foto Aurelio Molina entrelaços

As vergonhosas ocorrências na assistência à saúde, denunciadas pela grande mídia nas reportagens “A Máfia das Próteses” (janeiro de 2015) e “A Quadrilha dos Marca-passos Cerebrais” (julho de 2016), revelam a deterioração da histórica relação entre profissionais/gestores de saúde e a indústria/comércio que interage com a “Arte do Cuidar e do Curar” (que tem um faturamento anual de mais de um trilhão de dólares). Infelizmente, além das citadas, muitas outras práticas deletérias aos indivíduos e à coletividade estão ocorrendo, tanto na produção do conhecimento quanto na sua divulgação e aplicação. Na produção do conhecimento são inúmeros os casos de pesquisas científicas (algumas famosas) que foram mal desenhadas (ou “bem” desenhadas para atingirem resultados “desejados”), maquiadas ou mal interpretadas para subsidiar “cobiçados” e lucrativos tratamentos e/ou ações (inclusive falsas prevenções). Na divulgação do conhecimento, setores comprometidos com o “lucro a qualquer preço”, seguindo o ditado “quem paga a banda escolhe a música”, muitas vezes financiam e/ou influenciam sociedades de especialidades, congressos e revistas científicas, palestras, “consensos”, campanhas publicitárias, currículos de graduação e até mesmo a escolha de dirigentes e professores, particularmente nas universidades “formadoras de opinião”. Assim, com os corações e mentes “dominadas”, científica e academicamente, fica mais fácil influenciar condutas. E o resultado dessas interações nefastas é uma grande quantidade de práticas hegemônicas, na assistência à saúde, que não tem base cientificamente comprovada e/ou não foram avaliadas do ponto de vista ético/bioético em relação ao custo/risco/benefício/malefício (individual e coletivo). Em verdade, existem suspeitas de agravos éticos que vão desde a solicitação de exames desnecessários (e caros), “indicação” de determinados laboratórios/clínicas de exames complementares, prescrição de onerosos medicamentos e materiais (com recebimento de “participações” e “premiações”) até duvidosas intervenções (inclusive cirúrgicas). Independente de não caber aos profissionais de saúde o papel de polícia, já que nosso único foco deve ser o de fazer o maior bem possível ao maior número de pessoas possíveis, necessário se faz lutar contra o mercantilismo que está orientando as atuações de alguns colegas, pois o “deus cifrão” não pode ser colocado à frente do Deus Esculápio. É impossível servir a dois senhores tão distintos e de valores morais tão díspares. Enquanto no setor saúde, o tratamento da doença (e não o estímulo ao não adoecer) for o paradigmático, pouca coisa irá mudar. Enquanto não for estabelecida uma adequada e justa carreira de estado para os profissionais da saúde, estes continuarão vulneráveis ao poder econômico. Enquanto o lucro, dentro do setor saúde, continuar se consolidando como a lógica e valor fundamental (e não o Humanismo e a Ética baseada no bem comum, na valorização e respeito, quase reverencial, ao fenômeno Vida universal e humana) mais distorções inaceitáveis irão acontecer, contribuindo também para a inviabilização do Sistema Único de Saúde. A crise é profunda e gravíssima. E os profissionais de saúde, e suas entidades, sozinhos, não conseguirão sair dela. Os éticos, humanistas, sérios e competentes ainda são a grande maioria. Mas precisam urgentemente de ajuda. Para o bem de toda a sociedade.

Publicado no jornal Diário de Pernambuco, página A2, 02/08/2016
Obs: O autor, Prof. Dr. Aurélio Molina, Ph.D pela University of Leeds (Inglaterra) é membro das Academias Pernambucanas de Ciências e de Medicina.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I