DESERTO ADENTRO

frei adolfo deserto adentro1

No dia 22 de dezembro o serviço de som anuncia: “Grande procissão para o açude da Forquilha, para agradecer pelo dom da água e pedir que não venha a faltar”.  Às 4 hs da tarde sai o cruzeiro na frente, e o povo acompanha com pé no chão: PERDÃO, MEU JESUS! A primeira parada é no Riacho Salobro, onde refletimos a leitura de Ex 15, 22: “Caminharam três dias no deserto sem encontrar água e chegaram em Mara, onde não puderam beber de sua água, porque era amarga. O povo murmurou: Que haveremos de beber? Moisés clamou ao Senhor, e o Senhor lhe indicou um madeiro que ele jogou na água. Com isto, ela ficou doce. Foi neste lugar que o Senhor deu ao povo preceitos e leis e ali o provou”.    Lembramos que a seca tem sido uma mestra, e que o aperto ensinou o povo a juntar todas as forças na união. Que a dificuldade é tempo forte para viver o amor ao próximo. O cruzeiro estava lá à vista de todos, madeiro que o Pai jogou nas águas amargas deste mundo, de sorte que elas se tornaram doces. O cálice da amargura foi horrível para Jesus beber, mas no fundo deste cálice tinha um doce sabor: É por amor! Por isto, sua ultima palavra sai sem vacilar: “Está consumado”. O fel que ainda está na boca se transforma em mel.

Sim, a amargura é potável. Damião descobre que participa da cruz redentora, e o galão se torna leve. E Benedito vai satisfeito, mesmo “com os joelhos vacilantes”.

Quando a procissão segue em frente, encontramos a banda de pífanos da Forquilha, tocando Benditos de Padre Cícero. Na segunda parada refletimos o “Rochedo de Horeb” em Ex 17. “O Senhor está ou não está no meio de nós?” Ninguém teve dúvida. Depois chegamos na beira do açude e passamos na parede. Todos se assustam com o pouco de água que ainda resta. Os pés descalços estão indicando que a terra é santa. “A Forquilha tem sido uma mãe para o povo”. Na beira da água tem uma península onde cabe exatamente o altar com o padre.  Alí fica plantado o cruzeiro, complementando o palco como se fosse para a  Primeira Missa do Brasil. O povo está na banda seca do açude que serve de arquibancada. Dona Maria enche uma cabaça com água, e o padre asperge as pessoas, enquanto se canta: “A minh´alma tem sede de Deus”. No ofertório se faz presente de novo o sacrifício das caminhadas com toda canseira. Enquanto eleva o cálice, o padre fica pensando: “Como posso ser celebrante desta missa, se eu não tiver parte no sacrifício diário desta gente?” Na hora do prefácio o sol está dando o seu último brilho por cima da parede do açude. O céu e a terra proclamam a vossa glória!

Na Comunhão Deus alimenta o seu povo com o Maná, para que possa aguentar outra caminhada deserto adentro. Pois a água da Forquilha está se despedindo. No fim da missa Irmão João pergunta às pessoas, se elas têm coragem de fazer outra procissão mais longa, e todos respondem que sim. Ficou combinado: Vamos até a prefeitura de Itaíba para despertar as autoridades! Na volta se viu muita coragem na multidão. E de onde veio esta força? Sei que fora da hóstia sagrada não comeram nada. Quando passamos na igrejinha da Forquilha, Pedro Chicão cantou um verso de Reizado: “Deus vos salve, Matriz, onde o padre diz a missa cantada…”, e Dona Maria, sem tirar a lata da cabeça, tirou a segunda voz. O cruzeiro não fica só no ombro dos homens. As mulheres fazem questão de carregar o peso também, e as moças não ficam para trás.

frei adolfo deserto adentro2

Obs: O autor é  Frade Franciscano, nasceu na Alemanha em 1940.
Chegou ao Brasil como missionário em 1964. Depois de completar os estudos em Petrópolis atuou no Piaui e no Maranhão. Exerceu trabalhos pastorais nos anos 80 em meio a conflitos de terra. Desde 1995 vive em Teresina no RETIRO SÃO FRANCISCO onde orienta pessoas na busca da vida espiritual.
 Imagens enviadas pelo autor.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I