www.dedvaldo.blogspot.com.br
dedvaldo@salesianorecife.com.br

 Foi há cinquenta anos atrás, isto é, a 26 de março de 1967, que o beato Papa Paulo VI publicou sua Carta Encíclica Populorum Progressio         sobre o desenvolvimento dos povos, declarando que o desenvolvimento é o novo nome da paz e pedindo a todos os cristãos a se abrirem às necessidades dos povos do mundo inteiro. Sobre esse mesmo tema, seguiram-se depois dois pronunciamentos solenes dos Pontífices romanos: a Encíclica Sollicitudo Rei Socialis ( “A solicitude sobre a questão social”) de 1987, de São João Paulo II e a Charitas in veritate  ( “A caridade na verdade”) de 2009, do Papa emérito Bento XVI.

 Em 1969, Louis Even, diretor do movimento “Crédito Social”, que propugna em seu programa político-social uma Democracia Econômica – como eles chamam –  publicou na revista canadense VERS DEMAIN um artigo, agora republicado,  sobre como o crédito social seria  excelente forma de promover o homem todo e todos os homens, como deseja Paulo VI em sua encíclica de 1967.

Só assim, nesta promoção universal e integral do homem, é que o desenvolvimento humano será autêntico – diz Even. E cita o Papa Pio XI já em sua encíclica Quadragesimo Anno:  O organismo econômico e social será constituído sadiamente e atingirá seus fins, somente quando oferecer a todos e a cada um de seus membros todos os bens que os recursos da  natureza e da produção industrial lhes proporcionam.

Em termos ainda mais claros, se pronunciava o Papa Pio XII em sua rádio-mensagem de junho de 1941:  “Todo homem, enquanto dotado de razão, recebe da natureza o direito fundamental de usar de todos os bens materiais da terra; a economia nacional  não será outra coisa que assegurar sem interrupção as condições materiais, nas quais se possa desenvolver plenamente a vida individual dos cidadãos.”

Esses velhos princípios da ética social da Igreja adquirem hoje extraordinária atualidade, quando vemos em nosso país os ricos cada vez mais ricos e os pobres cada vez mais pobres,  e quando contemplamos com pasmo e horror nossos líderes políticos saqueando o dinheiro público, que não pertence a eles mas sim à comunidade, para o bem de todos, começando pelos pobres e necessitados.

Que a Virgem Senhora Aparecida, neste seu tricentenário, abençoe a nação brasileira, proteja os deserdados da sorte em nosso país e faça com que os nossos homens públicos finalmente se ponham ao serviço do bem comum.

Obs: O autor é  arcebispo emérito de Maceió.



busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos
Flickr do (Entre)laços

A ultima gota

Série "Nuvens"

Sossego

Série "Visitando os presépios familiares"

Trem da alegria

Série "Natureza"

Série "Pelo caminho tem árvores

Série "Zoológico Bauru-SP

Espelho

Ponte sobre o Rio Iacanga-SP