dirceu foto tamenor

[email protected]
dirceubeninca.wordpress.com

“A desigualdade mundial está se tornando insustentável e o Brasil é um dos países mais desiguais do planeta”. A afirmação foi feita pelo economista e professor da PUC/SP Ladislau Dowbor no segundo dia do 29º Curso de Verão. Promovido pelo Centro Ecumênico de Serviços à Evangelização e Educação Popular (CESEEP), o Curso que acontece na PUC/SP de 6 a 14 de janeiro, trata do tema “Economia promotora dos direitos humanos e ambientais”.

Segundo a ONG britânica Oxfam, as 85 pessoas mais ricas do mundo têm um patrimônio acumulado equivalente a 3,5 bilhões de pessoas mais pobres. Cerca de dois bilhões de pessoas vivem com menos de dois dólares por dia e cerca de 800 milhões passam fome, enquanto que, só de grãos, o mundo produz mais de um quilo por pessoa/dia. De acordo com Dowbor, o nosso problema não está na falta de conhecimento, de recursos econômicos e de produção, mas no que fazemos com o conhecimento, com os recursos econômicos e com a produção.

“Ao mesmo tempo em que temos uma tecnologia de ponta, continuamos morrendo de dengue. Se a gente distribuísse de maneira equitativa os bens no Brasil, cada família de quatro pessoas teria cerca de R$ 7 mil por mês”, explicou o economista. Para ele, a democracia econômica, ou seja, quem decide o destino do dinheiro e dos bens é nosso grande desafio. “Tradicionalmente, a desigualdade foi vista como um problema de distribuição injusta. Hoje, vemos com mais clareza que se trata de um processo mais amplo de organização econômica”.

Além disso, o professor citou o crescimento rápido da população mundial. A cada ano tem-se um aumento de 80 milhões de pessoas. Com isso, aumenta também o consumo, os problemas de saneamento básico e o aquecimento global. “O que acontece ao conjunto do planeta acontece também no Brasil. Por isso, estamos condenados a mudar”. Entre as medidas importantes destacadas estão a reorientação do uso dos recursos econômicos e a redução do consumismo. Ele mostrou que não há saídas mágicas e disse que a economia e a política são duas faces da mesma moeda.

Para Dowbor, o ano 2015 foi um ano chave para a definição do futuro do planeta. Entre outros eventos, tivemos a 21ª Conferência do Clima (COP 21), em dezembro de 2015, em Paris, com o objetivo de estabelecer um novo acordo entre os países para diminuir a emissão de gases de efeito estufa. Também uma nova Agenda do Desenvolvimento Sustentável 2016-2030 (Agenda 2030), realizada em New York, com 17 objetivos e 169 metas para o desenvolvimento sustentável. “A gente sabe o que precisa ser feito; a questão é fazer”, concluiu.(08.01.2016)

Fonte: CESEEP
Obs: O autor é Doutor em Sociologia, pós-doutor em Educação e professor da Universidade Federal do Sul da Bahia

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I