(Recordando antigas lições)

Tudo o que é caduquice, velharia, velho (inclusive velhacos) … deve ser esquecido e até sepultado. Outra coisa são as antigas lições tiradas da prática social, vivenciada pelos povos que, ao experimentá-las, sobre elas refletiram e elaboraram afirmações. Estas permanecem novas e trans-históricas, enquanto método, orientação e ensinamento.

1.É surpreendente que um apresentador e vários atores, no horário nobre, de uma emissora que confessou sua ligação com o regime autoritário, conclame a população para ir às ruas protestar contra a corrupção explícita do governo corrupto. Quem fez um cesto, faz um cento e quando a esmola é grande o santo desconfia. Mudança ou ameaça a seu capital?

2.Diante da resistência de Troia, a inteligência do império grego armou uma cilada – um cavalo de presente. Em vão alertou o visionário Laocoonte – ego timeo danaos et dona ferentes (eu temo os gregos e os que trazem presentes, de grego, é claro!). A crença na “bondade” e na “conversão” do inimigo foi determinante para a derrota da cidade.

3.Muita gente se entusiasma com a amplitude da aliança contra uma autoridade ilegítima e traidora. Bem que tal “mudança” pode ser um “risco calculado”… A panela de ferro propõe juntar-se à panela de barro apostando na fragilidade do rebanho sem pastor. A burguesia já usou trabalhadores para derrubar a odiada nobreza. Depois… repressão cruel!

4.Há 30 anos, o campo popular, encantado com a via eleitoral e com as amplas alianças, abandonou a construção da força própria, indispensável na conquista do poder. Seu bem-intencionado programa de melhorias, ao não politizar, fez clientes, consumidores e votantes que voltam para casa, na primeira chuva ou, iludidos, engrossam as fileiras da reação.

5.Ulisses mandou que o amarrassem no mastro do navio para não cair no canto da sereia. Se pode e se deve surfar” nas ondas da conjuntura quando se tem clareza dos sonhos, do rumo, do projeto… quando se tem claro o inimigo principal, os aliados estratégicos e pontuais, nessa tarefa de reforçar um lado, combater o inimigo e neutralizar indecisos…

6.Ter poder é ter força para decidir na sociedade. A lição, antiga e sempre nova, recorda que é preciso estar: a) colado ao povo; b) com clareza do rumo; c) com força própria, preparada para atuar em qualquer conjuntura; d) tornar-se referência que gere unidade e força social; e) exercer o poder compartilhado; f) ter postura moral, individual/coletiva, intocável…

7.Todo espaço pode ser posto de atuação da nova ordem social. Isto foi possível quando em cada escola, bairro, fábrica, sítio, igreja, hospital, hotel, empresa, administração pública… havia o núcleo de militantes capaz de ver e denunciar toda forma de exploração e opressão, de anunciar e de mobilizar a classe que trabalha para uma saída solidária, livre e feliz. (22/05/2017)

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I