sgameleira@gmail.com
domsebastiaoarmandogameleira.com

“O poder é como uma dama, se precisa dizer que é, já não é”

(Lady Margareth Tatcher)

Muitos(as) de nós nos lembramos de Margareth Tatcher, ex-primeira ministra do Reino Unido, já falecida, campeã do neoliberalismo e do desmonte do Estado em favor dos grandes interesses econômicos privados e multinacionais. Sua memória, por isso, é má lembrança para todos os pobres do mundo. Mas a frase sobre o poder não deixa de ser magistral.

O grande teólogo luterano, de origem alemã, Paul Tillich formulou uma verdade que tem ajudado muita gente a refletir e até a reavaliar rígidas posições do passado. O conteúdo de sua afirmação é que a Igreja cristã só chega a sua completude quando possui “substância católica” e “princípio protestante”.

A “substância católica”, como nosso grande Richard Hooker viu muito bem, é a consciência viva da sacramentalidade da Igreja enquanto Corpo de Cristo, sinal e instrumento de Deus no mundo; a valorização da Tradição como veículo da Revelação na vida do povo de Deus na história; a Criação como lugar originário da Palavra, suporte do mistério da Encarnação. O “princípio protestante” é a centralidade de Cristo na vida cristã; a fé como confiança total em nossa entrega a Deus; a importância central do testemunho das Escrituras; profunda liberdade em relação a todas as estruturas humanas, incluindo a Igreja; daí, a ideia de “reforma permanente”, de acordo com a palavra de Lutero: “Ecclesia reformata, semper reformanda” (A Igreja reformada sempre deve ser reformada) e a reivindicação dos direitos da consciência pessoal.

Quando me lembro, como agora, das afirmações de Tillich, vem-me espontâneo pensar no Anglicanismo e na genialidade da rainha Izabel I que teve a coragem de projetar uma forma de Igreja que fosse tão amplamente católica a ponto de ser capaz de abraçar a corrente protestante, de tal forma que se preservasse a unidade espiritual e política da nação. De fato, a partir dessa preciosa intuição, o que hoje pretende a Comunhão Anglicana é justamente isto, manter-se com “substância católica” e guardar o “princípio protestante”, preciosa herança deixada por Lutero com o movimento da Reforma. É sempre bom lembrar que o nome “Lutero” (Luther, em alemão) vem do grego “Eleutherius” que quer dizer “homem livre”, que adotou para si. Na verdade, trouxe à tona algo que é central no Novo Testamento: “Foi para a liberdade que Cristo nos libertou. Permanecei firmes, portanto, e não vos deixeis prender de novo ao jugo da escravidão (…). Vós fostes chamados à liberdade, irmãos. Entretanto que a liberdade não vos sirva de pretexto para a carne, mas, pelo amor, colocai-vos a serviço uns dos outros” (Gl 5, 1 e 13).

Sem dúvida, sempre haverá tensões entre a “substância”, a dimensão sólida do ser, que se formula em categorias como “natureza”, “instituição”, “organização”, e o “movimento da liberdade”, a crítica, o novo, a profecia, o Espírito. Não se trata, porém, de aspectos inconciliáveis, não havendo necessariamente contradição, embora permaneça a tensão dialética que deveria ser fecunda e saudável, se houvesse maturidade humana para sintetizar existencialmente, enquanto pessoa e enquanto grupos, o princípio da liberdade e o princípio da realidade.

Os aspectos institucionais são obviamente necessários, deles depende a estabilidade, quer psíquica, quer política. Não há vida sem forma determinada. Qualquer dinamismo “amorfo”, informe, será sempre autodestrutivo. Vida é movimento, sim, mas busca naturalmente organizar-se, estruturar-se em “organismo”. O segredo da maturidade é justamente manter a fecunda dialética entre base e liderança, movimento e organização. Esta aponta para permanência, estabilidade, enquanto movimento sugere mudança, transformação, crítica, reforma, renovação.

