Jose-Albertoatualizado

Ex-Director do INETI (Coimbra)
([email protected])

Ando a ler a obra de P. Hemenway, “O Código Secreto”, que trata de uma fórmula matemática denominada Proporção Divina que teve e tem aplicação prática em múltiplas atividades, nomeadamente arte, ciências da natureza, ciências exatas e cálculo probabilístico, com exemplos desde as civilizações Helénica e Egípcia (ex: o Pártenon na Grécia e as Pirâmides no Egito), passando pela arquitetura na Idade Média (ex: a simetria nas catedrais góticas), para descer aos nossos dias no âmbito da Botânica e Zoologia (ex: a simetria em flores e frutos e o formato do osso caracol no aparelho auditivo humano) até à época digital com o surgimento dos fractais e respetivas aplicações (ex: técnicas de diagnóstico em medicina, tecnologia de novos materiais, previsões de curto prazo em mercados bolsistas, etc). Os matemáticos usam a letra ф para representar a Proporção Divina que é uma constante resultante da expressão (1+√5)/2. Segundo Hemenway, a noção de Proporção Divina começa em cálculos efetuados na Babilónia em placas de argila, facto que revela o valor da História na apreensão de problemas atuais.

A sociologia e a política não são ciências exatas, razão pela qual é difícil prever as consequências de algumas decisões governativas. As duas guerras mundiais tiveram por base, entre outras, razões de natureza económico-financeira e, por motivos desta índole, Hitler perseguiu os judeus para confiscar os seus bens e não teve pejo em perpetrar o holocausto ou mostrar um quê de arrependimento quando teve consciência de ter perdido a guerra, matando Eva Braun e suicidando-se de seguida. Mais coragem, tiveram os líderes japoneses que, perante a rendição do Japão, praticaram o harakiri em cumprimento de um preceito cultural dos samurais, ato que leva a uma morte lenta e sofrida.

Com um fim pré-calculado, à guisa de quem esconde, nas premissas, os objetivos a alcançar, a União Europeia foi-se desviando dos caminhos que levavam, em liberdade, ao equilíbrio político e económico e social dos seus membros, objetivos que a CEE perseguia nos sonhos de J. Monnet, K. Adenauer, R. Shuman e outros.

A União Europeia está hoje cada vez mais dividida, não obstante os eurocéticos não se terem cansado de citar os inconvenientes da estratégia. A UE continua a ser uma manta de retalhos de nações, de culturas, de línguas e de interesses antagónicos, onde nunca deixou de pulsar o desejo hegemónico de alguns estados, designadamente da Alemanha.

Portugal trilha caminhos conturbados, num constante zig-zag com a Constituição da República. O CDS deixou de ser democrata cristão, o PSD deixou de ser social-democrata e o PS deixou de defender o socialismo por via democrática, factos que desfizeram a simetria política que se pretendia atingir após a derrota do “Processo Revolucionário Em Curso”, também conhecido por PREC. Hoje, vive-se não só uma crise económico-financeira, mas também uma crise de identidade, na qual os políticos constituem uma classe privilegiada, muito em especial no que se refere a benesses que começam nas juventudes partidárias e culminam num ambiente nebuloso, onde a promiscuidade de interesses embacia a transparência do ato político, longe do encanto e da harmonia que a Proporção Divina nos mostra ao longo da História. Veja-se a proposta do governo relativa à isenção de cortes nas pensões de políticos e juízes, ao jeito de quem mete uma cunha à oposição e ao Tribunal Constitucional.

Em Portugal, vive-se à luz de uma fogueira de vaidades e de interesses que desinquietam a consciência com decisões que não cabem em milhões de mentes, dado que não têm nada de Divino.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I