dirceu foto tamenor

[email protected]
dirceubeninca.wordpress.com

Quase todo o dia acompanhamos notícias sobre vendavais, enchentes, secas, mudanças climáticas bruscas, tufões, tsunamis, tornados, furacões, ciclones e outras catástrofes naturais. Tais fenômenos sempre existiram, mas agora se intensificam e agravam em função do aquecimento global. Uma pesquisa da Universidade de East Anglia (Inglaterra), publicada na Revista Nature Geoscience (2008) demonstrou, pela primeira vez, que o ser humano contribuiu de forma significativa com o aumento da temperatura na terra nas últimas décadas. E o faz através da emissão de gases poluentes, sobretudo, o dióxido de carbono (gás carbônico) proveniente da queima de combustíveis fósseis (gasolina, diesel e outros), do desmatamento, das queimadas etc.

Pesquisadores do National Institute for Space Research afirmam também que 52 mil grandes represas existentes no mundo participam com cerca de 4% do aquecimento global, emitindo por volta de 104 milhões de toneladas de gás metano (CH4) a cada ano. Uma tonelada de metano provoca 25 vezes mais impacto sobre o efeito estufa que uma tonelada de gás carbônico (CO2). Na somatória das emissões, o Brasil se encontra entre os 17 países maiores poluidores do planeta. Nota-se que o modelo de desenvolvimento econômico adotado e a temperatura da terra estão intrinsecamente relacionados.

Em face do aquecimento e da alteração dos ecossistemas, milhares de pessoas morrem todos os anos, além de provocar efeitos nocivos à saúde humana e ao conjunto do meio ambiente. Entre outras conseqüências, estão: ampliação das regiões desérticas, derretimento das calotas polares, morte de várias espécies animais e vegetais, aumento das catástrofes naturais provocando destruições generalizadas e proliferação de vetores transmissores de doenças. Convém ressaltar que são sempre os mais pobres e vulneráveis que mais sofrem com a degradação ambiental.

Segundo o Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC/2007), se não forem tomadas medidas urgentes, a estimativa é de que a temperatura média na terra até o final desse século oscile entre 1,1 e 6,5ºC. Estudos científicos apontam ainda que, mantendo-se o ritmo atual do aquecimento, até o ano 2050, milhões de pessoas terão de ser removidas das áreas litorâneas em função do avanço dos oceanos. De acordo com diferentes hipóteses, a continuar nesse processo, até 58% das espécies na terra e no mar serão extintas nas próximas décadas.

Os alertas mobilizam a humanidade. Por conta disso, em fevereiro de 2005 passou a vigorar o Protocolo de Kyoto que previa a redução de 5,2% dos gases poluentes até o ano 2012 como forma de minimizar o aquecimento global. O Protocolo foi assinado por 125 países. Os Estados Unidos, responsáveis pela emissão de 33% de todos os gases de efeito estufa do mundo recusaram-se a assinar, alegando que isso prejudicaria o desenvolvimento industrial do país.

Entre 7 e 18 de dezembro de 2009, em Copenhague, na Dinamarca, acontecerá a Cúpula sobre o Clima com o objetivo de definir um novo pacto mundial na luta contra o aquecimento global. Alguns líderes resistem a participar do acordo, obcecados pelos princípios do crescimento econômico. Outros admitem que se não houver um compromisso eficaz será uma catástrofe planetária, podendo ocorrer, num futuro próximo, impactos sociais, ecológicos e econômicos superiores aos das duas guerras mundiais.

Diante desse quadro, é necessário diminuir a poluição, mudar o modo de produção, o modelo industrial e o padrão de consumo. São imprescindíveis iniciativas efetivas de todos os países, governos, empresas, indústrias, produtores e sociedade em geral. Urge utilizar energias mais limpas, cobrar dos poluidores ações concretas para reparar os danos causados, fortalecer a consciência e a cidadania ecológica, estabelecer políticas ambientais amplas etc. Quando o globo aquece, não dá para ficar de “cabeça fria”! (21.10.09)

Obs: O autor é Doutor em Sociologia, pós-doutor em Educação e professor da Universidade Federal do Sul da Bahia

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I