas mãos, corra-se com toda a pressa, mas com gravidade, para que a escurrilidade não encontre incentivo. Portanto, nada se anteponha ao Ofício Divino” (RB 43,1-3).

 Concluamos este momento com as palavras de Paulo em duas de suas cartas: “Enchei-vos do Espírito: entoai juntos salmos, hinos e cânticos espirituais; cantai e salmodiai ao Senhor de todo o coração” (Ef 5,18-19). E ainda: “Movidos pela graça, cantai a Deus em vossos corações, com salmos, hinos e cânticos inspirados pelo Espírito” (Cl 3,16).

Obs: O texto acima foi uma proposta de reflexão realizado em um retiro bíblico-litúrgico.

Imagem enviada pela autora.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I