Dirceu Benincá 15 de janeiro de 2018

[email protected]
dirceubeninca.wordpress.com

Em primeiro lugar e acima de tudo, Natal é celebração do dom da vida. E o melhor ambiente para celebrar esse evento/mistério de modo mais pleno e original é a família. Naturalmente, para que ela seja de fato o melhor lugar, deverá haver condições favoráveis e preparação para isso.

Porém este tempo é um prato cheio para o comércio. Por conta da mercantilização da festa, o sentido cristão do Natal fica ofuscado, quando não ignorado. Vende-se e compra-se de forma obsessiva. Nem os anjos, nem São Nicolau (que virou Papai Noel) escapam desse enrosco. Eles não agüentam mais serem vendidos como enfeites e bugigangas, como se fossem utensílios substitutos da felicidade, da paz e do próprio Jesus.

Tempo para refletir

Já se vai muito tempo desde que José e Maria deslocaram-se de Nazaré a Belém da Judéia a fim de participar de um recenseamento geral. A ordem fora dada pelo imperador Augusto e devia ser cumprida. Maria estava grávida e, daquela gravidez, nasceria o menino Jesus. Ele seria grande e reinaria para sempre sobre os descendentes de Jacó (Lc 1, 32-33).

No momento de maior necessidade, contudo, faltou solidariedade. A bem dizer, um retrato clássico da exclusão dos pobres em todos os tempos. Exatamente em Belém – cujo nome significa casa do pão – não houve acolhimento. O casal teve de se acomodar entre os animais. O fato é mundialmente conhecido, em contradição com o que veio anunciar aquele Menino que nos foi dado. Em breve, celebraremos outra vez a memória do nascimento do Salvador. Natal é festividade que comemora o ingresso de Jesus em nossa história. De repente, Deus irrompe no meio da gente a fim de nos revelar de forma humana e objetiva seu jeito de ser. Um mistério de fé que suscita esperança e recobra nosso compromisso.

Para compreendermos o significado mais profundo deste evento é necessário que nos deixemos engravidar pelo mesmo espírito que animou Maria e José na luta em defesa da vida. Por outro lado, é sempre bom recordar a conjuntura sociopolítica na qual Jesus veio a este mundo. É importante dar-se conta de que a exclusão não é um episódio acidental e nem um fenômeno restrito a uma ou outra época ou espaço.

Na lógica capitalista, o presépio e o templo se modernizaram. Neles são entoados efusivos hinos do tipo: “Viva o mercado global e paz na terra aos homens de boa capacidade econômica”. Outros cantam: “Paz a todos os que conseguem salvar-se do atentado, do assalto, do seqüestro, da competição, do fanatismo religioso, das discórdias familiares, dos abortos irresponsáveis, das Tropas de Elite, do estado de mal-estar social, das doenças velhas e novas, da fome, da falta de perspectivas de futuro, da solidão” etc.

Na sociedade de mercado em que vivemos, tudo tende a virar mercadoria. O sistema decretou que só 20% da humanidade têm direito a viver com dignidade porque podem comprar o que desejam. Enquanto isso, o Menino de Belém sofre hoje nos rostos de tanta gente, como afirmaram os bispos em Aparecida (DA 65). E disseram que, no atual modelo de globalização, os excluídos não são somente explorados, mas tratados como supérfluos e descartáveis.
Nesse contexto, o Menino segue por aí. Sobrevive a duras penas na pessoa de milhões de excluídos. Apenas sobrevive! Migra e vagueia por todo o lado. Foge da morte para a morte. É superexplorado, prostituído, humilhado como um escravo pós-moderno, sem trabalho, sem salário, sem passaporte, uma não-pessoa. O Menino está ali apesar de todas as perversidades arcaicas ou pós-modernas.

Celebração familiar

A família é o espaço, por excelência, para a celebração do Natal porque o Menino chamado Jesus nasceu em uma família. Nós também nascemos, fomos envolvidos e, em geral, vivemos em núcleos familiares. Jesus, em suas pregações, ressaltou de diferentes modos a importância da família. Contudo observou que sua verdadeira família é quem faz a vontade de Deus (Mc 3, 35).

No Natal é fundamental cada um valorizar sua família particular. Porém não significa que se deva esquecer os outros, especialmente os mais pobres e excluídos. Natal é apelo de justiça, paz e solidariedade. Portanto implica também fortalecer o desejo de lutar por uma sociedade mais igualitária, onde todos tenham condições de vida digna.A verdadeira felicidade não se faz à base de mercadorias e presentes. Tornemo-nos – isto sim – nós mesmos o maior presente para nossa irmã e nosso irmão. Aproveitemos o tempo do Advento e do Natal para exercitar o diálogo, as expressões de fraternidade e ternura na família, na comunidade e na sociedade, atitudes que coroam esse acontecimento com seu peculiar sentido!
Texto publicado no jornal Mundo Jovem, edição nº 392, novembro de 2008, página 5.

Obs: O autor é Doutor em Sociologia, pós-doutor em Educação e professor da Universidade Federal do Sul da Bahia

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I