dirceu foto tamenor

[email protected]
dirceubeninca.wordpress.com

A vida é mesmo uma passagem que decorre a passos largos. Em certo sentido, é como disse o filósofo pré-socrático Heráclito de Éfeso: “Não se pode banhar-se duas vezes no mesmo rio”. E o “rio” continua a correr, embora muitos deles já tenham sido barrados. Enquanto isso, às voltas com a vida, por esses dias dei-me com a lembrança viva de Fernando Pessoa, junto ao Mosteiro dos Jerônimos, localizado em Lisboa, Portugal.

Pessoa foi um destes homens que viu longe e viveu de modo intenso seus menos de 50 anos (1888 – 1935). Entre o que escreveu, acha-se uma frase emblemática, evidenciando que em nada há que pôr ponto final. Gravado em sua tumba está: “Não: Não quero nada. Já disse que não quero nada. Não me venham com conclusões! A única conclusão é morrer” (1923). Se nada se pode concluir é sinal de que a vida é uma permanente busca. E o é de fato, busca de tantas coisas!

Com igual destaque, encontra-se inscrito no túmulo daquele que foi um dos poetas mais importantes do século XX: “Para ser grande, sê inteiro: nada teu exagera ou exclui. Sê todo em cada coisa. Põe quanto és no mínimo que fazes. Assim em cada lago a lua toda brilha, porque alta vive” (1923). Mas, o que será que importa nesta vida: Ser grande ou ser humilde? Ter destaque ou permanecer anônimo? Servir ou ser servido? O que vale, disse o poeta, é ser inteiro em toda parte. E como é difícil sê-lo!

Espelhar-se na imagem da lua que alta está. Embora em poça d´água suja deixa-se ver clara e totalmente. Eis o desafio a quem quer ser inteiro. Fugir de toda e qualquer forma de ilusão e escravidão. Sair da “caverna” para ver a luz. O poeta a isso nos evoca com seu terceiro epitáfio grafado na sepultura em que se encontra. “Não basta abrir a janela para ver os campos e o rio. Não é bastante não ser cego para ver as árvores e flores” (1919). Só fotografar não é suficiente. É preciso avistar para descortinar. Importa diagnosticar, contemplar e entender para transformar ou apenas para viver.

Fernando Pessoa, que encarnou diversos heterônimos, como Alberto Caeiro, Ricardo Reis e Álvaro Campos, recebeu homenagens diversas. Numa praça pública de Coimbra ergue-se um monumento onde se lê a famosa frase: “Tudo vale a pena se a alma não é pequena”. E ela só não é pequena quando está cheia de amor, solidariedade e esperança. Em tese, como nos leva a pensar o ilustre poeta português, nada é pequeno ou grande. Tudo tem a dimensão que lhe damos, inclusive e, sobretudo, a vida.

Para não se apequenar o sentido da vida é essencial sair-se de si sem esquecer o que disse o grande filósofo ateniense Sócrates (470-399 a.C.): “Conhece-te a ti mesmo”! O desejo de não se fechar no tempo e no espaço, mas buscar realidades maiores foi também expresso de modo fascinante por ele: “Não sou nem ateniense nem grego, mas sim um cidadão do mundo”. Desse modo se pode compreender uma das maiores realidades da nossa existência, que consiste na tensão constante entre o transitório e a permanência; entre o aqui e o “além”.

Os filósofos, os poetas e também os santos nos ajudam a pensar no que fazer no tempo e no espaço que temos para viver. Estar presente fisicamente em dois lugares ao mesmo tempo não nos é possível. Diz-se, entretanto, que o conterrâneo e homônimo de Pessoa conseguia. Seu nome era Fernando Martins Bulhões, nascido em 1195, em Lisboa, que se tornou Santo Antônio. Estar presente em todos os lugares ao mesmo tempo e em todos os tempos só mesmo Deus.

A nós só resta nos esforçarmos para ser todo em cada coisa, como afirmou o poeta. Estar presente física, mental e espiritualmente no mesmo lugar e ao mesmo tempo nem sempre é fácil porque sofremos da tendência de estar longe de onde estamos enquanto estamos aqui ou ali. Estar integralmente no mesmo lugar e tempo é condição para viver intensamente a vida que passa. E, na medida em que vamos embora do lugar em que estamos, é preciso fazer todo o possível para não ter a sensação de que o tempo foi em vão no espaço em que se viveu! (14.04.2009)

Obs: O autor é Doutor em Sociologia, pós-doutor em Educação e professor da Universidade Federal do Sul da Bahia

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I