Frei Adolfo Temme 15 de junho de 2017

(do finado Pedro)

1.Eu estava tão doente, com o peso abatido.
Não sabia o que fizesse, mas não dava um gemido.
Eu perdia os amigos que se iam afastando,
mas um dia tiv’ um sonho, vi um caminhão chegando.
Este carro foi rompendo, invadindo o quintal,
pau e pedra arrancando. Fui na porta, dei sinal.

2.Encostou o caminhão, motorista foi mulher.
Reparei os viajantes, pareciam esmoler.
Estavam muito abatidos, com o rosto tão sofrido,
com a roupa maltrapilha, fiquei muito comovido.
A carrada dos doentes estava tão desfigurada,
o olhar estava fundo, era gente maltratada.

3.A mulher desceu do carro, era linda que só ela.
Perguntou a minha esposa: Você tem muita panela?
Traga xícara e vaso, eu preciso um bocado,
pois eu vou fazer remédio para basso inflamado.
Minha esposa respondeu que não tinha infelizmente.
A mulher se despediu e voltou com os doente.

4.Acordei do pesadelo, o juízo atordoado
e falei pra todo povo: o meu dia está marcado;
eu já vi o meu despacho, minha vida está no fim.
A conversa se espalhou: não tem jeito para mim.
Finalmente um professor enviou-me um recado,
afirmando que o sonho era mal interpretado.

5.Na mulher que você viu que chegou no caminhão,
a Saúde ti visita, acredite, meu irmão.
Antes de passar três dias o remédio chegará
ou então um copo d’água o teu mal afastará.
Apesar da Boa Nova eu falei no outro dia:
Não demor’ uma semana vou morar na terra fria.

6.No segundo dia à tarde visitei uma mulher
que falou que conhecia um Senhor Júlio Bazé
que fazia garrafada combatendo a doença.
Escutei esta conversa sem um mínimo de crença.

7.No terceiro dia à tarde antes do dia findar
Aparece o tal de Júlio lá em casa a me saudar.
Me olhou e disse assim: o seu basso é inflamado.
Compr’ um kilo de açúcar e em breve está curado.
Achei graça, pois açúcar já comi mais de arroba;
eu fiquei desconfiado, achei a conversa boba.

8.Mas o homem continua: quero te aconselhar,
caça jurubeba branca que é pro fígado curar
e do pajeú a casca que é pro basso inflamado,
tudo isto é moído e no fogo cozinhado.
A mulher lá na cozinha juntou vaso e panela.
Recordei-me do meu sonho, da mulher alta e bela.

9.Fui buscar o qu’ ele disse e mandei fazer remédio.
Quando comecei beber, me abandonou o tédio.
Não foi médico do mundo que me receitasse, não:
foi a Bela que no sonho dirigia o caminhão.
Conheci que a Saúde me havia visitado.
Estou contando a história pra dizer muit’ obrigado.

Relato: Pedro Neco
Versos: Frei Adolfo

Obs: O autor é  Frade Franciscano, nasceu na Alemanha em 1940.
Chegou ao Brasil como missionário em 1964. Depois de completar os estudos em Petrólis atuou no Piaui e no Maranhão. Exerceu trabalhos pastorais nos anos 80 em meio a conflitos de terra. Desde 1995 vive em Teresina no RETIRO SÃO FRANCISCO onde orienta pessoas na busca da vida espiritual.

Imagem enviada pelo autor

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I