LAVOURA CANSADA
frei adolfo lavoura cansada

No mês de dezembro estamos bebendo o resto da água que caiu em fevereiro. Na casa de Dona Luzia, Manoel falou assim: São Pedro perdeu a chave do depósito da chuva! Dona Luzia não gostou: Nós é que perdemos a chave da oração!

Mas não faltou oração. O trabalho também não faltou. Caiu uma garoa em julho, e o lavrador pensou: Pode ser que seja o inverno que pede desculpas pelo atraso! – Todo mundo arou a terra com boi manso, plantou feijão e viu a planta nascente. Com duas semanas o sol abriu um sorriso largo: O inverno mandou dizer que não vem mais! – Sr. João que plantou três sacos, começou a dizer: Não vai se criar!  Assim mesmo o feijão se punha de pé todo dia: Quero viver! – Quando chegava ao pino do meio dia, se entregava diante do sol e anoitecia fatigado. Mas no outro dia se levantava de novo com a mesma coragem. Assim ainda teve uns pés de feijão que encheram umas vagens nas terras ao pé da serra. Mas na caatinga tudo se perdeu. Sr. João falou: Nunca mais planto na frente de casa para o legume não morrer na minha vista!

A safra foi assim: Sr. Antonio que plantou seis sacos colheu os mesmos seis sacos. Na Serra do Exú teve gente que tirou vinte sacos. Irmão João colheu um saco e uma lata em duas tarefas. Sr. Lourenço plantou nove kg, colheu doze e entregou seis ao dono, pois a terra era de meia.  O preço do feijão, de uma safra para outra, pulou de 4 Cr$ para 40 Cr$.

No Riacho do Maurício teve uma missa que por falta de local foi celebrada na sombra de um Imbuzeiro, situado numa roça de feijão. Irmão João perguntou ao dono: Sua roça deu alguma coisa? E o dono respondeu: Nada, a não ser pedra!  Era no tempo que seria Ação de Graças pela safra. Como não tinha produção, pegamos nas pedras e fizemos procissão de penitência, arrodeando o campo. Sentimos na cabeça a dureza da vida, enquanto se cantava: Perdão, meu Jesus!  – Por que esta roça não deu nada? A resposta fatal é: Por causa do pecado! – Sim, é verdade, mas é uns pecando e outros penando!   Qual é o pecado? – É a falta de previsão: esta seca estava avisada pelos cientistas, e quem tinha o poder não tomou providência de nada. É a seca do Egito sem haver um José que construa armazéns para o povo escapar.  A pedra na cabeça fazia sentir o peso que cai sobre os mais fracos. Quando chegamos no altar, todos jogaram as pedras num monte só, e aí ficou visível o tamanho da dor. O verdadeiro altar da missa foi este montão de pedras brutas: Será que elas um dia não serão transformadas em pedras preciosas para servirem de material no muro da Jerusalém celeste?

Obs: O autor é  Frade Franciscano, nasceu na Alemanha em 1940.
Chegou ao Brasil como missionário em 1964. Depois de completar os estudos em Petrópolis atuou no Piaui e no Maranhão. Exerceu trabalhos pastorais nos anos 80 em meio a conflitos de terra. Desde 1995 vive em Teresina no RETIRO SÃO FRANCISCO onde orienta pessoas na busca da vida espiritual.

Foto enviada pelo autor.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I