São Constâncio estava no fogo da perseguição. Mas 40 famílias, de cabeça erguida, andavam no meio da fornalha sem se queimar, com grandes turmas de peões derrubando o mato, com palmeiras caindo de todo lado, com capangas exibindo arma. Sim, era uma fornalha. A Comunidade se reunia na Capelinha, imprensada entre o curral e a casa da fazenda, cantando para o opressor ouvir, insistindo nas promessas de Jesus. O animador abria o Evangelho e tirava deste tesouro coisas novas e velhas.

O Rei Nabucodonosor que naquele tempo jogou três jovens na fornalha ardente surpreendeu-se com um quarto jovem, vestido de branco, que no meio das chamas cantava salmos com eles. A mesma surpresa foi do gerente da fazenda a quem o povo tinha dado o apelido acertado de Golias. O homem dizia: Quem é que dá força para este pessoal cantar ainda? – Mas, enquanto o Rei se convertia, Golias se endureceu: Vou acabar com estas celebrações na Capela! – Mandou dizer ao animador Antonio: Se você quiser viver mais uns dias, largue este ofício!

O susto valeu, e Antonio fechou a capela, pois não era ele aquele quarto jovem. A porta não se abriu no outro domingo para acolher o povo. Isto doeu a São Pedro no céu, que guarda as chaves do Reino. Quem pode fechar a igreja sem a minha ordem?

O Santo avisou no sonho outro Pedro, morador de Lago Verde, que é ferreiro: “Amanhã você vai ter que lapidar sua língua”! – Este Pedro, animador de comunidade, preparou sua língua qual espada afiada e, como era Domingo, pregou no Culto com tanto fervor que o velho José Marçal falou: Êta, Evangelho pesado! – Só então ficou sabendo da capela fechada em São Constâncio. Quando saiu da igreja pensou consigo: A missão ainda não foi esta! – Com isto foi para a casa do Golias que tem segunda residência em Lago Verde e avisou: No Domingo que vem vai ter Culto no S. Constâncio! – A mulher disse: Eu vou dar o recado ao marido!

No dia seguinte, Pedro teve outro sonho: Viu São Francisco no meio dos pobres, fazendo curas e tendo o cordão laçado pelo pescoço. Compreendeu que o sonho lhe mostrava uma Imagem da IGREJA VIVA NO MEIO DAS POBRES, sendo enforcada pela perseguição. Ele pensou: Nós temos que desatar este nó. – No caminho da roça,, de noite e de dia, só pensava na  capela fechada, pedindo a São Pedro que lhe mostrasse a chave. E Deus que faz as coisas bem feito, arranjou um companheiro para ele na pessoa do Sr. Honorato que é sacristão em Lago Verde. Este homem, voltando na segunda-feira da roça, encontrou na praça uma mulher vistosa, desconhecida, que não lhe saía da cabeça. E este vulto, de noite lhe apareceu em sonho: estava ele, o sacristão, saindo do portão da igreja com um pequeno grupo de gente, quando encontrou a dita mulher que perguntou: Vocês vão acender velas? Eu vou com vocês! — Foi só o que ela falou, e o sonho mudou de cena. Chegou um Franciscano amigo que se debruçou sobre a cerca, dizendo: Já corri muito, mas ainda não fiz nada! – Foi entrando pelo terreno da igreja e, quando chegou perto da porta, um bando de pássaros arribou assustado.

Esta historia é tão cheia de sonhos que é difícil saber qual  é a realidade. De manhã, Honorato pediu a Sr. Pedro: Me diga qual é o sentido do sonho? Pedro respondeu: Combinou com o meu! O frade que você viu é S. Francisco. Ele não disse: Vamos começar porque até agora nada fizemos? – Os pássaros que voaram são os posseiros de São Constancio que estão no perigo de serem expulsos. O Santo está dizendo para nós visitar a Comunidade aflita. Você vai comigo domingo que vem? A mulher do sonho falou em acender vela, é porque você é sacristão e o seu trabalho no culto é acender luzes. – Assim, o Pedro já tinha um André, e o grupo foi crescendo.