Para que isso aconteça e a vida não se perca na confusão e anarquia e, por outro lado, a organização não se enrijeça e extinga o dinamismo da liberdade que carrega sempre o fermento da crítica e de eventual dissenso, é preciso manter-se em constante vigilância, amadurecer no trato com o poder e, particularmente, quem exerce autoridade não caia na tentação da “autocracia” e no comportamento de “privatizar o poder”, como se fosse sua propriedade, ao imaginar que a posição hierárquica produz, por si mesma,  espontaneamente, “sobrenatural” e automática  iluminação. Ora, o poder não é propriedade de ninguém, mas dimensão da coletividade enquanto tal, mesmo se, frequentemente, necessita de ser, é óbvio, representado por um colegiado ou por alguma pessoa determinada. Não se pode, porém, esquecer: o que confere poder e legitimidade é o reconhecimento. Por isso, diz Margareth Tatcher: “é como uma dama”, que se reconhece por si mesma, por seu próprio porte, por seu estilo de ser, não “precisa dizer que é”, “impõe-se” por si mesmo, sem alarde ou proclamação.

O poder “real”, verdadeiramente autêntico, é aquele que está carregado de “autoridade”, não tem necessidade de impor-se e afirmar-se. Pois poder é capacidade ou possibilidade de ser, é ser “auctor”, construtor de si mesmo e edificador de outras pessoas. É o que hoje se diz como termo “empoderar”. Ter (seria bem mais correto dizer ser) poder é transbordar capacidade  de ser para outras pessoas. Jesus nunca dizia “meu poder te salvou”, mas “tua fé te salvou”, devolvendo à outra pessoa seu papel de sujeito, de “autor” da própria transformação. Ter necessidade de impor, de ordenar, de mandar é fraqueza, imperfeição do poder, incapacidade de influenciar por dinamismo de irradiação criativa. É isto o que distingue radicalmente o que é simples (e frágil) “poder legal” e o que é “poder real”, o que se chama de liderança, capacidade de influenciar, atrair e convencer, “autoridade moral”, esta, sim, o verdadeiro “poder real”. Jesus é radical, quando ensina que quem é realmente primeiro se comporta como último, não hesita em servir e se oferece para dar vida às demais pessoas (cf. Mc 10, 41-45).

Trata-se, é verdade, de difícil equilíbrio. Jesus estava tão consciente disto que chegava a dizer que só faz o “caminho” quem chega a “nascer de novo” (cf. Jo 3, 1-9). Trata-se de reviravolta radical e total na vida da pessoa e dos grupos humanos.  É como passar da cegueira a enxergar a estrada, como se vê na instrução final ao grupo de quem o seguia na última viagem a Jerusalém, que o levaria à morte. É a decisiva tensão entre maturidade e imaturidade na vivência do poder. Em toda aquela “viagem” da cegueira à iluminação, a ênfase do Metre é uma só: serviço, entrega da vida, comunhão não é alternativa ao exercício do poder, mas é a única maneira humana e humanizante de exercer o poder (cf. Mc 8, 22-10,52). O Apóstolo São Paulo o percebeu tão claramente que nos fala de “nova criatura” (cf. 2Cor 5, 16-21). Se pretendemos permanecer como já somos, fruto do velho nascimento, não há saída para a superação de nossa imaturidade, seremos sempre inseguros(as) quanto à “posse” do poder. É que, antes de ser uma questão institucional, é uma questão “espiritual”, de transformação profunda de si mesmo(a). Por isso, na primeira carta de São João se diz que se trata de “passar da morte para a vida” pelo amor (não pelo “mando” ou a “imposição”. E acrescenta que amar é sempre estar em Deus, a saber, ninguém chega a amar de verdade, em outras palavra, exercer o poder de maneira madura, sem que já esteja em Deus (cf. 1Jo 3, 11-16). Dizendo de outra  maneira: ninguém se torna realmente “pessoa” e chega a reconhecer profundamente a dignidade das outras pessoas, sem amadurecer nesse processo “sobrenatural” que é o amor, ou seja, a partilha do poder entre as pessoas mediante o serviço e a partilha do poder sobre as coisas mediante a divisão dos bens. Exercer poder não é apenas função política ou institucional, antes, é algo bem mais profundo e radical, enquanto exige maturidade humana, segurança psíquica e crescimento espiritual, independentemente de religião ou pertença cultural.

