mariainezespsanto Ceiuci1

www.mariainezdoespiritosanto.com

Recolhida junto a um tuxaua (chefe de tribo) dos Anambés no norte paraense, em 1865, pelo folclorista Couto Magalhães, e publicada em 1876 n’O selvagem, a lenda de Ceiuci traz um belo ensinamento sobre como levar a vida: fugindo ou enfrentando os problemas que cruzam nosso caminho? O que, aliás, remete, segundo o próprio Magalhães, às narrativas mitológicas de Hércules e Ulisses, marcadas por obstáculos e peregrinações. Recontada aqui com o olhar e a sensibilidade de Maria Inez do Espírito Santo, esta fábula tribal conta a história de um indiozinho que saiu para pescar e acabou virando alvo da Velha Gulosa, que come tudo que vê pela frente: bicho, gente e até — muito cuidado para não perder os dedos, leitor! — livro com lenda indígena. Pego pela Ceiuci, o índio é salvo pela infreável força do amor, dando início a uma fuga interminável da gula fatal da Velha faminta.E, se não fossem por eventuais mãos amigas — ou melhor, patas e asas amigas —, o curumim certamente seria devorado. Tanta corrida, preocupação e medo não deixaram que ele percebesse a passagem do tempo. Quando, enfim, se dá conta, encarando seu reflexo nas águas do rio, ele já não é indiozinho, mas um velho índio. Que muito viveu e nada viveu correndo do iminente perigo. Uma fuga da vida e das eventuais dificuldades e empecilhos. Fugiu tanto da Velha e esqueceu não poder escapar da velhice. Cansado e sozinho, onde encontrará segurança, repouso, abrigo, e, finalmente, colo, se o amor ficou para trás, os amigos foram passageiros e não existe mais um lugar para chamar de ninho?

Obs: Imagem enviada pela autora.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I