No domingo, dia primeiro de julho de 1984, quando deu uma hora da tarde, Sr. Pedro atravessou o cancelão que abre a estrada para São Constancio. Os acompanhantes atrasaram-se um pouco na casa de um amigo. Havia três capangas armados, a cavalo, e Pedro pensou: Ainda bem que estou sozinho No meio de muitos, alguém poderia perder os nervos! – Os capangas se decepcionaram, quando o aspecto deles não desanimou a viagem do peregrino. Sairam da sombra e pararam o homem numa passagem estreita depois do igarapé: Para onde vai, meu velho? – Quem falou foi um valentão que o povo apelidou de Chapéu de Couro. O ferreiro falou: Eu vou celebrar o Culto na Capela de São Constancio. – Mentira: nós sabemos que você quer agitar o povo e prometeu dar terra a eles. – Se eu pudesse dar terra, já teria dado o Brasil todinho. Eu não sou dono de terra, mas sou dono da minha missão. Por isso vou celebrar o culto e vocês podem ir também. – Com isto pediu passagem e não quis mais conversa.

Quando ele chegou no São Constâncio com seus acompanhantes, a coragem do povo já tinha aberto a capela que estava repleta de gente. Pedro entrou e os capangas com ele. Dirigiu-se ao Chapéu de Couro, dizendo assim: Agora se sente aqui, mas tire o chapéu, porque estamos na igreja! – Enquanto o povo acabava de chegar, iam treinando um canto que dizia assim: “Quem pratica injustiça não tem Deus no coração”! – Não paravam de cantar, insistindo no mesmo verso, até que os intrusos se incomodaram e saíram.

A leitura era da Sunamita, no segundo livro dos Reis, cap. 4, que hospedou o profeta Eliseu em sua casa. Na turma de Lago Verde tinha o animador Domingos que fez a leitura do Evangelho e emendou logo a reflexão, só para não dar a palavra a Sr. Pedro, pois temia que o fervor dele fizesse algum estrago. O nervoso dele aumentava, quando do lado de fora se ouviam tiros pelo ar. Mas não era para isto que o ferreiro tinha “lapidado sua língua”. No fim do culto achou uma brecha e retomou a leitura da Sunamita: Esta mulher rica acolheu o peregrino e instalou até um quarto para ele. E hoje, o que estão fazendo com Jesus que peregrina pelo mundo? Estão fechando a porta para ele e não querem ouvir sua palavra. Mas vocês o acolheram e abriram a porta que um outro fechou! – Depois apresentou o Animador local Antonio: Este é o homem que vocês têm que confiar nele. E esta igreja não fica mais fechada!

Assim terminou o culto. Quando Domingos passou perto da calçada da Fazenda deu para ouvir bem alto: Os vagabundos já vão! Mas o grupo se alegrou, porque foi achado digno de sofrer afrontas pelo nome de Jesus.

No caminho de volta, o Sr. Honorato – a visão noturna ainda era viva na sua  cabeça – falou: Agora eu sei quem foi a mulher que eu vi no sonho e que falou em acender vela: A mulher foi a Sunamita. Ela ficou alegre porque nós íamos acender uma luz no São Constâncio.

São Pedro no céu ficou satisfeito: contou as chaves do Reino e não faltava nenhuma: O povo do Lago Verde e do São Constâncio se alegrou quando soube que ainda tem um profeta em Israel.

(01 de julho de 1984)

Obs: Fotos enviadas pelo autor: a primeira é do ferreiro Pedro; a segunda é do sacristão que encontrou a Sunamita nas ruas de Lago Verde

O autor é  Frade Franciscano, nasceu na Alemanha em 1940.
Chegou ao Brasil como missionário em 1964. Depois de completar os estudos em Petrólis atuou no Piaui e no Maranhão. Exerceu trabalhos pastorais nos anos 80 em meio a conflitos de terra. Desde 1995 vive em Teresina no RETIRO SÃO FRANCISCO onde orienta pessoas na busca da vida espiritual.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I