A Nova Relação Médico-Paciente

[email protected]

O mundo gira e se transforma, e assim também as relações humanas. Como não poderia deixar de ser a interação médico-paciente mudou nos últimos anos.

A parceria que deve existir entre o médico e o paciente é o esteio desta relação. Hoje o paciente ja chega ao consultório sabendo, ou imaginando saber, qual a sua doença. Os meios eletrônicos de informação, Google incluído, oferecem uma gama enorme de informações médicas. Basta juntar os sintomas e pronto, já vem o diagnóstico e o tratamento, imagina-se. Mas o paciente  busca também  o conforto de quem o acolhe, seu médico, ao mesmo tempo em que também almeja encontrar alguém que o escute. O acolhimento, palavra e ação pela qual tenho tanto apreço, deve ser amplo e irrestrito, fazendo que o “que padece”, o paciente, sinta-se amparado e tranquilo por perceber que alguém se preocupa com seu sofrimento.

Para nós, médicos, resta ouvir e interpretar a história do doente. Não apenas resumi-lo a um órgão – um estômago inflamado, uma gastrite – mas um ser humano com gastrite. Por que a tem?, qual seu contexto de vida que o fez padecer do estômago?, quais seus hábitos alimentares?, enfim precisamos entender o paciente, não apenas sua doença. E isto demanda tempo e comprometimento. Num médico hoje se busca ouvidos, cérebro e tempo (paciência). Isto fará com que possamos entender melhor a história daquele que nos procura.

Venho de uma família de médicos. Meu avô, Ruy do Rêgo Barros, me contava que o médico dos anos 50,60, era um Deus. Ao chegar na casa de um paciente para consultá-lo as portas estavam abertas,  as toalhas nas pias eram novas, o sabonete para as mãos recém-aberto e a família a aguardar ansiosamente aquele que daria o veredicto sobre o paciente, o conhecedor da verdade, o que diria o que fazer e todos ouviriam atentos e obedeceriam. Este tempo acabou! Hoje o médico é um “mortal”, igual a todos os outros profissionais e que pode – e muitas vezes deve – ser questionado, ser duvidado. A medicina não sabe tudo, daí por muitas vezes deve-se buscar a “segunda opinião” médica.

Com as informações disponíveis na grande rede o paciente e seus familiares são mais bem informados e podem – e devem- participar das decisões terapêuticas recomendadas pelo médico que o assiste. Não há espaço mais para o endeusamento do médico. Há espaço para o desenvolvimento de uma boa relação médico-paciente e médico-familiares para que, juntos desenvolvam uma linha terapêutica que seja melhor para o que sofre, sempre observando suas preferências e seus valores pessoais. Não há verdades absolutas! Há, ou deve haver, diálogo franco e aberto. O paciente e seus familiares são também atores do tratamento, que é o que  afinal importa.

Obs: O autor é Médico Hepatologista
Sociedade Brasileira de Hepatologia
Recife – PE 
Brasil

Publicado no Diario de Pernambuco em: 24/03/2016

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I