Vê-se que não é fácil Por que é tão difícil? É que não se chega facilmente à segurança de si. Nosso poder nunca é completo, experimentamos também “não poder” E aqui as coisas se complicam. Sentimos insegurança, desconfiança, medo e, por isso, termos necessidade de autoafirmação. Aí está a fonte de nosso autoritarismo. É como se quiséssemos “segurar o brinquedo” da vida (poder), quais crianças ciumentas, para que o irmãozinho não ponha as mãos ou se apodere dos objetos de nosso desejo, sentimo-nos ameaçados(as). Autoritarismo é sempre manifestação de insegurança quanto a nosso poder sobre a vida, as relações, as instituições e as coisas. Não é assim mesmo? Quando vemos, por exemplo, governos porem a polícia nas ruas, não é sinal de insegurança de que as instituições “normais” já não têm capacidade de garantir a ordem? Quando se põem nas ruas as forças armadas com seus tanque de guerra, não é sinal de que o governo teme ser derrubado pelo povo? Na Igreja, nas instituições e nas relações interpessoais não se dá algo análogo? Gestos autoritários, ausência de diálogo, acusações gratuitas ou interpretações arbitrárias de afirmações ou de comportamentos, não são sinais de insegurança quanto à própria autoridade?

Anglicanismo não é Igreja fácil. Aliás, a vida em Cristo não é nada fácil, pois é como “morrer e nascer de novo” (cf. Rm 6). Nossa forma de ser Igreja pretende que sejamos “Igreja do Espírito” e não da letra, da liberdade e não da lei, do serviço e não do mando e da apropriação do poder. É sempre mais fácil desesperar do Evangelho e recair na “carnalidade” da lei; desesperar da liberdade e recair na servidão; desesperar do diálogo e impor a própria vontade por decreto; enfim, desesperar da “comunhão” e da autoridade do povo e impor a própria verdade de indivíduo ou de seu grupo. Tudo isto, resultado da insegurança e do medo de não “ser poder”.

Como se disse acima, na verdade, serviço não é alternativa a poder. Na perspectiva de Jesus, serviço é a única maneira humana e humanizante de “ser poder” e exercê-lo. Com efeito, serviço recíproco é o jeito correto de viver as relações entre as pessoas; partilha é a maneira correta de viver as relações com as coisas enquanto mediação das relações com as pessoas. Na verdade, é sempre a regra de Jesus que está em causa: partilhar o poder, na relação com as pessoas (cf. Mc 10, 32-45); partilhar os bens, na relação com as coisas (cf. Mc 10, 13-31). Viver a comunidade não é outra coisa, é ser em comum e ter em comum, as duas formas básicas de exercer o poder em todos os níveis. É por isso que chegamos a dizer, com ousadia eclesial, que somos “Igreja liderada por bispos e governada pelo povo”. Infelizmente, nem sempre o temos conseguido. Nossos medos e insegurança nos perseguem. Administrar com decretos e ordenanças de mando é sempre mais fácil, impor de cátedra encobre nossa imaturidade, incapacidade de respeitar pontos de vista diferentes e ansiedade que não permite a paciência de aguardar o desenrolar-se de processo mais longos. Tudo isto tem a ver com nossa compreensão e vivência do poder como algo individual, como se fosse “meu”, quando nos afastamos da compreensão do poder como algo a ser exercido de forma comunitária, como “nosso”, partilhado, como Deus sempre faz, ao confiar em nós.

Anglicanismo é pobre tentativa humana de tentar na história imitar a Deus, pela “inclusão” e pela vivência da “unidade na diversidade”. Isto quer dizer que, para além de procedimentos burocráticos e institucionais, deve ser processo espiritual profundo de conversão, de “nascer de novo” para, em Deus, compreender e praticar nosso poder como humilde serviço e partilha, do jeito de Jesus. Para isto, não basta ler a Bíblia, ensinar a Bíblia, pregar a Bíblia, “aprender” a Bíblia. O processo tem de ser muito mais profundo: aprender da Bíblia o jeito de ser de Deus. Aí, sim, a Bíblia pode tornar-se “escola de liberdade”, experiência de transcendência que projeta a pessoa para além de si mesma, a saber, na comunidade, no povo como coletividade. “Igreja liderada por bispos e governada pelo povo”, “bispo sempre em sínodo”. “Syn-hodós” (caminho em conjunto), fazendo caminho em conjunto com seu povo.

Obs: O Autor é Bispo Emérito da Diocese Anglicana do Recife
Igreja Episcopal Anglicana do Brasil – IEAB….

Imagem  enviada  pelo autor.



busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I