denis parece cocaina

http://obviousmag.org/denis_athanazio/
https://denisathanazio.wordpress.com/

Se perguntarmos para alguém que faz uso da cocaína cotidianamente, dificilmente esse alguém dirá que ela não é prejudicial a sua vida. Muitos deles lutam para extinguir o vício da sua vida e por isso tento nunca duvidar nem desmerecer as pessoas que suam sangue para enfrentar essa tão difícil batalha.

As sensações antes e depois do uso se misturam entre euforia, prazer, coragem, agressividade, tristeza, remorso, sensação de vazio, etc. E é também dessa forma que se sente a pessoa acometida pela paixão daquela do tipo avassaladora.

Um das definições da palavra paixão é a que vem do latim ‘passione’, ato de suportar, de sofrer. É claro que as palavras e seus sentidos vão ganhando releituras com o tempo. Por volta do século XIV, ela passou a querer dizer também “forte emoção, desejo”, e mais tarde ainda, “entusiasmo, grande apreço, predileção”.(http://www.muitointeressante.com.br/origem-da-palavra).

Gostaria de me ater mais às paixões “hardcore”, essas que são vistas como destrutivas na vida do indivíduo. Essas que fazem-nos perder a potência, reduzem a nossa humanidade e nos direcionam a constantes humilhações, decepções e mediocridades.

A mente dessa pessoa apaixonada pode funcionar psiquicamente de forma parecida à do dependente químico. O objeto de “amor” é uma droga potente e não raramente causa estragos na vida do apaixonado (no caso, o usuário) e das pessoas que convivem com ele. A dependência do outro é tão grande, que a sua ausência pode desencadear sintomas físicos como falta de ar, arritmia cardíaca e dores de cabeça, além de sintomas emocionais e existenciais como depressão, ansiedade e vazio.

Mas por que continuar sofrendo? O senso comum, erradamente, dirá que é besteira e a pessoa presa nessa paixão deseja apenas chamar a atenção e que, no fundo, gosta de sofrer. Assim como dizem que o usuário de drogas (lícitas ou ilícitas) só não para com o vício porque não quer. As pessoas ao redor que amam o ser aprisionado, tentam inutilmente fazê-lo enxergar “o que está fazendo consigo mesmo” e o tamanho do sofrimento causado a todos.

Mas a questão é que esse ser aprisionado já não é ele ou, pelo menos, não como era conhecido antes. E não é uma questão simples como quando você vai ao cabeleireiro para dar uma repaginada no visual. O que se muda são traços da personalidade. E é isso mesmo que assusta os mais próximos. Não raramente, essa mudança se volta apenas para com o objeto de amor. Exemplo: Se o indivíduo é conhecido por ser muito egoísta, esse mesmo pode, estranhamente, desenvolver uma prática solidária e altruísta para com o seu objeto de amor e veneração. Por outro lado, continua não dando a mínima para as outras pessoas com quem se relaciona.

Mais triste ainda é quando esse ser, que é objeto de apaixonamento do outro, percebe que ele(a) é a própria e tão desejada cocaína. A partir dessa percepção, perversamente se autointitula rei ou rainha e agora tem um escravo(a) particular, que o serve com prazer e sorriso no rosto.

Já li pesquisas dizendo que a paixão tem um tempo máximo de dois anos de duração e depois é liberdade, é “vida que segue”. Discordo, pois se alimentarmos todos os dias esse monstro, ele cresce e não diminui.

É claro que a paixão ou a cocaína tem seu momento de prazer, como já citei. E esse momento é a visita ao paraíso, mesmo que dure 40 minutos. Mesmo que seja um jantar ou uma mensagem no Whatsapp, ou um mero sorriso. Tudo vale a pena para sentir esse momento. E esse perverso que percebeu ser a cocaína do ser apaixonado, alimenta esperanças (na maioria das vezes falsas) de que “vai mudar” para a relação melhorar, promete mais carinho e atenção. E quem está apaixonado acredita piamente. É uma prisão de portas abertas para onde a pessoa corre voluntariamente como se fosse um encanto, uma magia.

O problema é que esse tipo de paixão faz a pessoa alçar voos altos, mas não lhe fornece um paraquedas. Por isso que o tombo geralmente machuca muito.

denis parece cocaina2

Certa vez, uma querida professora de psicologia me alertou: “Dênis, esses pacientes temos que atendê-los da mesma forma que faríamos com um paciente que é dependente químico. A terapia, nestes casos, pode ser vista como uma afronta, pois afinal, estar apaixonado é um presente da vida. Por outro lado, quando a pessoa procura ajuda terapêutica, mesmo que minimamente tenha percebido que algo está errado com a vida que está levando, ela melhora aos poucos. Com o tempo, começa a se libertar e a exigir mais do que as migalhas que está recebendo. E o mais rico desse processo terapêutico é que o paciente passa a ganhar e conquistar uma autonomia na vida há muito tempo extinta, para reconhecer quais batalhas deve enfrentar e de quais deve fugir. Reconhecer seus limites internos não é sinal de fraqueza, é indicativo de coragem. É uma libertação cotidiana.

Fortalecemos nossos músculos colocando-os em movimento e quando possível olhando para onde se pisa. A vida é um dia de cada vez, ou como diz no lema dos Narcóticos Anônimos: “Só por hoje”.

Obs:  O autor é Psicólogo, palestrante, terapeuta de família casal.
Imagens enviadas pelo autor.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I