dirceu foto tamenor

[email protected]
dirceubeninca.wordpress.com

Desde os tempos mais antigos, a humanidade vive experiências de dominação pelo poder e pela força. Embora haja fatores específicos que explicam a emergência de cada império, alguns elementos parecem comuns. Entre eles, o incontido desejo humano de superioridade e a busca deliberada de subjugação social, cultural e econômica. Com diferentes nomes, características e impactos, tal fenômeno atravessa a história, estabelecendo relações conflitivas entre grupos, sociedades, povos e nações. A marca forte desses processos é o desrespeito à identidade e à dignidade do outro.

O conceito comum (imperialismo) adotado para referir tais práticas é altamente auto-explicativo. Na vida sociopolítica, imperar significa, na maioria das vezes, impor-se por força das armas, do dinheiro e da cultura. De acordo com o intelectual palestino-americano Edward Said, “todo império diz a si e ao mundo que ele é diferente de todos os outros” (In: ATKINSON, Sam et al.. O Livro da Filosofia. São Paulo: Globo, 2011, p. 321). E, por ter-se como tal, não considera os outros dotados de valores e merecedores de respeito, mas os vê e os trata como potenciais concorrentes que devem ser controlados e combatidos.

Na história, impérios, imperadores, recursos e métodos típicos se sucederam e coexistiram, alimentando o ideal de que o melhor e o mais importante é quem tem mais capacidade de dominar. Assim, pelos tempos afora, foram produzidos rastros incontáveis de luta e sofrimento. Por sua própria natureza, os impérios “saqueiam” o poder e mascaram os abusos que fazem dele. Reproduzem e atualizam práticas colonialistas; controlam a economia; forjam ações totalitárias; imprimem preconceitos e discriminação de toda ordem e instituem fluxos contínuos de imposição cultural.

Em sua obra Cultura e Imperialismo (1993), Edward Said analisa como a questão cultural se constitui em um campo propício para a reprodução do espírito de dominação. Ele confirma a ideia de que o imperialismo não se tornou algo do passado, superado com o desmantelamento dos impérios clássicos. Na verdade, embora o mundo tenha avançado muito no conhecimento, na tecnologia e nas formas democráticas de organização, o imperialismo continua a ser um traço marcante nas relações internacionais e globais.

Os impérios acabam sempre por se constituir em pólos difusores de suas concepções políticas, de suas estruturas econômicas e de suas orientações ideológicas. Normalmente buscam legitimação através da cultura e da religião. Em cada fase do capitalismo, os imperialismos assumiram configurações próprias. Surgido no final do séc. XIV, o capitalismo mercantil caracterizou-se por grandes navegações associadas às relações de exploração comercial das colônias pela metrópole. No capitalismo industrial, implantado a partir da segunda metade do séc. XVIII, os impérios se afirmaram na exploração de recursos naturais e humanos com a utilização dos emergentes recursos tecnológicos.

A partir do séc. XIX houve um novo movimento colonial caracterizado, entre outros fatores, pela avidez das potências industriais europeias em dominar novos territórios, assegurar o controle de matérias-primas e energia e explorar novos mercados. Com isso, foram instigados os nacionalismos e as políticas imperialistas, o que acabou produzindo duas guerras mundiais no século XX. Com o avanço da globalização capitalista, o livre mercado passou a se constituir na figura central do novo imperialismo. Para Octavio Ianni, “o globalismo pode conter vários imperialismos, assim como diferentes regionalismos, muitos nacionalismos e uma infinidade de localismos. Trata-se de uma totalidade mais ampla e abrangente, tanto histórica como logicamente”.

A emergência de impérios pós-modernos, ao mesmo tempo em que mantém tradicionais traços de dominação, inovam em sua forma, buscando a construção de um novo paradigma estrutural baseado no declínio do Estado-Nação, na desregulamentação dos mercados e nas ações de alcance global. O atual formato imperial – o capitalismo globalizado – integra os diversos poderes que o constitui e os articula em rede. Busca, assim, superar clássicas fronteiras sociais, políticas e territoriais para se consolidar de um modo distinto, isto é, como poder onipresente, sem centro nem território demarcado.

Para Michael Hardt e Antonio Negri, no livro O Império (Ed. Record, 2001), o império pós-moderno baseia-se em três meios de atuação global: o aparato militar (em especial, o arsenal nuclear); os mecanismos monetários e o mercado mundial sob o controle dos centros financeiros imperiais, chamados também de cidades globais; o sistema educacional e a produção cultural. As novas formas de colonialismo das mentes, dos corpos e dos territórios misturam também boas doses de racismo, fundamentalismo e terrorismo. Portanto, parece claro que, com o passar do tempo, os impérios não se enfraquecem. Antes, sim, se aprimoram.(01.02.2013)

Obs: O autor é Doutor em Sociologia, pós-doutor em Educação e professor da Universidade Federal do Sul da Bahia.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I