Ano Sabático em Negras – Pe – 1983

Freiadolfobois

“Toda criação geme e sofre como que em dores de parto até o presente dia”. Quem grita a dor da criação é o carro de boi que puxa água no sertão de Negras. A vida é tão dura como estes carros que não conhecem mola, nem rolamento, nem graxa. O eixo que se machuca em cada rodada revolta-se com o atrito e canta sua dor numa nota só:
Viii – da     di – fiii – cil!     Viii – da    di – fiii – cil!     Viii – da    di – fiii – cil!

Quem “puxa” este canto é a junta de boi que, submissa, carrega a carga, sempre na esperança de enfim ser libertada do cativeiro. Quem aguenta isto: Carregar quatro tambores cheios de água, quando não tem mais capim para encher a barriga? O gemido dos carros às vezes evolui para duas vozes, em intervalos de uma quinta:
Viii – da                               Viii – da                                      Viii – da
duuu – ra                            duuu – ra                                   duuu – ra

Sim, a vida é dura, e o Sr. Manoel já falou: “Até agora, a canga era de Imburana, mas daqui em diante vai ser de baraúna”. O lamento da criação, só Deus entende direito, este canto que não tem letra. Por isso, “as criaturas esperam ansiosamente que apareçam os filhos de Deus” para inventar o texto da triste toada. O canto é um só: dos carros que se arrastam na grande ladeira do povoado, e do povo que suplica na igreja: “SENHOR, ABRE OS CÉUS”.

A junta do Sr. Abraão passa na porta da igreja, quando o padre está no ofertório: “…pelo mistério desta água e deste vinho possamos participar da Divindade do vosso Filho…” Os bois participam, sem saber, da Divindade de Cristo, que carregou um peso tão  grande em favor dos homens. O eixo do carro que tomou um fôlego depois de vencer a ladeira, fica animado e canta uma música diferente como se quisesse acompanhar o canto do povo: “QUE AS NUVENS CHOVAM O SALVADOR”. Mas o carro segue no seu ministério da água, enchendo latas e potes. Com pouco tempo esquece as palavras e cai na velha toada:
Viii – da                                  Viii – da                                 Viii – da
duuu – ra                                duuu – ra                             duuu – ra

Obs: O autor é  Frade Franciscano, nasceu na Alemanha em 1940.
Chegou ao Brasil como missionário em 1964. Depois de completar os estudos em Petrólis atuou no Piaui e no Maranhão. Exerceu trabalhos pastorais nos anos 80 em meio a conflitos de terra. Desde 1995 vive em Teresina no RETIRO SÃO FRANCISCO onde orienta pessoas na busca da vida espiritual.

Foto enviada pelo autor.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I