Dasilva 1 de agosto de 2016

– a propósito de fazer da casa um Centro Cultural

  1. Nestes dias, numa revista de história, um autor definia “novas ideias”, como a evolução ou o desenvolvimento de uma proposta já em curso, como se fosse sua ampliação. Diferenciava de “ideias novas” que para ele, representam uma revolução porque mexem na estrutura do tradicional, convidam a uma adesão e são, antes de tudo, uma aposta, um desafio, um risco.
  2. Em geral, as pessoas recebem bem as “novas ideias” por sentir que podem significar um avanço e até um benefício. Em todos nós, talvez por cultura, habita um espírito conservador que nos faz preferir o comum e rotineiro do que mexer com o que está quieto… Nos custa apostar, sair da zona de conforto, entrar em conflito ou parecer “estranho”…
  3. Já as “ideias novas”, de imediato, provocam entusiasmo nos visionários e idealistas, e resistência e desconfiança, em pessoas ditas racionais ou mais vividas. Em si, as duas atitudes, embora contraditórias, devem ser vistas como normais e, quem sabe, até complementárias. Pois, são as tensões e contradições que geram o movimento e produzem as transformações.
  4. Transformar um espaço familiar em Centro Cultural é “ideia nova” porque sai da mesmice, do senso comum – o patrimônio não segue o “legal”, o que todo mundo faz. Difícil e conflitivo é investir numa proposta que propõe manter um espaço afetivo como memória dos pais, como ponto de coesão familiar maior que os laços de sangue e, além disso, ser um serviço à comunidade.
  5. A “ideia nova” funciona na empresa privada porque a novidade desce como ordem e se impõe pela coerção. Na empresa solidária, porém, o caminho exige adesão voluntária e acertos coletivos construídos. Se na primeira funciona pela manipulação e pela força, na cooperação o projeto é forjado no convencimento e construído na paciência impaciente e na rapidez sem pressa.
  6. Quando existe afinidade explicita, funciona o voto de confiança porque há pré-condições e pré-disposições. Se a ligação é só de sangue, o conservadorismo fala alto e, resiste às argumentações da “nova ideia”. Quem anima deve projetar, propor metas e prazos e não temer quem discorda, mas quem se cala – não se sabe o que calado quer: não opina, não explicita suas razões.
  7. Ao aclarar objetivos e sensibilizar pessoas sobre a “ideia nova”, se aprende muito. Mas, no processo de convencimento, o “contato” virtual é insuficiente e a votação é ritual ineficaz, útil só em caso de emperramento. A conversão ao novo vem pela pregação pessoal – a não ser funcionários, ninguém executa ideias que outros planejam. A intenção é perder o menos possível de pessoas.(14 de Julho, 2016)
Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I