Jose-Albertoatualizado

Ex-Director do INETI (Coimbra)
([email protected])

Na introspeção dos portugueses reina a pergunta «até quando o calvário vai durar?». Os mais crentes, já se colocaram nas mãos de Deus e/ou dos Santos, a quem dedicam mais de perto a sua fé. Vejam-se as notícias e comentários nas TVs, ouçam-se as rádios ou leiam-se os jornais, nada existe que acalme a angústia que reina, mormente, nas classes média e baixa. Mas, o pior de tudo, é olhar para o horizonte e não vislumbrar um caminho que dê alento para vencer a espinhosa jornada que temos pela frente, de onde se ergue uma dívida impagável e, provavelmente, um segundo resgate. Reiterando o que escrevi há meses atrás, começo a acreditar que Portugal está metido num buraco cavernoso e anda a ser governado por linhas travessas e artes de prestidigitação, artigo que me levou ao romance “Germinal” de Émile Zola e à vida sofrida dos mineiros no tempo em que a carvão era a matéria-prima energética mais cobiçada no mundo.

Hoje, temos energias limpas mais perigosas do que o carvão e temos políticas monetárias mais agilizadas, mas que não dependem só do Deve/Haver. São políticas tuteladas pela ditadura dos mercados-financeiros apoiados pelo Neoliberalismo que instituiu nas sociedades, à maneira da “Natureza Bruta”, a lei do mais forte, do mais apto, do mais ardiloso, em suma, do predador e da presa. O Neoliberalismo tem duas grandes escolas: a Austríaca e a de Chicago, onde se especializou o ex-ministro das finanças V. Gaspar. Entre os políticos neoliberais, ficaram para a História R. Reagan (USA), A. Pinochet (Chile) e M. Thatcher (UK). No Chile, além das atrocidades do ditador, ficaram célebres os “Chicago Boys”, nome dado a um grupo de jovens economistas oriundos da Escola de Chicago, que delinearam a política económica de Pinochet, mais tarde readaptada por Thatcher no Reino Unido. Esta é a razão pela qual P. Coelho escolheu V. Gaspar para ministro das finanças, que funcionava ao jeito do avalista relativamente à pressão dos mercados.

O teor da carta de demissão do ex-ministro das finanças e o que ficou pendente nas entrelinhas têm vindo a clarificar-se mostrando que P. Coelho, P. Portas e Maria L. Albuquerque não são reconhecidos como avalistas e que as medidas tendentes ao crescimento económico são tidas pelos mercados financeiros como quimeras de adolescentes. Para agravar a situação, Cavaco Silva, P.  Coelho e P. Portas andam desafinados, não clarificam o rumo político e o país anda à deriva. Não admira, por isso, a necessidade de um segundo resgate, que virá a público com um nome fictício.

Atirar as culpas dos insucessos para o Tribunal Constitucional é lavar as mãos como Pilatos, tanto mais que P. Coelho, quando apresentou o programa para as legislativas, não incluiu medidas de austeridade embora abordasse a reformulação do Estado. M. Thatcher tratou deste assunto no Reino Unido, onde serviços e organismos públicos foram reorganizados tendo em conta as instituições indispensáveis, por exemplo na justiça, saúde, ensino, investigação e desenvolvimento. Por cá, o governo devia estar a tratar do assunto sem demora, mas preferiu atuar sobre os pensionistas e reformados. Alterar de modo unilateral, compromissos assumidos, só revela que o Estado Português não é pessoa de bem. Além do mais, as instituições políticas continuam a gastar à tripa-forra. Sem contar com as benesses de ex-políticos, vejam-se os orçamentos do Gabinete do Primeiro-Ministro e da Assembleia da República que mostram que o exemplo não vem de cima.

E, por tudo isto, vale a pena continuar a lembrar Émile Zola, desta feita em J´Accuse, um artigo alusivo ao caso Dreyfus, publicado no L´Aurore em 1898. O resultado das autárquicas é consequência direta da política em jogo.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I